terça-feira, 27 de abril de 2021

A Intervenção Militar que aconteceu e passou despercebida pela maioria


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Dr. Ronaldo Carlos

É fato que uma intervenção militar nos moldes e como vinha sendo pedida e sonhada por apoiadores do governo Bolsonaro  era de logística e de fato totalmente impossível de obter um bom resultado.  E na verdade uma intervenção militar com tanques e homens armados na rua era o sonho da cúpula de esquerda. José Dirceu se fudeu!

Se viesse a ocorrer nos moldes como sugerido e defendido por bolsonaristas ou simples apoiadores, como inúmeras  vezes vimos em passeatas/carreatas, haveria uma imediata e, de pronto,  uma efetiva retaliação econômica e diplomática  de nações e imprensa estrangeiras que sabidamente são de viés claramente esquerdista como França, Argentina,  New York Times, CNN etc;  bem como e a reboque  acompanhadas por nações oportunistas que sabidamente estão de olho na Amazônia,  no nosso nióbio,  em nossas terras cultiváveis e tantas outras riquezas.  Não à toa já vinha sendo trabalhada e construída, no exterior,  um discurso para criar e sedimentar  uma narrativa de genocida e de perigo mundial  representada por Bolsonaro.

Construída essa imagem,  externa e internamente ,  fácil seria a imposição de um impeachment  ao presidente;  tanto que não faltaram provocações sobre tudo do STF para que ele cometesse tal erro de intervir militarmente frente aos desmandos e provocações.

Diante deste quadro qual foi então a solução encontrada?  De tão simples beirou as raias da genialidade. Explico:  Ele fez uma *intervenção militar*  dentro das Forças Armadas.

Sério? ... sim meus amigos, sério! .... A coisa já vinha fermentando e foi catalizada com a prisão do deputado Daniel Silveira,  a decisão do Fachin e a morte do policial em Salvador, abatido por colegas de farda  por não querer reprimir, por ordem do governador comunista, os trabalhadores que queriam/querem trabalhar.

O Ministério da Defesa tinha à frente o Gen. Fernando Azevedo e Silva,  conhecido nos meios políticos e militares  como um general tendente explicitamente à esquerda;  e trazia com ele no mesmo viés os ministros do Exército, Marinha e Aeronáutica.  Esse  quadro militar  jamais se manifestou a favor do País não só quando foi atacada a Constituição como também a própria  Presidência da República por atos e falas de membros do STF,  da Câmara e do Senado então presididas por  Rodrigo Maia e Alcolumbre;   Chegando-se ao cúmulo de ter havido uma reunião de  cúpula sob o manto de uma pretensa festa de aniversário de Aécio Neves, para tratar da destituição de Bolsonaro da Presidência.   

Diante disto o que fez o Presidente, forçado por chantagem de Kátia Abreu para demitir o ministro das relações exteriores, Bolsonaro foi além; ele fez o impensável para a esquerda, para a mídia e sobretudo para as própria Forças Armadas; fez uma intervenção militar dentro da caserna e demitiu sumariamente e de uma só penada não só o ministro da defesa como também todo o comando das três forças (marinha, exército e aeronáutica).

Assim,  sem precisar por tanques  nas ruas ou mobilizar soldados, ele destruiu  o núcleo que dava “garantia velada” aos impropérios  do STF contra a Constituição e causando desatino na mídia e na imprensa ativista de esquerda, e este medo e assombro está visível e pode ser observado pela brusca freada do STF em suas decisões contra o Governo e no recuo da mídia nos ataques ferozes que vinha fazendo à pessoa do presidente na busca de desestabilizar o País.

Bolsonaro sacudiu,  dentro do poder constitucional que tem,  com a estrutura hierárquica  de tempo para ascensão dentro das forças armadas trazendo para o Ministério da Defesa um militar que já comandou com sucesso a intervenção no Rio de Janeiro, o que é sem dúvida um aviso claro aos  “navegantes” do barquinho. E como vem sendo dito popularmente  “pôs fogo no parquinho”  da esquerda. A intervenção militar ocorreu e agora vai e está se desdobrando sem um tiro sequer ao contrário do que queriam e contavam os comunistas e não foi notado por muitos apoiadores do Presidente da República.  

O choro é livre!


Dr. Ronaldo Carlos é Articulista.

6 comentários:

Anônimo disse...

Verdade verdadeira vide pronunciamento do novo comandante do exército.

Unknown disse...

Agora so falta por aqueles 11 bandidos do STF no olho da rua, por justa causa, se possível, levá-los algemados, de toga e tudo para prisão!

Unknown disse...

Sao fatos que nao se revelam em virtude de uma falta brutal dos Brasileiros em saber o que lhe é melhor....

Unknown disse...

Decisão espetacular, tamo junto Presidente para o que der e vier eu servi o exercito eu sei o que é hierarquia,pois o Executivo e o poder
Máximo.

Unknown disse...

Só fico feliz,quando sair os abutres do STF e o controle dos mizeraveis do senado e deputados.

Unknown disse...

👏👏👏👏👏👏