segunda-feira, 19 de abril de 2021

Crítica aos supremos cabos eleitorais do chefão Lula


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Sérgio Alves de Oliveira

A plena consciência que os “Supremos Ministros” do STF têm da precária  formação política provavelmente da maioria dos brasileiros, que têm  antecedentes nesse sentido, e já colocou na cadeira presidencial, através do voto direto, tanto “lixo”político, como Jânio Quadros, em 1961, Collor de Mello, em 1990, Fernando Henrique Cardoso, de 1995 a 2003, Lula da Silva, de 2003 a 2010, e Dilma Roussseff, de 2010 a 2016, sem contar outros  de igual “laia”, como José Sarney, eleito indiretamente como “vice” na chapa encabeçada por Tancredo Neves, em 1985, mas que faleceu antes de assumir, deixando a vaga para Sarney, bem como mais tarde Michel Temer, que era “vice” de Dilma, e assumiu a presidência  devido  ao impeachment dela, em 2016, os quais, na sua totalidade, de tanto lixo que foi, provavelmente não caberiam num só caminhão que recolhe esse material descartado, levaram-nos a libertar das grades e anular as condenações penais do ex-Presidente, e agora “ex”-criminoso, Lula da Silva, desprezando totalmente as condenações desse meliante em todas as instâncias “normais” da Justiça Brasileira, antes de “esbarrar” no STF.

Com certeza,para essa absurda anulação das condenações de Lula de todos os seus crimes,habilitando-o, por essa estratégia jurisdicional “suja”, a concorrer a uma eleição em que parece  quase certa uma nova vitória em outubro de 2022, devem ter considerado a fatalidade antevista por Ruy Barbosa, pela qual ”a pior ditadura  é a do Poder Judiciário (entenda-se  do STF).Contra ele não há a quem recorrer”.

Mas Ruy Barbosa certamente “esqueceu” de ponderar na época ,com isso dando “uma-força” descomunal  aos “Supremos Ministros”,que se acham acima de “Deus”,que desde o momento em que a Suprema Corte ultrapassa os seus limites,substituindo o “direito” que diz aplicar  pela sua antítese, o  “anti”direito, ”rasgando”, por conseguinte, o chamado “estado-de-direito”, que passa a ser substituído  pelo “estado-do-(anti)direito”,evidentemente com essa  atitude estarão  validando a “legítima defesa” da sociedade civil, que poderá contar inclusive com a força das armas dos “guardiões da pátria”, definidos no artigo 142 da Constituição, ou seja, das “Forças Armadas”, em nome e representação da soberania do povo, prevista com toda a clareza  no parágrafo único do artigo 1º da Constituição.

Mas essa absurda atitude do Supremo Tribunal Federal, livrando a “cara” de Lula,contra  o entendimento  UNÂNIME de todas as outras instância da Justiça Brasileira, na verdade não tem absolutamente nada de inédito na história da humanidade.                                                         

Os que já assistiram  alguns filmes  “Western”, os famosos “bangs-bangs”, que impulsionaram a indústria do cinema norte-americano, explorando a conquista, a colonização, e a violência do banditismo, especialmente na marcha de conquista  dos colonos da região “Oeste”do país, devem ter gravado na memória aquelas cenas bastante comuns em que um determinado  bandido, geralmente  o chefe da quadrilha, ficava preso numa cela da delegacia guarnecida pelo “xerife”.

Mas de repente ,geralmente durante a noite, chegavam  cavalgando à toda velocidade  a quadrilha de bandidos comparsas ou subordinados do  presidiário, que amarravam cordas na grade  da janela externa da cela prisional, arrancando-a com a força de tração dos cavalos,soltando e levando com eles  o “colega” que estava na  prisão.

Creio até que a soltura e a anulação das condenações de Lula em Curitiba, pelo Supremo Tribunal Federal, possa servir de excelente “mote”, tema, ou “roteiro”, para produção de um espetacular  novo  filme de “Western”. 

Esse  tipo de julgamento  é próprio de comunista que domina a “dialética”,como fizeram no passado  Hegel e Karl Marx, que transformavam com facilidade   em todas as situações, os “prós” em “contras”, e os “contras” em “prós”. Mas sempre aos olhos dos trouxas!!!

Também o “nazismo”  foi “dialético”, através de Hitler, desde a sua “Mein Kampf”, operacionalizada mais tarde pelo seu Ministro da Propaganda, Joseph Goebbels. Repetiam as mentiras tantas vezes  quantas  fossem necessárias até que se tornassem  “verdades”.

E foi exatamente isso que o Supremo  fez com a absurda anulação das condenações de Lula, abrindo-se-lhes as portas, fraudulentamente, para que retorne a ocupar a cadeira presidencial  em 2023, e prossiga na roubalheira do povo ,não satisfeito com os 10 trilhões de reais que “eles” já roubaram, e que agora  talvez possa pagar a anulação das  suas  condenações. Como num passe de mágica, a “dialética” dos Supremos Oito Ministros que livraram Lula das suas condenações, transformaram-no, aos olhos do seu infeliz  e desinformado eleitorado, de culpado em inocente, de  “(in)justiçado”, em”justiçado”, de “bandido” em “mocinho”, de “ladrão”, em “honesto”, enfim.

Mesmo porque somente um ingênuo sem limites poderá supor que o meliante Lula, na prática, possa receber novas condenações pelos mesmos  fatos que motivaram as que foram anuladas pelo Supremo.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

Nenhum comentário: