segunda-feira, 24 de maio de 2021

Desagregação


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Carlos Henrique Abrão

A sociedade brasileira na última década passou a ser divisionista, extremamente egoísta e revestida de uma desagregação sem limite. A maior prova de tudo isso se hospeda no combate ao vírus, além, é claro, da polarização extremada de políticas antagônicas que de públicas nada ressoam. Vamos direta e objetivamente aos fatos.

A demora na implementação da vacina teve consequências nefastas e aquela chinesa parece não surtir tanto efeito ao menos em relação aos mais idosos. Nada obstante corre solta uma CPI cujo prumo deveria ser melhorar a política de vacinação e não esculhambar os erros pretéritos sem alcançar ou colimar proteção à sociedade.

O planejamento da vacina foi errático, a classificação por idade mais ainda, e a ausência de insumos um problema crucial que não se resolve a curto prazo. A desagregação da sociedade aumentou na pandemia, na luta pelo emprego, no estado de miserabilidade e notadamente por força da mídia que somente encontra notícia de péssima qualidade para espalhar.

E no sentido definido enquanto não tivermos um modelo de vacinação como de Países desenvolvidos vamos pagar um preço alto e bastante amargo, fruto da inoperância. E se o STF decidiu caber ao Governo Federal um programa nacional de vacinação não se entende o motivo pelo qual os governos estaduais não atendem e descumprem o que fora formulado pela União, assim todos ficamos indefesos e não temos mecanismos de salvaguardas.

Recentemente os EUA deportaram brasileiros algemados dos pés as mãos sem qualquer reação de ordem política via embaixada, pois que estar ilegal num País não significa ser criminoso presumidamente, o que demonstra a nossa total inabilidade na diplomacia externa.

A solução da desagregação é a feitura de um pacto nacional envolvendo todos para a reconstrução do Brasil, sem o que vamos trilhar dias de insatisfação, tensão e correria pela fome da população, já que o governo não adota políticas de locação social, zero de impostos nos alimentos da cesta básica e remédios para a população sem condições de aquisição.

A internet é o celeiro mais preciso dessa desagregação de ofensas um campo minado no qual tudo que é irrelevante se discute, e o nosso Parlamento ao invés de sair a campo juntamente com o Executivo e Judiciário na estruturação de um planejamento para cobrir os malsinados efeitos devastadores da demora se preocupa em fazer uma CPI a fim de achar os culpados, mas se pergunta o que isso muda para a vida da população e de toda sociedade ainda na expectativa de ser vacinada.

Ao arrepio dos mais elementares princípios perdemos tempo de forma inócua e sem ditar uma política nacional de vacinação com seu estabelecimento 24hs por dia e contemplar a iniciativa privada levaremos muito tempo para que boa parte da população seja beneficiada pelo antídoto. Nossos políticos querem espaço para a discussão na plataforma das eleições em 2022 não pensam na saúde do povo, nas escolas, na educação e sobretudo na cultura, jogam propagandas e nos trapaceiam ano após ano com as eleições prometem mundos e fundos e somente ficam nas migalhas.

Os tempos são de cerrar fileiras em prol do Brasil grande e que cumpra seu papel basta da temeridade de em plena pandemia não acenarmos para soluções e resultados eficientes. Ninguém duvida que o Governo Federal errou e não estava preparada para combater a pandemia agora querer sacramentar tudo e esquecer da população ou da vacinação em massa não parece a melhor alternativa.

Se mantivermos o estado de desagregação e de conexão entre sociedade e governo o futuro será típico da era da incerteza com sérias baixas e uma irreparável lição que ficará na história da contemporaneidade da Nação.

Carlos Henrique Abrão é Doutor em Direito Comercial pela USP com especialização em Paris, professor pesquisador convidado da Universidade de Heidelberg, autor de obras e artigos. 

2 comentários:

Anônimo disse...

"enquanto não tivermos um modelo de vacinação como de Países desenvolvidos vamos pagar um preço alto..."
O cara que escreveu essa abobrinha não consegue entender que o Brasil consegui vacinar mais e melhor do que quase a totalidade dos países desenvolvidos???
A quantidade de "doutores" tomados pela idiota narrativa da isentucanosfera é algo incrível??? Parecer isento faz de certa gente uns idiotas úteis!!!

Unknown disse...

Os tucanos assim como outros partidos de esquerda irão concordar com esse texto. Mas só eles.