sábado, 10 de julho de 2021

“FAKEPI” e “Lulafake” são golpes do Establisment


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Siga-nos no Twitter e Facebook - @alertatotal

No Brasil, o Chefe de Estado é quem tem a responsabilidade de liderar o processo de restabelecimento da harmonia básica e independência entre os demais poderes (o Executivo, o Legislativo e o Militar). O livre pensador Antônio José Ribas Paiva adverte que o descumprimento dessa atribuição constitucional (prevista no artigo 84) gera responsabilidade ao mandatário. O Presidente da República não pode ser conivente com a usurpação de competência entre os Poderes, pois ela coloca em risco a Unidade do Estado.

 

A supremacia do Poder Supremo é uma aberração institucional tupiniquim. Só em uma ditadura formal da toga pode existir e funcionar um “Poder Supremo”. Na verdade, quem tem o Poder Supremo legítimo é o povo. Até segunda ordem, o cidadão-eleitor-contribuinte brasileiro não delegou tamanho poder ao Supremo Tribunal Federal. O STF foi criado para ser uma Corte Constitucional - e não a “instância máxima do Judiciário”. Só existem, de fato e de direito, três instâncias judiciais no País. Na esfera federal, a primeira, depois os Tribunais Regionais Federais e, por fim, o Superior Tribunal de Justiça. A partir dos estados, a primeira, em seguida os Tribunais de Justiça e, por último, o STJ.

 

Uma Constituição indevidamente regulamentada e o excesso de regramento (tanto para punir como perdoar) geraram o ilegítimo “Poder Supremo”. no qual 11 personagens indicados politicamente “interpretam” a Carta de 1988. Constituição existe para ser cumprida, e não interpretada - muitas vezes, ou quase sempre, de maneira contraditória, ilógica, atentando contra os princípios básicos do Direito e da Institucionalidade. Outro fator que produziu o “Poder Supremo” foi a criação do pretenso mecanismo de “controle externo” do Judiciário. É justo, perfeito e correto que os magistrados sejam fiscalizados por eles próprios? Por que o Presidente do CNJ tem de ser quem preside o STF. Esse é o “jeitinho” que, na prática, cria a (inexistente) quarta instância judicial - que sequer é prevista constitucionalmente, de forma clara e cristalina.

 

A guerra de todos contra todos os poderes no Brasil atinge um nível insuportável. A Constituição (de novo, ela) é um estelionato jurídico. A tal “Carta Cidadã” foi finalizada pelo trio Ulysses Guimarães, Fernando Henrique Cardoso e Nelson Jobim como um documento para a implantação do regime parlamentarista. Só que a população, em referendo popular, decidiu que o regime deveria ser Presidencialista. Assim, nasceu o choque entre a lei e a realidade. Pela Lei-Maior, vigora no Brasil um Presidencialismo de Coalizão. Só que isso, na prática, se transforma em um Presidencialismo de Colisão, no qual o Chefe de Estado, apesar do que está escrito no artigo 84, é um verdadeiro refém do Congresso Nacional e, mais recentemente, do ilegítimo “Poder Supremo” - que se acha e se coloca acima de tudo e de todos.

 

Jair Messias Bolsonaro foi eleito como um inimigo do Establishment. Antes mesmo de ele assumir o “trono” do Palácio do Planalto, ele é alvo de uma campanha sórdida de desestabilização. O processo se agravou no primeiro ano de mandato. O Presidente caiu na ilusão de que poderia governar com autonomia. Foi obrigado a fechar, correndo, um acordo com a base majoritária do Congresso Nacional, dominada pelo chamado “Centrão” (parlamentares focados no pragmatismo, no fisiologista, no patrimonialismo e, muitos deles, agentes diretos da promoção da mais descarada corrupção). Bolsonaro parece refém desse esquema.

 

A oposição perdida, que não tem propostas reais para melhorar o Brasil, e que foi, em parte, destronada da roubalheira institucional, produziu um modelito para a detonação permanente do Presidente, para desgastá-lo politicamente, até que ele seja induzido a um erro que justifique sua queda via impeachment. Os opositores aplicam um golpe manjado: a judicialização da politicagem. Deputados, senadores e partidos políticos se viciaram em acionar o “Poder Supremo” (ops, STF) para enquadrar os atos administrativos e decisões do Executivo. Para acelerar o golpe do impedimento, criaram a Comissão Picareta de Inquisição do Covidão - que nasceu com um roteiro pré-escrito, com a previsão de criar narrativas que justifiquem a derrubada do Presidente. Não passa de uma “FAKEPI” (royalties para meu colega de Jovem Pan, o jornalista José Carlos Bernardi).

 

Não há chance de Bolsonaro cair, porque ele fechou um acordo forte e sólido com o Presidente da Câmara dos Deputados. Apesar da forçada de barra da mídia, da oposição no parlamento e do “Poder Supremo”, Arthur Lira já cansou de avisar que não exitem motivos para aceitar a admissibilidade e tocar para frente 124 pedidos de impeachment formulados até agora. O mais recente tenta reunir argumentos contidos nos 123 pedidos anteriores. Daqui a pouco, virá o relatório final da “FAKEPI”, escrito pelo “onestíssimo” Renan Calheiros, também recomendando o impedimento de Bolsonaro por ação e omissão na gestao da pandemia de Covid-19.

 

Enquanto desgasta Bolsonaro ao máximo, o Estamento Burocrático promove sua maior farsa. Trata-se de manobra ilusória da candidatura presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva. O movimento é tão ou mais fake que a Comissão Picareta de Inquisição. O “Poder Supremo” aplicou o golpe nas três instâncias do judiciário federal. Transformou um personagem condenado por 10 magistrados em um candidato a Presidente em 2022. Pior e mais grave: somos obrigados a aturar a divulgação midiática de “enquetes” que apresentam aquele que deveria ser um “Presidiário” como um “Presidenciável” que figura como líder e favorito nas pesquisas. É para rir, chorar ou ficar pt da vida? 

 

Bolsonaro percebeu o golpe. Por isso, acertada ou equivocadamente, o Presidente parte para a ofensiva contra o Poder Supremo e a Oposição Corrupta no Congresso Nacional. Bolsonaro extrapola na dureza da comunicação, o que pode ser visto e criticado como um erro estratégico. Só que ele não tem muita alternativa. Os ataques sistemáticos contra ele são infinitamente mais pesados. Seus inimigos são mais perigosos que a alegada falha de comunicação, falta de polimento verbal ou incompetência gerencial como governante. Na verdade, os principais inimigos dele são inimigos do Brasil, da Liberdade e dos princípios de um Estado que se suponha “democrático”.

 

O “Poder Supremo” não quer nem aceita a Transparência Total Eleitoral. O TSE deseja a continuidade do Trâmite Sigiloso Eleitoral. O eleitorado brasileiro é obrigado a aceitar, goela abaixo e sem reclamar, o resultado de uma eleição por urna eletrônica, cuja totalização de votos é feito por um computador central na famosa “sala-cofre” do TSE. Quem garante a segurança total na transmissão de dados dos Tribunais Regionais Eleitorais até o processamento final. Sistema de informática 100% seguro não existe. Hackers comprovam isso toda hora. Por isso, seria fundamental adotar a impressão do voto, para “auditagem” (o que prevê a PEC 135, ou, o que seria ideal e mais eficaz, a recontagem pública, filmada, de 100% dos votos impressos nas urnas, tudo conferido pelo eleitor e fiscais dos partidos.

 

Eis o motivo do acirramento da guerra entre o Presidente e o Poder Supremo. Quem vai ganhar no final? Melhor aguardar, para uma resposta mais segura. O Establishment, que trabalha para derrubar Bolsonaro e também não deseja Lula, tenta fabricar uma “terceira via”. Se não der certo, vai partir para a ignorância. O risco de fraude eleitoral é concreto. Não é gritaria prévia de derrotado. O Crime Institucionalizado no Brasil não brinca em serviço. Bolsonaro é refém do Centrão. Quanto mais se aproxima a eleição, mais essa deficiência será evidente.

 

Para terminar, outra observação relevante do Antônio Ribas Paiva, que pode ser bem útil ao Presidente Bolsonaro: “Zeladoria não é governar! É preciso limpar o Estado e disciplinar e harmonizar os Poderes da República, em defesa da Unidade do Estado. Assumir a Chefia do Estado. Para isso, votamos nele! Um milhão de motos não garantem a reeleição. Precisará de 80 milhões de votos”. E o Alerta Total acrescenta: Bolsonaro tem de (tentar) recuperar a confiança do eleitorado de classe média que confiou nele, e anda claramente desiludido com seu governo ou com seu modo de governar. Esse segmento quer o cumprimento das promessas de reformas e mudanças estruturais. Só isto!




#3em1 Jorge Serrão: É recomendável que @jairbolsonaro faça uma reunião com o STF para lavar a roupa suja com alguns ministros. Bolsonaro apresentar provas sobre as fraudes nas eleições. A chance é  zero de um golpe militar no Brasil https://youtu.be/fPlNIiN2wVc   

 

Expressão dos ofendidos e descontentes

 

Textos que o leitor Claudio Janowitzer conseguiu o milagre de ver publicado na sessão de cartas de três diferentes jornalões que fazem oposição sistemática ao governo e a Bolsonaro, sobre o mesmo assunto: 





#3em1 Em conversa com apoiadores no Palácio do Planalto, @jairbolsonaro defendeu o voto impresso, alegando a ocorrência de fraudes em eleições anteriores, e xingou o presidente do TSE, @LRobertoBarroso , de "idiota". https://youtu.be/WclO_jP6LLA

 



#3em1 Jorge Serrão comenta que nova reforma tributária está mais para libertina que liberal. Certo seria corrigir distorção na tabela do Imposto de Renda e fazer uma reforma administrativa antes da tributária. https://youtu.be/jCyeiqMbrMs

 



#3em1 Ao se celebrar a Revolução Constitucionalista de 9 de julho de 1932, vale lembrar da batalha que não houve: de Itararé.  A Comissão Picareta do Covidão investiga crime que não ocorreu com a não-compra da vacina indiana. Barros neles! https://youtu.be/4zji6gcDHz4 

 









 


Adquira, também, o livro A ÚLTIMA MARCHA DA MAÇONARIA.

Para maiores informações clique aqui:

https://www.amazon.com.br/s?k=A+ULTIMA+MARCHA+DA+MA%C3%87ONARIA&__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&ref=nb_sb_noss_2

Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

Jorge Serrão é Flamenguista. Editor-chefe do Alerta Total. Comentarista Político da Rede Jovem Pan.  A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Apenas solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. 

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 10 de Julho de 2021.

11 comentários:

Rodrigo Almeida disse...

Manchete da Folha de hj é Lula com 50% das intenções de voto.
O golpe tá aí.

Anônimo disse...

A cada dia que passa, mostra para mim, que o Bolsonaro, sabendo que não vai se reeleger, tenta de todos modos conseguir um impeachment, para sair como vítima, ou conseguir ser um ditador, com o apoio das forças armadas. O que vai acontecer? A ver.

ARS disse...

Existem vários mecanismos na lei para por os usurpadores no seu devido lugar, que para muitos seria a cadeia. Mas falta coragem ou inteligência ao cap. banana para usá-los.

Loumari disse...

Governo cujo presidente só vende insultos. Brasileiros já eram sem cultura agora virou um verdadeiro horror na face da terra. Governo que não inova, não traz projectos de inovações tecnológica nem industrial, só vende insultos. O que era a classe media agora prova a pobreza, saúde frágil, governo a dizimar a população. Que futuro tem o Brasil, senão violência, destruição, mortes e interminável miséria quenvai afectar todas as classes. Porque a violência não faz distinção de classe.

Almanakut Notícias - São Paulo - Brasil disse...

LOGO O CAPETA ABRAÇARÁ O BELZEBU DE NOVE DEDOS E LEVARÁ A SUA CORJA MALDITA PARA O INFERNO.

E QUEM QUISER UMA CARONA É ACOMPAHAR O DESPACHO PELO ANTRO DE ROBERTO MARINHO.

Anônimo disse...

De fato, a terceira instância é uma fraude, um golpe de estado, na verdade. Bolsonaro teve a chance de proceder como fez o presidente de El Salvador, mas parece o Wanderley do Peludão, sempre falando em acabar com o comunismo cercado de militares pro ditadura chinesa. A carta de 88 nos levará ao mesmo destino que a constituição de Weimar e só nos falta aparecer um Hitler para tocar fogo em tudo e acabar de vez com a putaria em Brasília.

Tarcísio Júnior disse...

Deste o primeiro dia de governo Bolsonaro vem sofrendo um ataque covarde sistemático e é o melhor presidente que o Brasil já teve. Ele nos abriu os olhos e isso é um projeto que não tem preço. Seu maior legado; lutar pela liberdade. Um Mito.

Tarcísio Júnior disse...

Deste o primeiro dia de governo Bolsonaro vem sofrendo um ataque covarde sistemático e é o melhor presidente que o Brasil já teve. Ele nos abriu os olhos e isso é um projeto que não tem preço. Seu maior legado; lutar pela liberdade. Um Mito.

Tarcísio Júnior disse...

Deste o primeiro dia de governo Bolsonaro vem sofrendo um ataque covarde sistemático e é o melhor presidente que o Brasil já teve. Ele nos abriu os olhos e isso é um projeto que não tem preço. Seu maior legado; lutar pela liberdade. Um Mito.

Jeferson Vasquez disse...

Ah, tenho idéia sim, seu Loumari. VAI TER UM DERRAMAMENTO DE SANGUE GIGANTESCO ENORME, TITÂNICO, PIOR DO QUE QUANDO O IMPÉŔIO ROMANO DOMINAVA JERUSALÉM! E mais uma coisa! Caso não saiba, Jesus Cristo falava aramaico, porém, os seus apóstolos escreveram seus feitos e ensinamentos originalmente em Grego Helenístico, conhecido como Grego Koiné, desde Mateus até Apocalipse(esse último, publicado praticamente 90 anos depois da morte de Jesus) um grego antigo desde a época de Alexandre o Grande! Então pare de fazer ilações e apoiar um papa que fica calado quanto ao que passa o povo Argentino! TÁ PENSANDO QUE O POVO É BURRO E IGNORANTE ASSIM E QUE SÓ VOCÊ É ILUMINADO QUE SABE DE TUDO? MELHOR NÃO SE COLOCAR ACIMA DE TODO MUNDO OU VAI QUEIMAR! VÊ SE CRESCE SEU MOOLEKY! E JESUS CRISTO NÃO ERA JUDEU NÃO! ELE E SEUS APÓSTOLOS SEMPRE DENUNCIAVAM A IGREJA FALSA E RABINOS QUE PERSEGUIAM A VERDADEIRA IGREJA!

Anônimo disse...

Olavo de Carvalho e Jair Bolsonaro nos abriram os olhos e isso realmente não tem preço.