quinta-feira, 27 de agosto de 2009

General, o senhor poderia dormir sem essa!

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Ricardo Montedo

Os militares assistem, com estupefação contida e silenciosa, como convém à classe, a “saia justa” em que se enfiou o General Félix, Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, em face do imbróglio em que se meteu o órgão que chefia, por conta das gestões do Governo Lula para apagar os rastros da suposta reunião entre Dilma Rousseff e Lina Vieira, onde a Ministra teria sugerido à então Secretaria da Receita Federal a “agilização” do processo contra Fernando, filho do Senador Sarney.

Embora contrária ao jogo democrático, a preocupação institucional em surrupiar informações à opinião pública tem razão de ser, uma vez que a confirmação do encontro pode acarretar graves prejuízos ao projeto de Lula de fazer “a mãe do PAC” sua sucessora.

Furto-me de analisar o aspecto político da questão. Prefiro debruçar-me sobre um viés estritamente castrense, que consiste no fato de um oficial que atingiu o ápice de uma carreira que prima por valores pisoteados à exaustão pela classe política e cujo Estatuto preconiza, como primeira premissa da ética militar, “amar a verdade e a responsabilidade como fundamento de dignidade pessoal”, se submeta a interesses espúrios, auxiliando a jogar uma cortina de fumaça sobre os fatos.

Não há como crer que não existam registros dos visitantes do Palácio do Planalto no mês de dezembro passado! Qualquer cabo velho sabe disso! Se, numa insuspeitada demonstração de incompetência, os arquivos de vídeo foram apagados, como diz o GSI, certamente restarão registros escritos diários, que poderão comprovar (ou não) as visitas de Lina ao Planalto naquele período.

É constrangedor para os militares assistir políticos como Ronaldo Caiado e Álvaro Dias fustigarem um general de quatro estrelas, exigindo (com razão) explicações sobre as informações fornecidas, cópia do contrato com a empresa de segurança e articularem a convocação do ministro pela Câmara para dar explicações.

Não há meio termo: ou o General Félix vem a público e “duela a quien duela”, presta as informações que a sociedade exige, que são nada mais do que a verdade dos fatos, ou estará avalizando procedimentos que envergonham a classe militar e que passam longe dos preceitos de ética e moral que lhes são tão caros.

Ricardo Montedo é Militar da Reserva. Leia seu blog montedo.com

2 comentários:

Anônimo disse...

Peço a todos que divulguem:



http://grandeprojetobrasil.blogspot.com/2009/08/aposentar-no-brasil-e-padecer-sem-cura.html

Quinta-feira, 27 de Agosto de 2009

APOSENTAR, no Brasil é padecer sem cura

Porto Alegre, 27 de Agosto de 2009
-Qualquer semelhança é a mais pura verdade.
-Aposentei-me em 1993.
Paguei 25 anos sobre 20 salários mínimos, aposentei-me com 100% e já no primeiro mês recebia 7,5 salários mínimos.
A justiça mantêm se fiel a constituição, não há como reclamar aposentadorias.
O fato em si, é que hoje recebo 25% do que recebia em 1993.
Nosso congresso apático ao nosso sofrimento, não vê que em 10 anos vamos receber 10% dos valores iniciais de nossas pensões.
Agora fomos vendidos por associações que não podemos pagar, por associações que venderam projetos melhores, para locupletarem seus asseclas.
Não fomos vendidos por dinares, mas por 10% de receita.
A previdência vai continuar financiando a saúde, o superávit primário, e ses funcionários públicos federais, suas pensões integrais e seus planos de saúde UNIMED.
Poucos sabem que a UNIMED é e entre outros planos de saúde possuidora de contratos milionários com o governo e suas estatais.

Somos 25 milhões de votos, podemos mudar o congresso, o governo "democraturático" (neologismo meu) que aí se encontra, porem só fazemos respaldar nossa mazelas.
Nosso padecer têm cura, basta assumir-mos nossa posição de trabalhadores que desembolsaram parte de seus parcos salários por uma aposentadoria justa e um sistema de saúde digno.
O dinheiro da previdência é de seus pensionistas, não é para sustentar o luxo de seus prédios e os altos salários de seus funcionários.
Não é pra dar sustentação a planos econômicos, e não e´para ser usado na saúde pública que é um direito constitucional.
Aposentados desse Brasil, temos 20% dos votos legítimos desse país.
Saber usá-los é mandar todos os Judas, de volta para o inferno de onde nunca deveriam ter saído.
Eis, que 2010 está aí, lembrem-se de todos, salvem-se para que nossos filhos e netos, possam desfrutar de aposentadorias dignas.
A juventude esquece-se que um dia tornar-se-ão os crucificados da hora.
Porém, já será tarde.
Bom dia

Anônimo disse...

Peço a todos que divulguem:



http://grandeprojetobrasil.blogspot.com/2009/08/aposentar-no-brasil-e-padecer-sem-cura.html

Quinta-feira, 27 de Agosto de 2009

APOSENTAR, no Brasil é padecer sem cura

Porto Alegre, 27 de Agosto de 2009
-Qualquer semelhança é a mais pura verdade.
-Aposentei-me em 1993.
Paguei 25 anos sobre 20 salários mínimos, aposentei-me com 100% e já no primeiro mês recebia 7,5 salários mínimos.
A justiça mantêm se fiel a constituição, não há como reclamar aposentadorias.
O fato em si, é que hoje recebo 25% do que recebia em 1993.
Nosso congresso apático ao nosso sofrimento, não vê que em 10 anos vamos receber 10% dos valores iniciais de nossas pensões.
Agora fomos vendidos por associações que não podemos pagar, por associações que venderam projetos melhores, para locupletarem seus asseclas.
Não fomos vendidos por dinares, mas por 10% de receita.
A previdência vai continuar financiando a saúde, o superávit primário, e ses funcionários públicos federais, suas pensões integrais e seus planos de saúde UNIMED.
Poucos sabem que a UNIMED é e entre outros planos de saúde possuidora de contratos milionários com o governo e suas estatais.

Somos 25 milhões de votos, podemos mudar o congresso, o governo "democraturático" (neologismo meu) que aí se encontra, porem só fazemos respaldar nossa mazelas.
Nosso padecer têm cura, basta assumir-mos nossa posição de trabalhadores que desembolsaram parte de seus parcos salários por uma aposentadoria justa e um sistema de saúde digno.
O dinheiro da previdência é de seus pensionistas, não é para sustentar o luxo de seus prédios e os altos salários de seus funcionários.
Não é pra dar sustentação a planos econômicos, e não e´para ser usado na saúde pública que é um direito constitucional.
Aposentados desse Brasil, temos 20% dos votos legítimos desse país.
Saber usá-los é mandar todos os Judas, de volta para o inferno de onde nunca deveriam ter saído.
Eis, que 2010 está aí, lembrem-se de todos, salvem-se para que nossos filhos e netos, possam desfrutar de aposentadorias dignas.
A juventude esquece-se que um dia tornar-se-ão os crucificados da hora.
Porém, já será tarde.
Bom dia