sábado, 28 de maio de 2011

Bastidores e Perspectivas

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Arlindo Montenegro

Eu bem que disse que noticia de televisão é pão dormido... duro de roer. O que a gente sabe faz um tempão, fizeram um alarde danado, “descobriram um planeta duas vezes maior que a Terra onde é possível haver vida...” Deve ser o tal de Nibiru. Das duas uma, ou os reis do mundo sabem mais ou têm a intenção de soltar as holografias de discos voador associadas aos raios do HARRP para provocar algumas tragédias que justifiquem a nova ordem mundial.

Enquanto isto, muita droga para embotar os cérebros, muita celebridade sendo acusada sem ficar na cadeia – afinal as cabeças coroadas têm poder de vida e morte sobre os comuns e estão todas protegidas, imunes com a “legitimidade do voto” dito livre. Livre da moral racional, livre da justiça cega para as roupagens e títulos. Podem até prender o sujeitinho do FMI por uns dias, pra enganar trouxa e preparar o terreno para a nova ordem econômica.

Entre nós crimes e mais crimes, policiais acuados, professores fazendo greve e expondo que o salário mensal de novecentos e poucos reais não pagam o traje de um “representante do povo”, que se recusa a legislar para um investimento sério em educação. E a professorinha comentou: “é assim que querem salvar o Brasil?” Com salas entupidas, com dinheiro da merenda escolar desviado por prefeituras ou mal administrado pelo MEC, sem condução suficiente, com escolas caindo aos pedaços? O discurso dos governantes é o oposto da realidade.

Isto vem de longe. A canalha coroada que controla os recursos do planeta chega com ongs boazinhas, invade sua casa, envenena sua água e sua comida e de quebra mostra os dentes e o poder das armas. Restam poucos cantos na terra, pouco tempo para quem puder comprar um pedacinho de terra se esconder e começar a cavar os túneis de sobrevivência.

Quem sabe, para quando eles se mandarem para Nibiru, nos próximos cinqüenta anos ou até o fim do século, a terra já pode estar começando a se regenerar das feridas que eles projetam e os sobreviventes, com seus porcos, galinhas e cachorros, possam admirar uma nova aurora e recomeçar a repovoar as áreas menos contaminadas.

De qualquer modo, desdizendo todo o dito acima, os próximos anos poderão ser anos de reafirmação das forças espirituais contra os estados totalitários. A gente pode inventar, descobrir um modo de atuar para isolar os efeitos maléficos ou fazer virar o feitiço contra os feiticeiros. A gente pode ganhar consciência e organizar-se para a desobediência civil, para desprezar o discurso da televisão e dos palanques. A gente se pode organizar para redescobrir a convivência familiar e os brinquedos feitos em casa, as roupas feitas em casa, as comidas elaboradas em casa, o encontro para trocar idéias entre amigos, em casa com a televisão desligada.

Quem sabe se ainda há tempo de adotar a vida em família, entre amigos driblando os apelos do poder de persuasão que os governantes dominam para juntar desmiolados diante de espetaculares eventos hipnóticos que nada somam para o espírito, mas servem como fonte de alienação mental, calculada, sofisticada, cientificamente elaborada por laboratórios que nem os do Instituto Tavistock e suas agências.

Quem sabe ainda há tempo de organizar-se e protestar em altos brados nos parlamentos, nas igrejas, nas escolas, nas ruas, exigindo moralidade radical sem meias palavras, sem vergonha mesmo, sem partidarismos, sem ideologias, sem exposições de fé mais que a fé no sentido da vida natural que está sendo destruída e forçada a conviver com a criminalidade ambiental patrocinada por governantes dementes. Isto no mundo inteiro.

Alguns sinais já estão aparecendo e alguma gente já se organiza disposta a superar a insanidade. Alguns “loucos” já estão expondo a loucura dos psicopatas que assaltaram o poder para controlar a gente em todos os quadrantes da terra. Quem sabe este seja um caminho para rasgar as imagens dos grandes astros, aposentar a tv e resolver a parada no papo e no ringue, honestamente, racionalmente, com toda a força espiritual redescoberta em cada um, independente de organizações eclesiais e empresas de fé sem obras.

Arlindo Montenegro é Apicultor.

5 comentários:

Ale. disse...

Brilhante!
Parabéns ao autor e ao editor.

Se autorizarem, gostaria de replicar no meu blog.
Aguardo.
Abraços,
Ale.

Esperança disse...

Depois que descobri que a tal professorinha é militante do PSTU e futura candidata a qualquer coisa ....

Anônimo disse...

Se ela não vai salvar o Brasil, e ainda por cima vai continuar a receber os míseros 900 paus porque contimuar a dar aula? faça como toda pessoa que esta descontente com seu salário: peça as contas e vai trabalhar no setor privado minha filha ou vai daqui a algum tempo se candidatar a um cargo político? Conheço esta raça, reclama, reclama e depois que consegue uma boquinha, nunca mais trabalham na vida. A educação no Brasil é um Lixo mesmo, mas faça uma favor aos seus alunos não os salve de nada, é um favor que vc faz se demitir e livra-los de doutrinas revolucionárias.

Anônimo disse...

Sr. Apicultor. O senhor disse tudo.

PALHAÇO NACIONAL disse...

Honda lança no México o novo City.

O sedan brasileiro, produzido na fábrica da Honda localizada em Sumaré – SP, chega ao mercado mexicano com apenas duas importantes diferenças: a primeira é a entrega com mais equipamentos desde a versão de entrada e a segunda é o preço equivalente a menos da metade do cobrado no Brasil.


No México, todas as versões são equipadas com freios à disco nas quatro rodas com ABS e EBD, airbag duplo, ar condicionado além dos vidros, travas e retrovisores elétricos. O motor é o mesmo que equipa a versão vendida no Brasil, ou seja, um 1.5 litro que entrega 116 cv de potência.


Por lá, a versão de entrada será oferecida por 197 mil pesos mexicanos, o que equivale a cerca de R$ 25.800. No Brasil, o City LX com câmbio manual (versão de entrada) que não conta com freios ABS, tem preço sugerido de R$ 56.210.


Mesmo lembrando que Brasil e México possuem um acordo comercial que isenta a cobrança de impostos de importação, fica a pergunta: Como é possível um carro fabricado no Brasil ser vendido, com lucro, por menos da metade do preço em outro país?


Fonte: http://carplace.virgula.uol.com.br/honda-city-brasileiro-e-lancado-no-mexico-com-preco-inicial-de-r-25-800-como-e-possivel/


E não é só imposto o lucro exorbitante das montadoras no Brasil, alivia as perdas em outros mercados, os trouxas macaquitos pagam para sustentar a vida na Europa, EUA e Japão, continua tudo igual, somos os colonizados, temos que trabalhar e fechar o bico.



SOMOS OU NÃO PALHAÇOS??????
SOMOS PALHAÇOS!?!?