sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Brasil: Uma Nação desconstruída

Edição de Artigos de Sexta-feira do Alerta Total http://alertatotal.blogspot.com

Por Márcio Accioly

O Brasil, por obra e graça do tipo de colonização a que foi submetido, adotou vocação predatória suicida que vem sendo repassada de geração a geração com enorme sucesso. Não se tem do que reclamar: o modelo de autodestruição funciona a contento.

No princípio, não era o verbo nem foram os projetos. Eram colonizadores que aqui chegavam sempre com a idéia de amealhar riqueza, juntar tudo o que fosse possível ao alcance e retornar à nação de origem com bolsos forrados, caindo fora dessa “terra de índio”. A moda pegou e prosperou, pois a farra continua.

Como tivemos a infelicidade de o país nascer riquíssimo, esbanjando recursos naturais e facilidades intermináveis, não foi necessária qualquer ação criativa que o desenvolvesse. Bastava recolher o que caísse às mãos.

Muitos creditam a derrocada brasileira ao fato de para cá ter vindo o que havia de pior, na figura de condenados e degredados. Puro engano. Fosse assim, a Austrália não seria o que hoje é, depois de observar cidades inteiras nascendo como colônias prisionais, abrigando escória enviada desde a Grã-Bretanha.

Nosso problema principal foi o de ter nascido como um rico país-dormitório, lugar aonde se ia com a convicção de estar de volta em breve espaço de tempo, local referente apenas como região de colheita.

E tudo foi devidamente colhido: pau-brasil, florestas inteiras, ouro, diamante, pedras preciosas e exemplares da fauna e flora. Vieram ainda os engenhos e usinas de cana-de-açúcar, negócio financiado com capital holandês e movido a sangue africano.

Criou-se a tradição do jeitinho e do entendimento, onde desavenças e disputas se vêem acomodadas num clima de conciliação, no qual o chefe comparece com discurso bem elaborado e os excluídos do conchavo com sua força de trabalho.

A mentalidade de habitante de país desqualificado foi disseminada e impediu nosso crescimento, marcando a ferro e fogo a desdita.

E enquanto continuamos no provimento de nossos algozes, pagando dívida externa que se tornou eterna, sustentando sonhos de grandeza dos que aprenderam a se impor, promovemos a consolidação de nossa própria desgraça.

O Brasil se tornou o mais africano dos países sul-americanos, no sentido de ter introjetado sentimento de amaldiçoada pequenez em relação aos opressores. Somos bigorna moderna na qual os de sangue azul do “primeiro mundo” forjam seu progresso.

Como se dirigidos por espécie de fatalismo, os acontecimentos fixados de maneira imutável desde a criação. Impossível livrar-se dos grilhões, em especial dos imaginários, tolhendo os movimentos de nação inteira submissa.

Foi o descaso o que levou o país, ao longo de cinco séculos, à porta de entrada de imponderável desastre. Hoje, na remediabilidade de educação insuficiente, adota-se sistema de cotas. Por que não se decide logo pela entrega de diplomas?

Na argumentação capciosa de louvável socorro aos miseráveis, multiplicam-se bolsas-esmolas que asseguram exército de eleitores famintos, no voto perpétuo sob a égide do “sistema democrático”.

Nesse ambiente de suspeição, persistem fracassadas tentativas e desgastadas propostas. Não há boa intenção que resista a tanta incúria. Os focos de insatisfação se alastram e a descrença vai ocupando os espaços.

Seria preciso ecoar um “Basta”, de Norte a Sul, recolhendo-se fragmentos para dar início a nova montagem. Refletir a respeito da construção de uma nação que jamais passou de fracassado projeto. Mas o tempo conspira contra essa vontade.

Márcio Accioly é Jornalista.

5 comentários:

bastilha disse...

UNEMFA – UNIÃO NACIONAL DAS ESPOSAS DE MILITARES DAS FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS


www.unemfa.com.br (graças à Deus estará no ar na próxima semana)

UNEMFA NACIONAL –BANCO DO BRASIL – AGÊNCIA 1003-0 – C/C 28072-0

CONVITE
PANELAÇO DO DIA 27 DE NOVEMBRO DE 2007
A SUA PRESENÇA FORTALECE A NOSSA CAUSA!

Por que vamos fazer um panelaço no dia 27 de novembro de 2007?


• Respeito e valorização ao Profissional Militar das FFAA Brasileiras;
• Cobrar do governo uma posição quanto à nossa reposição salarial;
• Não podemos continuar caladas diante dessa injustiça – a fonte pagadora é a mesma.
Soldado PM E CBM DO DF 3º SGT DAS FFAA Policia Federal Lei 11.538/2007
3.618,00 2.000,00 Agente Polícia Federal 1ª categoria R$ 8.226,20

• Votação das seguintes emendas da MEDIDA PROVISÓRIA 2215-10:
- Confirmação no posto acima;
- Posto acima a todos os militares que perderam o benefício na edição da MP 2215-10;
- Auxílio moradia;
- Salário digno ao soldado recruta (atualmente ganha menos de um salário mínimo);
• Cumprimento do interstício de promoção para os praças;
• Gestão orçamentária e financeira dos planos de saúde (FUSEX;FUSMA e SARAM) pelas respectivas Forças com o devido controle externo e interno;
• Segurança no trabalho (reequipamento das Forças Armadas).

Local da concentração: 1º Quadrante da Rodoviária do Plano Piloto – sentido Esplanada dos Ministérios
Início da concentração: 14h
Saída da caminhada: 15h30m
Leve água para beber e sua panela para bater!!!
Respeitosamente,
IVONE LUZARDO – Presidente da UNEMFA, Diretoria e Equipe de Apoio.

Dora disse...

O Jornalista Márcio Accioly foi feliz ao colocar “...como tivemos a infelicidade de o país nascer riquíssimo,...”. É uma verdade antípoda. Tal motivou até a um jornal inglês (“The Economist”) afirmar hoje (16/11/2007): “..."As florestas do Brasil são maiores do que as de qualquer outro. Seu solo é tão fértil que algumas árvores chegam à plena maturidade mais rápido do que as pessoas. Debaixo de seu solo há enormes depósitos minerais que são a matéria prima para o crescimento chinês de dois dígitos. O Brasil já está no caminho para se tornar uma superpotência da energia alternativa...”. E por isso o brasileiro é o povo que mais segue “ao pé da letra” a muito conhecida “lei do menor esforço”, e pensa: “Claro, se eu não preciso esforçar-me, por que irei trabalhar (?) visto que o trabalho é cansativo e desgastante? Eu, hein! Prefiro traficar, dá mais grana!”. E assim o Brasil caminha, “de mãos dadas” com a indolência...e a violência.

Mas não posso concordar in totum no ponto em que o brilhante Jornalista afirma que a Austrália é o que é hoje, graças ao tipo de gente que lá aportou como degredada. Peço vênia para discordar, ou melhor, para tentar complementar a lúcida linha de raciocínio do autor. Acho que a diferença entre lá e cá reside no fato de os responsáveis pelos primórdios da colonização australiana não terem nenhuma esperança de escapar, enquanto que os “nossos”, talvez mais espertos, observavam que aqueles que aqui não chegaram obrigados, procuravam enriquecer e logo voltar. Ora, os desterrados para o Brasil, evidentemente, procuraram copiar tais atitudes, na certeza de, ao também enriquecerem, poderiam partir para outras plagas, fora do alcance daquela que os alijou. E aí a bandalheira ficou bem mais ampla... perdurando até agora!

O africano, por sua vez, por não ter nenhum vínculo com a terra brasiliensis, trabalhou muito, mas, unicamente, pela força do chicote, sem nenhuma motivação própria. E o índio...óóó!!! escafedeu-se, pois via o que se passava com o negro, e não queria isso para si. Além do quê, o índio não precisava de mais nada para viver na terra onde já tinha “o umbigo plantado”.

A desqualificação do País pelo seu próprio povo, pode ser também aquilatada pelos costumes dos ricaços, desde séculos atrás mandarem os seus herdeiros sempre para o estrangeiro, onde diziam que poderiam “se preparar melhor”. Tal fato até hoje “é pedra no sapato” atrapalhando o nosso desenvolvimento, e até hoje baixamos a cabeça, subservientes e boquiabertos a qualquer um que aqui transite falando outro idioma.

Como uma malfadada herança cultural do “colonizador” explorador, continuamos a querer sempre “a melhor parte”, passando por cima de todos e de tudo, principalmente das leis. Em qualquer coisa que façamos queremos sempre “nos dar bem”...achamos que assim somos “espertos”. Ignoramos o que seja solidariedade e filantropia, e aos que procedem destas formas, chamamos de “otários”.

Somos avessos a coisas que demandam tempo para obtê-las, queremos nossos interesses “para ontem” e assim achamos que escola é perda de tempo. Afinal, “a vida é curta”, pensamos. E deveríamos mesmo, como muito bem sugeriu a pergunta do Jornalista, distribuir diplomas escolares. Não mais haveria razão para ninguém reclamar de “discriminação”... seríamos logo todos “graduados”...seriamos todos “doutores”! Cotas em Universidades? Para quê? Pensando bem, do jeito que caminha, este será o próximo passo do “gigante deitado eternamente em berço esplêndido”, portanto, vamos logo antecipar!

Nossos “governantes”, cada vez mais ricos e menos interessados com o que acontece no “País Tropical”. Já nos enganaram ao incentivar o uso do gás na indústria e nos veículos sem garantir o suprimento suficiente, deixando-nos aos humores do “cumpanhêro” cocalero, agora, vêm nos acenar com uma reserva submarina de petróleo que, se tudo correr bem e se a oligarquia permitir, só será coletada em 2015!! E até lá, como ficaremos?? Também já nos deram a “deixa” ao implantar a perenidade da permanência no poder: nos brindaram a todos com o “bolsa-esmola”, digo “a todos” porque atinge, isto é, abrange indistintamente toda a população...poucos pagam, e muitos recebem e votam! Esta é a democracia “à brasileira”.

Fora o “Foro de São Paulo” nada é verdadeiro, remédios, vacinas e até leite são falsificados. Tudo parece ou é mesmo falso! Até General de Exército temos “Genérico”, feito no afogadilho da falta de controle no nosso “espaço aéreo” — o que já nos custou centenas de vidas —, pois basta vestir uma farda e sair passeando pela Amazônia, acariciando cobras e tomando susto com os “Sukoy” do “cumpanhêro” Chaves, em vôo rasante à ponta do chifre.

Para concluir, digo ao brilhante Jornalista, que só um “Basta!” de Norte a Sul não adianta. Muito mais seria preciso. Nossos parlamentos e nossa essência de civismo estão podres. Os “fragmentos”, mesmo juntados um a um, também não serviriam para a “colagem” da feitura de um tecido social novo e sadio, onde as mazelas atuais — fomentadas pelo ParTido que se dizia acima do bem e do mal — não mais encontrem campo fértil para a proliferação do que hoje nos envergonha.

Anônimo disse...

COMO FICAR FICAR RICO NAS ÁGUAS DO PT.

Isso poderia ser o título de um livro sobre especulação financeira....hehe

Vejamos:

1-Suzano Petroquímica.
2-Tupi da Petrográfica.
3-TELEBRÁS.

Essa última deu 576% e 2 dias para os aloprados...

E a CVM?

Esses 3 casos foram só os que consegui captar.....devem haver mais, mas isso, deixo para o faro do jornalismo investigativo do Jorge Serrão...

Êta turminha boa em ganhar dinheiro, pena que é o nosso....buá buá buá

Anônimo disse...

Matéria infinitamente brilhante. De fato o Brasil ainda possue "veias abertas" em relação a esta temática tão polêmica - o racismo e suas fúteis formas de apasiguamento - e que ainda não chegou a soluções práticas. Se realmente é possível alcanças tais soluções, visto que nossas lideranças não passam de governantes egoístas e finos ladrões.

Anônimo disse...

Senhores e senhoras o espetaculo já começou a Dilma já estar nos bastidores do circo "o torto" chegou cedo para gargalhar do povo burro que a elegeu.