quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Uma Nova Ordem Mundial

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Maria Lucia Barbosa

Os Estados Unidos emergiram para o mundo sob a divisa virgiliana: Novus OrdoSeculorum. Era a idéia de uma nova ordem que traduzisse uma idade de ouro e os norte-americanos se propunham a construir uma sociedade democrática, liberal, onde predominasse a igualdade de oportunidades.

Nas colônias inglesas entranhava-se com força o pensamento liberal de John Locke, no qual se destacam os direitos humanos traduzidos nos direitos naturais a que todos deviam ter acesso: a vida, a liberdade, a possibilidade de se alcançar a felicidade. Coroando a influência do liberalismo a importância da lei sintetizada na máxima de Locke: “onde a lei acaba começa a tirania”.

O extraordinário progresso que foi sendo conquistado pelos Estados Unidos desde o início perturbou terrivelmente os latinos. E no final do século XIX, princípio do século XX, segundo Carlos Rangel em sua obra Do Bom Selvagem ao Bom Revolucionário, “as classes dirigentes latino-americanas foram levadas a formular explicações ou a procurar desculpas para o fracasso de suas sociedades em comparação com a sociedade norte-americana”.

Desde então a justificação para nossas frustrações, nosso populismo, nossa incompetência, nossa corrupção, nossas sociedades desiguais repousam numa afirmação simplista baseada em nítido escapismo: a culpa de tudo é do imperialismo norte-americano.

Em 1992, Francis Fukuyama agitou o mundo acadêmico ao reapresentar a idéia do fim da história, que teria como processo evolutivo final a democracia liberal. Entenda-se por democracia liberal o sistema onde prevalecem as liberdades civis - como a liberdade de expressão, de religião, de associação, de mercado, etc. - as eleições livres, o multipartidarismo. Era a contraposição à teoria marxista, segundo a qual o fim da história seria o triunfo do comunismo.

Recorde-se que na etapa anterior prevista por Marx, o socialismo, quando posta em prática exibiu o avesso da democracia liberal, ou seja: anulação da vida individual, nenhuma liberdade, banimento da democracia, impossibilidade de se alcançar a felicidade num sistema onde a tirania estatal e do partido único desrespeitaram completamente os direitos humanos.

Acredito que tanto Fukuyama quanto Marx, ao retomar cada um à sua maneira a idéia do fim da história originária de Hegel se equivocaram porque na verdade a história evolui em ciclos que alteram períodos de maior progresso aliado à liberdade e etapas em que prevalece o atraso vinculado ao despotismo.

No momento certos fatos indicam que uma nova ordem pode estar se esboçando e com ela a emergência de um novo governo mundial ou potência hegemônica, que congregue forças assemelhadas e submeta aquelas que não forem convergentes com seus interesses.

E se governos invisíveis tramam no segredo de seus bastidores as redes do poder capazes de manipular a quase totalidade do rebanho humano, alguns acontecimentos e seus desdobramentos estão bem visíveis e alertam para futuras mudanças que, naturalmente, não se darão em curto prazo. Examinemos, então, primeiramente o que ocorre na América Latina:

Na América Latina emerge com mais força o Foro de São Paulo, aglomerado de partidos de esquerda, narcoguerrilheiros, terroristas. Esta entidade que teve entre seus fundadores Lula da Silva é freqüentada por assessores influentes do presidente como Marco Aurélio Garcia, o chanceler de fato, quem realmente comanda nossa política externa.

O fortalecimento do Foro de São Paulo foi favorecido pela ascensão do despótico Hugo Chávez, que ao mudar a Constituição da Venezuela depois de dominar o Legislativo e o Judiciário com o fito de perpetuar-se no poder, ensinou o caminho da falsa democracia aos seus seguidores e simpatizantes. Chávez tem exercido influência cada vez maior na América Latina e os que não o acompanham sofrem consequências.

Assim, o venezuelano arma as Farc para destruir o poder de Uribe na Colômbia e prega o aniquilamento da resistência na pequena e valente Honduras, que expulsou outro seguidor seu, o presidente deposto, Manuel Zelaya, que estava prestes a seguir os métodos chavistas de perpetuação no poder em flagrante desrespeito à Constituição de seu país. O Brasil, que devia ser o líder regional, acompanha Chávez e entrega vergonhosamente o que é nosso para compadres vizinhos, além de se associar ao que há de pior no mundo.

Nos Estados Unidos, o vitorioso Barack Hussein Obama, saudado em todo o planeta como o cara que salvaria o mundo da crise econômica, levanta por suas atitudes populistas e pela complacência com certos governos, dúvidas sobre a continuidade da ordem mundial que privilegiou a democracia e o liberalismo. Já se fala no G2, ou seja, Estados Unidos e China e muitos profetizam que a China será a futura potência mundial.

Em Jerusalém, onde houve protestos contra a política de Obama que se opõe a construção de assentamentos em Jerusalém oriental, disse o rabino Eliezer Waldman: “Esteja atento, Obama!. Esta audácia irá acarretar a queda da liderança americana”.

Será que a queda está programada? Será que já começou? Em todo caso, a serem mantidas as características do momento a nova ordem mundial que delas se esboça não parece nada agradável para se viver.

Maria Lucia Victor Barbosa é socióloga.

8 comentários:

Anônimo disse...

Escreveu bem sobre o assunto, faltou alguns pontos importantíssimos que deixaram de ser abordados nesse artigo, como por exemplo:implantação de chips, Federal Reserve, Bilderberg, CFR, e outros.
Diria que é um artigo incompleto e que precisaria ter sido melhor estudado, para ser explorado. Já li artigos melhores escritos pelo Serrão e o Arlindo.

Vejam o documentário Wake-up Call legendado em portugues, procurem no google, podem procurar que tem pra baixar de graça.

Anônimo disse...

Escreveu bem sobre o assunto, faltou alguns pontos importantíssimos que deixaram de ser abordados nesse artigo, como por exemplo:implantação de chips, Federal Reserve, Bilderberg, CFR, e outros.
Diria que é um artigo incompleto e que precisaria ter sido melhor estudado, para ser explorado. Já li artigos melhores escritos pelo Serrão e o Arlindo.

Vejam o documentário Wake-up Call legendado em portugues, procurem no google, podem procurar que tem pra baixar de graça.

Anônimo disse...

Alerta,
"Acredito que tanto Fukuyama quanto Marx, ao retomar cada um à sua maneira a idéia do fim da história originária de Hegel se equivocaram porque na verdade a história evolui em ciclos que alteram períodos de maior progresso aliado à liberdade e etapas em que prevalece o atraso vinculado ao despotismo."

Não sei não, mas acho que é a humanidade que evolui em círculos. A história é apenas o registro disso: da evolução/involução da humanidade.

Anônimo disse...

Por favor, minha gente. Não podemos nos perder neste momento precioso momento. Vamos lutar por um brasil melhor, sempre!

Anônimo disse...

Vamos quebrar nossos círculos prisão, meu povo. Chega de ser escravizado pela televisão e tudo quanto. VAmos lutar pela nossa liberdade enquanto há tempo, depois será tarde demais.Companheiros de esquerda e direita, juntem-se a nós
Até a próxima

Emerson disse...

Concordo com o outro leitor acima, que alguns assuntos foram deixados de fora...

Eu tenho alguns posts bem interessantes sobre o assunto em meu blog:

http://www.anovaordemmundial.com/

Enrico disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

ESTE TAL DE ENRICO QUE FAZ COMENTÁRIOS MENTIROSOS E FOGE DO ASSUNTO DO ARTIGO. ALIAS SE ALGUÉM ENTRA NO BLOG DO ENRICO VAI VERIFICAR QUE É VAZIO, QUE FOI CRIADO PARA DIFUNDIR CALUNIAS. É AÇÃO DE ALGUM PATRULHEIRO COVARDE QUE NÃO SABE DEBATER COM DIGNIDADE!