domingo, 8 de maio de 2011

E se a Ararinha-azul for boiola?

Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net/
Por Jorge Serrão

Como diria o caboclo, marido da cabocla, não precisa ser nem “devogado” e muito menos “juriscusolto” para constatar que o Supremo Tribunal Federal, do ponto de vista estritamente jurídico, decidiu, corretamente, que a união estável entre duas pessoas (um casal tradicional ou o homossexual) tenha seus direitos civis respeitados. Afinal, pelo menos letra fria das constituições, a utópica igualdade dá a impressão de existir.

O problema da decisão do STF foi ter contribuído para mais uma reforma forçada de conceitos verdadeiros e objetivos – obedecendo à cartilha imbecilizante e autoritária da Nova Ordem Mundial. Por unanimidade, que Nelson Rodrigues ironizava ser burra, os iluminados do supremo deram status de família à união estável entre homossexual. A decisão renderá polêmica, sobretudo nos meios católicos e protestantes tradicionais. Mas este ainda não é o ponto grave. O mais assustador é a imposição de neoconceitos por força judicial.

O STF enfiou um pepino na responsabilidade dos congressistas. A Constituição Tupiniquim terá de ser modificada. Nela, a família era resultante de uma união heterossexual entre um homem e uma mulher. Agora, por imposição da (ainda) minoria homossexual, que tem como aliados os modificadores de conceitos originais da Nova Ordem Mundial, a maioria dos brasileiros terá de aceitar a nova definição jurídica de família “em gestação”. Aliás, a partir de agora, o STF deixa sinalizado que será considerada inconstitucional qualquer lei que restrinja os direitos dos gays.

Vale deixar claro o argumento, para que o leitor ignorante não venha com boiolice editorial. O assunto precisa ser tratado na ótica do conceito – e não do preconceito ou do neopreconceito. O conceito original de casal foi detonado pelo STF. Originalmente, casal é o conjunto formado por um macho e uma fêmea. Ou seja, o conjunto de duas pessoas de sexo diferente.

Por força do lobby homossexual, dito politicamente correto, surgiu o neoconceito de casal. Passou a ser definido como “o conjunto de duas pessoas casadas ou que mantêm uma relação amorosa ou íntima, vivendo ou não juntas”. Tudo bem que casal é originalmente um par. Acontece que um par não é necessariamente um casal. Por que desejam os homossexuais serem apelidados de casais, em vez de pares?

Analisemos o drama da Ararinha Azul – que virou até personagem do “Rio”, um desenho animado cheio de preconceitos sobre o Brasil, mais parecendo uma obra sobre turismo sexual para crianças, já que o personagem principal do filme vem para cá para copular. Na vida real, a Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) é uma arara restrita ao extremo Norte da Bahia, ao Sul do Rio São Francisco. Está seriamente ameaçada de extinção, tendo somente 78 exemplares desta espécie em ambiente livre.

A ararinha-azul é uma das mais raras espécies vivas. Atualmente existem apenas 87 exemplares dela, em cativeiro, no mundo. Destes, apenas oito podem ser encontrados no Brasil. Um casal (macho e fêmea) sobrevive no zoológico de São Paulo. Até hoje, não tiveram filhotes. E se as ararinhas-azuis, por algum motivo, resolverem virar “boiolas”? A espécie caminhará para a extinção. A turma defensora da ecologia devia pensar sobre isto... O casal original é fundamental para a conservação e perpetuação da espécie. Talvez o órgão sexual não seja apenas um “plus”... Cada um tem sua função natural, Deuses do Supremo...

Cada um deve ter mesmo a liberdade (livre arbítrio) de adotar o comportamento sexual que desejar. O original é homem e mulher. Macho e fêmea. As variações dependem do juízo e decisão de cada um. O que não pode haver é desrespeito à decisão individual, desde que tal decisão também não desrespeite a visão contrária. Ou seja, ninguém deve ser obrigado a concordar com ou achar “natural” o homossexualismo. No entanto, o comportamento essencialmente humano exige tolerância de todos para a diferença – imposta ou não artificialmente pelos esquemas globalitários da moda.

O perigo mora na constante produção de divisões artificiais na sociedade, e a imposição antidemocrática de leis ou regrinhas para tentar regular a guerra psicossocial fabricada nos laboratórios de Engenharia Social. Racismos, homofobias, intolerâncias, preconceitos e neoconceitos desviantes do original só contribuem para debates, discussões, divisões e batalhas inúteis para o desenvolvimento verdadeiro do ser humano integral.

O homossexualismo vai existir e até ganhar cada vez mais adeptos – com tanta propaganda a favor? A tendência é que sim. Por isso, quem é heterossexual só precisa agir com tolerância e coexistir com quem prefere seguir o comportamento sexual diferente. Não podemos é cair na armadilha de assuntos impostos psicossocialmente para nos desviar dos verdadeiros objetivos humanos de tentar exercer a liberdade para conquistar a felicidade.

Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog e podcast Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos.


© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 8 de Maio de 2011.

9 comentários:

Anônimo disse...

Logo hoje, com o simbólico "dia das mães", esta negação do papel natural da família em extinção e portanto, da mulher como esteio fundamental da instituição mais responsável da sociedade... Romain Roland já falava em 1917 do "naufrágio da alma individual no abismo imenso da alma coletiva." Doravante seremos todos filhos do Estado...

Anônimo disse...

"O Amor que não ousou dizer seu nome" ( walt Whitman), agora grita para ouvidos surdos que se negam a ouvir a verdade de muitas pessoas que foram alijadas de sua felicidade. " A Velha Ordem Social" era imposta de forma que apenas a heterossexualidade fosse "normal". A natureza é muito maior do que se quer impingir. Ela se faz através de diversas formas e multiplicidade de riquezas e as pessoas não precisam temer isso, sendo que cada qual de nós sabe de si mesmo. E graças a Deus, porque nós homossexuais também somos filhos de Deus, estamos sendo resgatados desse "naufrágio do abismo da alma coletiva".
No mais,Serrão gosto muito do seu blog e leio sempre. um abraço de uma fã sua que prefere ficar no anonimato por ainda não se sentir plenamente livre em se declarar lésbica ( uma palavra que não gosto).

Alex disse...

Caro Jorge,

Nao existem mais exemplares da arranha azul na natureza. Todos os indivíduos existentes estão em aviários privados ou zoológicos.

Anônimo disse...

Não gosto dos homossexuais porque eles não toleram os heterossexuais.

Se a intolerância sexual existe por parte dessa estranha comunidade apadrinhada, louvada e abençoada pelo STF, também tenho o meu direito de não os tolerar com os seus maneirismos e maniqueísmos.

Não vivemos numa democracia? Porque aceitar a ditadura dos gays se eles não nos toleram como heterosexuais?

O STF que dê o exemplo da aberração que criou, como casamento. Casem-se entre eles!

Coerência, meus senhores!

LEONE disse...

nOOOOSSSA vc é professor?Ai de nós!Vce os reacionários vigilantes das partes pudendas alheias,deviam estudar os primórdios do mundo sem a religião!vai descobrir pra seu espanto que nem existia macho/fêmea separados!Olhar de perto mundo animal de onde viemos sobre o que significa procriação e sexualidade! Pra finalizar se vc ficar muito chateado com este mundo que vc vive recheado de diferenças,que vcs teimam em minorizar,mudem de planeta,quem sabe lá vcs criem um mundo só de vcs, doces,convictos heterosexuais,e que tão sempre entrando em pânico com o mito da sexualidade! Duvido que reacionário como vc publique meu comentário,mas mesmo assim parábens! "Família em extinção" ..AFFEeee......

LEONE disse...

Anõnimo! Só podia ser! sempre que alguém faz ou fala impropérios demais esconde-se ,pode ser por medo ou por vergonha!Quem te fez isso rapaz? Que homossexual não gosta de hetero!Quem te magoou? conta pra mim,não quero te ver triste assim!Aprenda a não generalizar nada gente! olhem ao seu redor! o mundo não é preto/ branco,é cinza e de todos os tons!Vcs atacam, criam falta de harmonia por nada!Sejam felizes e deixem outros serem tb,vivam e deixem viver,só isso! será que é demais???

Anônimo disse...

Leone

Se vocês querem ser aceites sem estigmas, por que obrigam os políticos a fazerem todo o tipo de leis para vos proteger? Onde nós temos leis para nos proteger por sermos hetero?

O vosso ridiculo contra nós è tanto e tamanho, que numa das vossas manifestações de autoafirmação, levavam um pano com a frase: "Abaixo o machismo".

Depois disso, nada mais há para conversar!

Experimente transar com um homem! Atreva-se e vai gostar para sempre! E se for um com alguma experiência, verá que abandona esse campo. Que gozo tem você fazer sexo com outra igual a si? Bem, não posso levar a mal você gostar de mulheres. Eu adoro mulheres e fazer sexo com elas. Claro, mas elas não são lésbicas!

Ninfa de Walt Whitman disse...

é incrível como alguns homens não aceitam que existam mulheres que não gostam de fazer sexo com eles e preferem mulheres! e usam sempre o mesmo argumento: transe com um homem de verdade! ou seja com eles hahaha

Pois eu sugiro a você também, que experimente transar com um homem, é muito provável que goste, pois os homóficos no fundo tem medo de tomarem contato com seus mais íntimos desejos...

Anônimo disse...

Com uma boa argumentação jurídica se justifica tudo, se o STJ decidisse que Pedofilia é aceitável eles não teriam dificuldades em criar uma elaborada argumentação racional e passar uma lei permitindo que "crianças acima de 3 anos poderão ter relações sexuais com seus país a fim de promover educação sexual e evitar problemas de relacionamento futuros".

Na minha visão Homossexualismo é um tipo de doença que deve ser tratado e não promovido como uma "Opção Sexual"!
Opção Sexual é uma grande farsa!
Existem milhões de espécies de animais na natureza e o ser humano é o único doente o suficiente para fazer isso.

Cuidado que os Loucos tomaram conta do Sanatório!