quinta-feira, 20 de maio de 2021

Bolsonaro precisa criar seu Centro de Governo


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Facebook - @alertatotal

A narrativa continua! A luta, também! Não aconteceu o apocalipse previsto com os depoimentos à CPI do Comunavírus de Ernesto Araújo e Eduardo Pazuello. Bastou que ambos respondessem a todas as perguntas dos senadores, sem medo e com liberdade, para desabar a tática da oposição de tentar construir argumentos para a missão quase impossível de enquadrar Jair Bolsonaro por “ação” e “omissão” (criminosas) no combate à Covid-19 (e suas mutações). Todo mundo com pelo menos dois neurônios já percebeu que o relatório final de Renan Calheiros já está previamente escrito, e vai exigir que a base governista produza um relatório substitutivo. O roteiro da farsa novelesca está escrito.

O Brasil vive um momento de polarização, radicalização e extremismo. Não existe debate possível com um mínimo de sanidade. O noticiário é hegemonicamente dominado por ataques covardes ao Presidente da República. Jair Bolsonaro é o chefe de Estado e Governo mais atacado da História desse País. Tudo que ele faz é condenado editorialmente. Nada de bom que ele fala passa sem um ataque sistemático dos políticos e da mídia esquerdopática. Mentiras descaradas são atiradas contra Bolsonaro e seus filhos. Curiosamente, o feitiço da canalhada tem virado contra os aprendizes de feiticeiros. As manifestações públicas - e não as enquetes de opinião descaradamente manipuladas - constatam a consolidada popularidade do Presidente - forte candidato à reeleição.

Quem gosta ou detesta Bolsonaro precisa ter clareza de um fato objetivo: Bolsonaro é um Presidente diferente. Não é um governante e nem um político perfeito - porque isso não existe, ainda mais no Brasil cuja estrutura estatal, política e econômica é dominada pelo regime do Crime Institucionalizado. Bolsonaro é um inimigo natural do Mecanismo - que até tentou assassiná-lo quando despontava como ameaça a chegar à Presidência. A facada de 6 de setembro de 2018 acabou ajudando a eleger quem foi quase vítima fatal. O problema real é que o Establishment - que não engole Bolsonaro - nunca parou de lhe dar “facadas”. O Presidente é sabotado por dentro da máquina do Estado Brasileiro - corrupto estruturalmente. O terror concreto é que Bolsonaro e sua equipe não conseguem desmontar nem se livrar do esquema estruturalmente mafioso que os cerca.

Bolsonaro pode não se mostrar tão eficiente no combate à corrupção sistêmica - que tenta destruí-lo permanentemente. Mas ele, inegavelmente, não faz parte e nem comanda o aparato corrupto. Essa é a vantagem que ele leva sobre todos os seus adversários e inimigos políticos. Por uma debilidade do modelo Capimunista tupiniquim, Bolsonaro se viu forçado a fechar um acordo de proteção e salvação com o chamado Centrão (a base fisiológica, patrimonialista e pragmática) do Congresso Nacional. Ele não teve alternativa. Ou jogava pelo presidencialismo de coalizão ou entraria na colisão que o exterminaria antes do fim constitucional previsto de sua administração.

Vencer o Mecanismo, no curto prazo, parece missão quase impossível. No entanto, no médio prazo, dá para neutralizar. Um dos remédios é um choque de transparência na gestão federal. As participações de Ernesto Araújo e de Eduardo Pazuello, na CPI do Covidão, são a prova disso. Basta falar a verdade, para deixar claro que houve acertos e que os erros eventualmente cometidos não são criminosos. Além disso, Bolsonaro deveria repensar toda sua política estratégica de comunicação - seu maior calcanhar de Aquiles desde que assumiu a Presidência.

Mais uma vez, é imprescindível que o Presidente mude totalmente o modelo de governança da Presidência. Valeria a pena tentar o regime de Centro de Governo - que é proposto pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Não importa que a sugestão venha de um organismo multilateral que merece todas as críticas e cuidados de quem é contra o modelo globalitário. Bolsonaro precisa de um Centro de Gestão Governamental para que mais bem coordenar os ministérios. A ponderação feita na CPI pelo ex-ministro da Saúde Pazuello, que reclamou ter tido menos encontros do que gostaria com o Presidente, deveria servir de sinal de alerta para a mudança na forma de gestão presidencial.

Tendo um Centro de Governo, Bolsonaro ficaria mais livre para fazer política e cumprir a missão de chefe de Estado, enquanto a chefia do governo estaria delegada a alguém de sua máxima confiança. Seu vice Hamilton Mourão seria o cara ideal para essa função de coordenador-geral-ministerial. Pena que fofocas azedaram a relação entre ambos. Mas sempre há tempo de rever erros de estratégia e acertar. O Centro de Governo seria uma chance de neutralizar a ação deletéria do Mecanismo. Bolsonaro ficaria com a retaguarda protegida, e teria tempo (valioso) para fazer o que já demonstrou capacidade e habilidade: contato direto com o povo (o cidadão-eleitor-contribuinte).

O Alerta Total tem insistido neste tema do Centro de Governo em várias oportunidades. Infelizmente, alguns bolsonaristas não entendem a dimensão da proposta e acham, precipitadamente, que estamos criticando, de forma destrutiva, o governo. Nada disso, apenas expomos, com clareza objetiva, que o atual modelo de gestão é inadequado. Mesmo assim, recebemos ataques como o recebido ontem no Facebook que reproduzo aqui, depois que defendemos o Centro de Governo no programa 3 em 1 da Jovem Pan:

“Jair Messias Bolsonaro, arranje uma vaga de qualquer coisa para o blogueiro Jorge Serrão, nem que seja de ajudante de faxineiro. De repente baixou nele um cabloco (sic) sabe tudo. O cara critica tudo, nada que vem da presidência está bom. Entende tudo de comunicação. Atualmente participa do Programa Três Em Um, onde só quem se salva é o Constantino. Cheguei a tirar o som e partir para outro site. Cáspite! Serrão, baixe tua bola”.   

Deixo meu hatter se divertir e insisto na sugestão ao Presidente Bolsonaro - em quem votei - e não me arrependo - para Presidente da República: Institua, urgentemente, seu Centro de Governo. Não perca tempo precioso. Não se deixe iludir pela popularidade - que é volátil. Pense no que Pazuello, muito sinceramente, falou na CPI. Vários ministros reclamam da dificuldade de comunicação imediata com o Presidente. Delegue esta função a um gestor, que pode ser Mourão ou um ministro de confiança. Seu núcleo duro militar, com certeza, apoia a proposta de criação do Centro de Governo. Ouse, Presidente! Seu ajudante gratuito de faxineiro ficará contente e satisfeito...

Privatização Eletrizante 

A Câmara dos Deputados concluiu de madrugada a votação da medida provisória que permite a privatização da Eletrobras.

A expectativa é levantar R$ 60 bilhões com a operação, que está prevista para ser concluída no início de 2022.

O texto, que foi aprovado por 297 votos favoráveis a 143 contrários, segue agora para análise do Senado e precisa ser aprovado até 22 de junho, ou perderá a validade.

3 em 1 - Confira um momento da nossa participação no programa da Jovem Pan de quarta-feira: Pazuello atua como general e desagrada Renan Calheiros - https://youtu.be/rV07lYui17A

 







 Adquira, também, o livro A ÚLTIMA MARCHA DA MAÇONARIA.

Para maiores informações clique aqui:

https://www.amazon.com.br/s?k=A+ULTIMA+MARCHA+DA+MA%C3%87ONARIA&__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&ref=nb_sb_noss_2

Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Flamenguista. Editor-chefe do Alerta Total. Comentarista Político da Rede Jovem Pan.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 20 de Maio de 2021.

8 comentários:

LUIZ A DISCACCIATI disse...

Muito difícil a luta contra o "mecanismo". Só mesmo um macho de carteirinha poderia vencer os desafios dessa gente escrota e ladravaz. Penso, no entanto, que a guerra ficaria mais branda - e poderia até chegar ao seu final - se fosse DIVULGADO o mandante da facada no então candidato Bolsonaro. Permito-me uma divagação, quando digo "divuldado" porque, sinceramente, não acredito que ele não tenha sido identificado, considerada a competência de nossa PF.

Jayme Guedes disse...

Serrão, não entenda como "ataque" o que vou dizer: independentemente da forma, o conteúdo do comentário citado por você está certíssimo. Uma das características da nossa espécie é ver o outro como uma tela em branco onde me projeto. No popular essa característica se traduz pelo "se eu fosse você". "Se eu fosse você" faria isso, não faria aquilo, diria isso, não diria isso, e por ai vai. Durante trinta anos de casamento, ambos com graduações superiores, ela em economia e eu em economia, contábeis e administração uma frase comum era, da minha parte, "Beth, eu não sou você" e, da parte dela, "JG, eu não sou você". Minha experiência profissional como controller em multinacionais e firmas internacionais de auditoria me fez avaliar o trabalho alheio por mais de quarenta anos e sempre estive atento para não me "projetar" no outro. Na minha atividade profissional o "se eu fosse você" seria um desastre. Quando vc "ensina" o Bolsonaro a governar o que você está dizendo é: "Bolsonaro, se eu fosse você eu criaria um Centro etc, etc e se você realmente fosse o Bolsonaro, certamente faria tudo o que você acha que ele deveria fazer. Só que você, Serrão, não é o Bolsonaro. Quem lê os seus textos fica com a impressão que você ensinaria cirurgiões a ter sucesso em cirurgias complexas, ensinaria engenheiros da NASA em missões espaciais, ensinaria pilotos de F-1 a vencer. Faça algo que nunca fez: reflita sobre que impressão os seus textos causam. Por derradeiro, votei no Bolsonaro por um único motivo: a honestidade. Passar anos no Congresso e não apodrecer é um excelente sinal. Qualquer coisa a mais que ele faça, é lucro. Acham ele tosco, eu gosto que se mostre transparente Quem prefere ouvir scripts preparados por marqueteiros gosta de ser enganado. Pense nisso e aceite minhas palavras, não como "ataque" mas como colaboração.
P.S.: Meus comentários, sempre no nível deste, nunca aparecem aqui depois de postados. Se puder responda ou, ao menos, acuse o recebimento. Sucesso.

Anônimo disse...

O BOZOLIXO PRECISA CRIAR VERGONHA NA CARA,PEDIR PARA CAGAR E IR EMBORA DE PREFERENCIA PARA BEM LONGE DO BRASIL... SE FOR CANDIDATO ESSE RETARTADO VAI GANHAR O QUE A LUZIA GANHOU ATRÁS DA HORTA,MAS O PROBLEMA É SE FICAR ATÉ O FIM DO MANDATO ELE E OS SEUS TERMINARÃO CONSEGUINDO ENFIAR TUDO NO CÚ DA MAÇONARIA E FAMILIA...

ARS disse...

Esse governo é uma bagunça! Batem cabeça toda hora... Infelizmente é o que temos por ora. Um fanfarrão que age às cegas, na tentativa e erro. Um dia a sorte ou a paciência acabam.

Anônimo disse...

Acompanho seu trabalho há tempos. Parabéns pela evolução e pelo programa na JP. Os haters que se fodam.

Anônimo disse...

Renata Vasconcelos chamou o presidente Bolsonaro de ex. Os contribuintes querem respeito da jornalista por essa tentativa de cancelamento do voto dos eleitores de Bolsonaro que também pagam seu salário, como bem lembrou o presidente.

Anônimo disse...

Serrão já é comunista na Austrália...rs.....
Tem de rir muito desse povo bolsonarista...rs...cada uma.
E vc Serrão, ainda ousa achar que pode dar certo? Favor não incorporar esse traço da intolerância bolsonarista. TFA

Luiz Carlos Soprano disse...

Impossível manter a sanidade mental diante dos descalabros dessa corja de mequetrefes ladrões, apátridas, traidores da Pátria e dos seus semelhantes. Por mim... ah por mim