domingo, 23 de maio de 2021

Os Militares e a Política


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por José Batista Pinheiro

O militar só sobrevive respirando ar puro. Os militares, na reserva remunerada ou reformados, são muito mais felizes em receber a mesura e reverência de nossos camaradas mais modernos, ainda em serviço ativo, do que ser premiados com um cargo político, eleitos ou por favor. Serão mais felizes assim. Fica muito difícil conviver com os Sarneys, Lulas, Dirceus, Genoínos, Renans e outros trastes, tomando conta do nosso país.

O Brasil rico, natureza generosa, povo bom, trabalhador, sendo explorado por esses vermes da política nacional. A política é aética. Os políticos são todos aproveitadores, enganadores e mentirosos.  As gerações futuras poderão ser transformadas em bandidos como eles, caso não tomemos uma posição drástica em defesa do país. Nós militares, somos mais inteligentes do que eles porque estudamos mais, todavia não fomos preparados para as cretinices, safadezas, intrigas e traições.

Fizemos concurso vestibular difícil e bastante disputado para as escolas de cadetes. Ainda como adolescentes tivemos uma formação intelectual e militar rígida, passando seis anos entre quatro paredes, estudando como loucos e perdendo os melhores anos da nossa mocidade. Subimos na hierarquia militar pelos nossos méritos, sem pedir favor a ninguém. Portanto, nos faz muito mal respirar o ar poluído das casas legislativas municipais, estaduais e federais, mesmo que seja para limpar as sujeiras reinantes e desinfetar o ambiente fedorento desses antros.

Não temos preparo físico nem vocação para colocar o pé no lamaçal da política partidária sem sairmos salpicados de sujeira. Não nos acostumamos à composição de interesses, porque não a praticamos por toda a nossa vida. Fica difícil se acostumar a um sistema que somente usa, como norma de ação, os interesses pessoais, a contestação, a controvérsia e a desobediência.

Essas divagações nos reportam ao recente episódio de um general da ativa, em uma ocasião muito adversa, ter aceitado um cargo de ministro, um convite honroso de um presidente da República, ex-capitão do Exército seu contemporâneo das salas de aulas da AMAN, para exercer um cargo público civil em seu governo. Competência e lucidez sobravam no currículo do general, mas faltava-lhe a malandragem e jogo de cintura para transitar em um meio tão obscuro e cheio de armadilhas, para o qual a sua formação acadêmica não o preparara.

Assim, em face de uma crise sem precedentes, o general penetrou nos subterrâneos de um sistema alheio à sua formação. No auge da crise, foi pressionado e se recolheu à caserna de onde não deveria ter saído. Mas os salafrários da orquestra de bandidos queriam usá-lo para atingir o presidente, seu amigo.

O STF patrocinou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para reviver, um passado que não volta mais, em torno da crise da Covid-19, em que o mundo todo ainda se debate em águas turbulentas de um mal que aflige a todos, não de sabendo a origem dessa perversidade que nos atormenta. A vedete do tratamento ainda não esclarecido, foi a versão não confirmada do uso da cloroquina, um medicamento para tratar doenças tropicais.

No decorrer da comissão para enxugar gelo, o general ao depor como ex-ministro da Saúde, foi acuado por uma matilha de cachorros vira-latas amestrados para esfolar a sua pele em um interrogatório que, estranho ao meio, ele se esforçava para não ser engolido vivo. Destarte, saiu-se muito bem enquanto a canalhada se divertia em destratar aquela alta autoridade militar, com uma sabatina de dois dias seguidos sendo massacrado, mesmo assim, de cabeça erguida, o general respondeu a todas as perguntas, algumas estapafúrdias, e a sua ética e a moral ficaram incólumes, embora, sofrendo alguns arranhões pelas unhas das feras ululantes.

José Batista Pinheiro é Coronel do EB Ref (Rio de Janeiro, 21.05.2021)

4 comentários:

Anônimo disse...

" No auge da crise, foi pressionado e se recolheu à caserna de onde não deveria ter saído." Discordo do coronel. O general, como bom militar, apresentou-se ao combate e pôde dizer 'missão cumprida'ao chamado de seu comandante.Minha continência ao general.

Unknown disse...

Lula cometeu crime contra o CPM no escândalo dos caças Gripem.

VanialCintra disse...

Dois reparos ao texto: 1. o Presidente continua sendo Capitão, ainda que esteja na Reserva -- não será um "ex"-Capitão; 2. a ética e a moral do General depoente continuam incólumes, não sofreram quaisquer arranhões. As feras arranharam apenas as suas próprias bochechas, em aflição. No mais, é isso aí.

Chico Valente disse...

Em um momento de crucial necessidade um General da ativa do EB foi chamado a colocar sua CAPACITAÇÃO E SEU TALENTO NA GESTÃO de um Ministério do Governo brasileiro.
Gerou efeitos altamente benéficos, organizou o que realmente era necessário, colocou as especialidades a funcionar e deixou a casa em ordem, com o DEVER CUMPRIDO.
A bem da verdade só são escutados elogios ao seu trabalho, inclusive de adversários políticos, naturalmente dos decentes.
Quanto aos vira latas que o atacam, cabe relatar uma passagem doméstica:
A TV transmitia a fala(?) de um senador Espiritualmente Santo(?) enquanto recebiamos a visita de uma parente com crianças. A menina de quatro anos ao ver a TV se agarrou na mãe e exclamou:
Mãe, é como o cachorro vira latas que a vizinha dona Marina recolheu e parece sempre querer pular o portão para morder a gente. Estou com medo!