sábado, 8 de maio de 2021

Por que o “Império da Lei” parece nome de escola de samba?

 


Artigo no Alerta Total - www.alertatotal.net

Por Percival Puggina

Tive a felicidade de conhecer o Rio de Janeiro no tempo em que seus morros eram expressões do capricho paisagístico de Deus no ato da Criação. Entre as preciosidades dessa estética divina destaco as agulhas pétreas dos Alpes e dos Andes, que vi como inspiração gelada do gótico que tanto fascínio exerce sobre mim.

No Rio é diferente. Aliás, é o oposto. A mão de Deus moldou, ali,  curvas tropicais, sensuais, grávidas de vida. A beleza da cidade costumava atrair um qualificado turismo nacional e internacional. De lá para cá, morros se tornaram ameaça soturna a pesar sobre a “cidade a seus pés”. Regiões inteiras tornaram-se palco de uma guerra sem fim, focos de insegurança, sedes de estados paralelos, casamatas de organizações criminosas, ocupações viciosas do espaço urbano que expandiram seu modelo pelos outros grandes centros do país.

Ontem, 6 de maio, a favela do Jacarezinho foi palco de uma ação policial que deixou 25 mortos. Aliciamento de crianças e adolescentes para o tráfico, roubo de cargas, homicídios, sequestros de pessoas e de trens são alguns dos ramos de negócios da quadrilha que atua na região. Desconheço os detalhes da operação, mas não vejo como aceitável que ações criminosas mesmo quando eventuais, fiquem sem resposta policial, judicial e penal.

Mesmo acostumada a dormir ouvindo o espocar dos tiroteios e o matracar das metralhadoras, mesmo habituada a contar, toda manhã, cadáveres abandonados pelos criminosos, o número de vítimas dessa operação ganhou manchetes em todo o país.

O que se colhe no Rio de Janeiro nestas últimas décadas é rescaldo da tolerância. Contaminadas pela corrupção, sua política, sua justiça, sua polícia foram sendo moldadas por um estilo de vida que zombou da virtude e se foi deixando encantar por seus demônios. Enquanto isso, parte da sociedade aderiu a uma falsa virtude que pretende combater o crime com pombas brancas, flores e pulsantes coraçõezinhos feitos com as mãos.

O saneamento de uma região conflagrada com ações de atenção social não prescinde da ação policial contra a criminalidade, nem do revide quando bandidos, armados, disparam contra a polícia. Nenhuma sociedade civilizada pode tolerar que criminosos ajam impunemente e atirem contra a polícia que expõe a própria vida para protegê-la.

O que se vê no Rio é um microcosmo compactado da realidade nacional. Não difere do que se observa no Brasil, nesse combate com objetivos revolucionários, multilateral, aos valores e princípios cujo abandono nos tem custado tão caro. Tão caro que “império da lei” mais parece nome de escola de samba.

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor.

Um comentário:

Chauke Stephan Filho disse...

Minha família tem um apartamento na Zona Sul do Rio. De sua pequena varanda, avista-se a lagoa Rodrigo de Freitas, a floresta da Tijuca, o Parque do Cantagalo... Há décadas que não vou para lá. A simples visão dos morros tão desfigurados pelas favelas faz tudo parecer sem sentido. Esses são territórios que perdemos para os nossos inimigos, os traficantes, assaltantes, ladrões, estupradores que tocam o terror na cidade como que ocupada e sem resistência.

Nessa cidade não me sinto seguro, eu teria medo de andar às 9h da noite pela Rua Farme de Amoedo, pela Alberto de Campos... Como eu poderia encontrar diversão em convivência tão próxima com tantos bandidos? Esse seria um tipo de turismo muito alienado. Belfast deve ser cidade mais segura, integrada e feliz do que o Rio de janeiro.

Não, não voltarei ao Rio para passear. Na cidade ocupada pelas forças que nos são hostis, eu participaria da Resistência. Dispor-me-ia a sair de Mato Grosso para lutar e, se preciso, morrer pelo Rio de Janeiro, caso pudesse o modesto sacrifício de minha vida contribuir para livrar a cidade da massa asquerosa de bandidos que a envergonha, infelicita e destrói.

Talvez seja tarde demais para salvar a cidade, que por séculos foi mercado de escravos. A herança de nossa história é maldita. O Rio perece, e com ele, o Brasil. Devemos salvar a Pátria, ou com ela morrer. Comecemos por justiçar aqueles da quinta-coluna dos bandidos, na OAB, no STF, nos partidos de esquerda, nas ongues da "paz", que mais mata do que a guerra propriamente dita.

Todo o poder à Polícia! E que morram os traidores.