quinta-feira, 21 de julho de 2011

Brasil = (SOMÁLIAxMYANMAR)²

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net Por Antonio Antunes

Vivemos em um país onde o nível de corrupção equivale a uma Somália vezes um Myanmar ao quadrado. É impossível haver tamanha corrupção em qualquer outro lugar do mundo.

Neste país nossa suprema corte liberta um assassino italiano e ainda concede asilo político que lhe dá direito a ter salário de asilado, salários este que muitas famílias reunidas não conseguem ganhar. Mas o ex-presidente da república tinha interesse neste assassino. Esta mesma suprema corte que só deveria se pronunciar se provocada, se mete a legislar usurpando o direito e obrigação do legislativo.

Temos tribunal de contas da união e dos estados. Mas para que? São milhares de escândalos de corrupção envolvendo as várias esferas federal e estaduais e quando foi que um tribunal de contas conseguiu enviar para cadeia qualquer político? Nunca.

Ocorreu um desastre na região serrana do Estado do Rio no qual morreram mais de 2.000 pessoas dos quais apenas 1.000 foram noticiadas. Foram liberados recursos federal, estadual e municipal para socorrer as vítimas e restabelecer a vida nas cidades atingidas. Passados seis meses, a população dessas cidades continua do mesmo modo e cerca de mil pessoas continuam desaparecidas ou soterradas sob os escombros que não foram removidos.

O tribunal de contas cobrou do governo do Rio a prestação de contas, porem não foi atendido porque o governador não teve tempo, pois estava passeando no jatinho de um empresário responsável por grandes obras sem licitação. No Japão ocorreu um terremoto e depois um tsunami que devastou grande parte do país. Para completar, várias usinas nucleares tiveram vazamentos radioativos, no entanto, dez dias após, muitas estradas rodoviárias e ferroviárias já tinham sido recuperadas e estavam funcionando como antes.

Aqui, passados seis meses, o estado de terra devastada continua igual, embora muitos políticos e empresas de construção se locupletam à custa da desgraça do povo. Isto é que se chama roubalheira.

Nesse mesmo Estado do Rio, bombeiros arriscam a vida por salário de fome e são chamados de vândalos pelo governador. Este mesmo governador que manda jogar gás de pimenta nos professores em greve por melhores salários. Escolas sem professores e sem material. Hospitais sem médicos, sem medicamentos alem de muitos estarem fechados (pacientes morrendo na porta dos hospitais por falta de atendimento – isto é um crime bárbaro).

O nível de corrupção é tão alto que a polícia militar das UPPs, por ordens superiores, tem que fazer vista grossa para o tráfico de drogas (programa Cidinha Campos – TV Bandeirantes). Traficantes não podem ser molestados, porem perante a imprensa é dito que o governo está sendo rígido no combate às drogas. E ainda querem comparar o nível de corrupção do Brasil com a Somália ou Myanmar.

Nós somos em realidade uma Somália e um Myanmar ao quadrado. Por falar em UPPs, isto é outra farsa para enganar o povo e produzir votos de eleitores despreparados. Os assaltos continuam, embora a mídia não noticie. Dia 17/07 ocorreu um arrastão em um hotel de luxo situado em área de UPP.

Nossos governantes vêem constantemente à mídia declarar nossa evolução. Evolução em que? Só se for a dos bancos. Esquece de dizer que nossa evolução maior é no sistema financeiro. O povo é diariamente assaltado com juros de mais de 10% ao mês, enquanto que ao deixar o dinheiro no banco, seu rendimento fica em torno de 0,5% ao mês. Por isso, os grandes investidores especulativos elegeram o Brasil para suas aplicações. Isto é que é explorar o povo na maior cara de pau.

Segundo nossa constituição, que já foi rasgada várias vezes, ninguém é obrigado a produzir provas contra si. No entanto, se alguém se recusar a soprar o bafômetro, ou seja, se recusar a produzir a prova contra si, tem a carteira cassada e paga multa de quase R$ 1.000,00. Esses governantes nunca prestaram contas do valor dessas multas arrecadadas. Portanto se você tentar cumprir a constituição é punido pelo governo estadual ou municipal.

Nos países civilizados, ou mesmo na Somália ou Myanmar só faz o teste quem aparenta um real estado de embriaguês, logo, pessoas como o deputado Romário, que todos sabem ser um abstêmio, nunca seria submetido a tal vexame. Isto é coisa de país corrupto, que quer desviar a atenção do povo, para que este não preste atenção em suas maracutaias. Onde está nossa suprema corte para acabar com esses abusos? Dizer que nossa justiça precisa ser provocada é outra balela, pois dependendo do caso, nossa suprema corte se pronuncia sem ser provocada.

Nossas ruas encontram-se totalmente esburacadas e mal iluminadas, mas o prefeito vive como um fanfarrão se achando a própria rainha da Inglaterra. Este prefeito enfeita a cidade com milhares de placas informando que tem 700km de asfalto liso. E não há MP para cobrar do prefeito o custo dessas placas. Quem autorizou o prefeito a se auto-promover com o dinheiro do povo?

A maioria de nossos políticos trabalha apenas no governo, portanto vereadores, prefeitos, deputados estaduais e federais, governadores, senadores, secretários, ministros e presidentes vivem apenas dos salários dos cargos, logo, só conseguem ficar milionários roubando os cofres públicos. E como temos políticos milionários!

Voltando ao âmbito federal, vamos analisar o abastecimento de combustíveis: Todos os anos, a partir de dezembro até abril época da entressafra da cana de açúcar o preço do etanol sobe nas bombas de combustíveis para alegria geral dos usineiros. O governo tem conhecimento, mas faz vista grossa para não atrapalhar o lucro fácil deste grupo apoiado por mais de 200 parlamentares (ruralistas). Se o governo quiser interferir, eles paralisam o congresso. Mas que congresso? Isto é apenas um amontoado de políticos que lá estão para homologar tudo que o executivo quiser, em troca de muitos favores.

Tudo hoje é aprovado por medida provisória, o congresso apenas homologa. Mas é o povo quem paga a conta para sustentar usineiro. E o governo se omite e tenta desviar a atenção para outros atos de pirotecnia. Repare nos postos de gasolina e verá que existem dezenas e dezenas de panfletos colados nas bombas e paredes dos postos. Em cada bomba existem no mínimo 15 panfletos da ANP. Se o posto de combustível tiver que cumprir toda a legislação, terá que construir um grande muro para afixar todas as bobagens exigidas por esse órgão.

O governo vai à televisão para exigir que o posto faça o teste do combustível para o cliente que assim o desejar. Isto só pode ser idéia de um parvo: Primeiro porque, por lei (lei 2.800), só quem pode proceder à análise química é um químico registrado no Conselho Regional de Química, e, se o frentista não é químico estará cometendo crime de falsidade ideológica; segundo porque o liliputiano que criou essa portaria fez curso de química por correspondência em alguma dessas faculdades não reconhecidas nem em Lilliput (esse teste é um conto do vigário feito para explorar a boa fé do consumidor, pois se ao invés de gasolina, usarmos querosene ou diesel e adicionarmos 25% de etanol, o teste indicará que temos uma gasolina de excelente qualidade, só que o carro não se moverá. No entanto, o idiota que criou o teste, se locupletou e o povo sifu).

Se o posto não exibir um desses panfletos, arcará com pesadas multas, pois para o governo, todo dono de posto é trambiqueiro e o governo detesta concorrência. Essas normas são tão arbitrárias que se um desses panfletos estiver com tipo ou tamanho de letra diferente, o posto será multado.

Outra estupidez é obrigar o posto de gasolina a fiscalizar sua Distribuidora, inclusive para saber se ela recolheu o ICMS. Se a Distribuidora sonegar ICMS, os fiscais lançam o valor não recolhido para o posto revendedor. Em que lugar do mundo o cliente é responsável pela arrecadação de impostos de seu fornecedor? Nem na Somália. Por que os fiscais do estado não conseguem fiscalizar as Distribuidoras? Fernandinho Beira Mar é anjo perto desses governantes. O governo não consegue fiscalizar 200 distribuidoras. Por que? Só porque lá tem políticos importantes ou muito dinheiro para o caixa 2?

O posto de gasolina é o comércio mais fiscalizado nesse país, embora os desvios sejam inferiores a 1%. Nenhum outro comércio é tão honesto. Mas os governantes pensam que estão lidando com aqueles donos de postos de antigamente. Hoje temos postos de gasolina cujos proprietários são engenheiros, advogados, médicos, arquitetos e até políticos (mas ninguém é perfeito).

Somente por curiosidade, o custo de instalação de equipamento de GNV em um posto, supera R$ 1.000.000,00 (hum milhão de reais), portanto tem capital envolvido. Ainda tem gente no governo que acredita em Papai Noel e diz que a Distribuidora é quem paga esses equipamentos. Esses liliputianos não sabem que quando a Distribuidora é quem instala os equipamentos, os postos revendedores arcam com um custo muito maior e que pagarão diariamente na nota do combustível para o resto da vida.

O posto é obrigado a exibir nas bombas o nome da distribuidora embora todos sabem que a gasolina é produzida exclusivamente pela Petrobras (as distribuidoras têm autorização para importar gasolina de outros países, mas não o fazem por não ser vantajoso). Isto é feito para proteger a grande distribuidora. Se esse governo fosse de fato honesto obrigaria a distribuidora a fixar panfletos indicando o nome da usina de álcool, o tipo de cana usado na produção, o local da produção, o teor de aldeído e de alcoóis superiores. Inclusive informando os riscos de câncer em virtude dos aldeídos. Isto sim seria importante.

O IBAMA exige que posto de gasolina que venda carvão apresente a prova de que a empresa fornecedora produziu este carvão em locais autorizados. Também querem que os postos de combustíveis sejam fiscais do IBAMA. As grandes redes de supermercados não precisam comprovar nada.

Alguém por um acaso já viu as exigências do INEA para os postos de gasolina? Pedem tanta coisa que para cumpri-las é necessário acertar na loteria. Embora os postos de gasolina de hoje não tenham mais aquelas rampas de troca de óleo, portanto não sujam o piso, esse INEA exige que todo ano o posto faça análise do subsolo em poços de cerca de 10metros de profundidade. São cerca de 10 a 15 poços por posto de combustível. Mesmo sabendo que o piso do posto é mais limpo que o de muitas lojas de luxo, o INEA, parece que tem parceria com as empresas de análises, e exige este comportamento (cada análise desta custa mais de R$5.000,00).
Ora, o que está no subsolo já está lá e em muitos casos é praticamente impossível removê-los. Andando pela cidade do Rio de Janeiro vemos em todos os cantos esgoto jorrando em todos os bairros, esgoto esse que tem causado inúmeras doenças e nessa hora não aparece o INEA. Para os postos a fiscalização é rigorosa, porém para as distribuidoras, o INEA ou similar dele, não se atreve a exigir coisa alguma. O bairro Recanto dos Pássaros em Viracopos teve o solo, o subsolo e o lençol freático totalmente contaminado por chumbo, mercúrio, cianetos, endrin, aldrin e outros produtos cancerígenos.

Esta contaminação obrigou a retirada das 800 famílias que habitavam o local após a constatação de vários casos de câncer. Na época isto foi considerado um crime contra a humanidade, todavia a Distribuidora responsável não foi sequer autuada. Esta mesma Distribuidora fez contaminação idêntica na Vila Carioca, no Bairro do Ipiranga na cidade de São Paulo. Temos centenas de casos de solo contaminados por Distribuidoras sem que elas sejam molestadas.

Outro dia, enviei à Presidente Dilma um documento mostrando que as Distribuidoras de Combustíveis estavam vendendo seus combustíveis aquecidos à temperatura de aproximadamente 40ºC. Isto é crime, já que o posto de combustível ao adquirir o produto o armazena em tanques subterrâneos com temperatura baixa. Como o coeficiente de dilatação da gasolina é alto, este produto encolhe dentro do tanque, causando um grande prejuízo ao revendedor com sobras para o consumidor.

Convém lembrar que a Distribuidora compra sempre a gasolina com temperatura corrigida para 20ºC (considerada a temperatura média do país). Encaminhei correspondência à Presidente Dilma denunciando este crime. A Presidente Dilma encaminhou a minha demanda para o MME. A ouvidoria do MME me respondeu que encaminhou para a ANP para que a mesma se pronunciasse. Ora, são mais de três meses para me dizer que talvez daqui a 40 anos tenha uma resposta, que não significa uma solução. É bom lembrar que esta fraude rendeu muitas centenas de milhões (através de um caixa 2), para um pequeno grupo de diretores de Distribuidora e que, em contrapartida causou prejuízos de muitas centenas de milhões aos cerca de 40.000 revendedores de todo o país.

Encaminhei também à Presidente Dilma uma proposta para que fosse reduzido o teor máximo de álcool na gasolina para evitar a especulação dos usineiros, inclusive porque no mundo inteiro, o teor máximo de álcool aceitável na gasolina é de 13%. A Presidente respondeu que encaminhou a proposta para estudos. Mas se demorar muito esses estudos, o povo voltará a ser espoliado com novo aumento do etanol que provocará aumento na gasolina (estamos em plena safra de cana e o etanol já está aumentando).

Até agora não entendi por que tudo que é contra Usineiro ou Distribuidora é preciso estudos demorados, enquanto que se for contra os postos de gasolina, no mesmo dia têm-se a autuação.

Durante a Constituinte, o saudoso grande jurista e senador Afonso Arinos respondendo a uma pergunta minha, declarou da tribuna que “o poder das Distribuidoras de Combustíveis é tão grande que podem por ou dispor de qualquer ministro, e quem sabe, até do presidente da república”.

Diante disto tudo só vemos duas soluções:

A primeira solução que é a mais light seria os postos de combustíveis, através de seus sindicatos e federação se organizarem e formarem chapas com três nomes em cada estado para concorrer à Câmara Federal. Se o trabalho for bem feito, com certeza será criada a maior bancada deste país com mais de 80 deputados federais. E nenhum deles precisa ser revendedor, precisarão apenas ser honestos. Nesse momento, os revendedores terão poder para indicar homens honestos nas áreas afetadas de seus interesses e nos interesses da nação.

Não podemos esquecer que temos 35 (trinta e cinco) milhões de automóveis, 7 (sete) milhões de caminhões pequenos e grandes e 11 (onze) milhões de motos, e todos abastecem em postos de gasolina. Não podemos esquecer ainda que pela média da família brasileira, temos cerca de 180 milhões de pessoas entre adultos e crianças freqüentando os postos de combustíveis;

A segunda solução, esta mais radical, seria distribuir panfletos nos postos de gasolina e usar a internet através das redes sociais para criar um movimento nos moldes do que aconteceu no Egito e culminou com a queda de Hosni Mubarak. Considerando que o Egito tem um sistema de comunicação muito inferior ao brasileiro, com um trabalho bem estruturado, conseguiremos modificar esse “status quo”. Esta segunda hipótese tem um grande inconveniente, pois não se consegue uma ruptura do sistema sem grandes sacrifícios. E se isso ocorrer não adianta os corruptos fugirem para a Argentina ou Miami, já que devido à extensão territorial brasileira aliada a sua importância no mundo, não haverá lugar no mundo para esses bandidos.

Considerando ainda que a situação do Brasil é gravíssima, com uma dívida externa de mais de 200 bilhões de dólares e uma dívida interna chegando à casa de dois trilhões e meio de reais, desvio de dinheiro público em todos os setores do governo, cartão corporativo sem controle, o ministério dos transportes envolvidos por grandes quadrilhas (ministério da educação e saúde com roubalheira três vezes maior – sendo que esta tem provocado milhares de mortes), metalúrgicas que não produzem coisa alguma e que têm contratos milionários dando concessão a terceiros para fabricar hospitais de lata, prefeitos que por pura vaidade e sem respeito ao dinheiro público, ao assumir o governo trocam as cores de suas viaturas causando grandes prejuízos aos cofres públicos, vários grupos civis e militares estão se articulando para promover um grande movimento, que terá como base a segunda hipótese, de olho em fatos que aconteceram no mundo como na antiga Roma, na França, na Rússia e recentemente no Egito.

Antonio Antunes é Engenheiro químico.

Um comentário:

paulomsj disse...

hasta la revolucion!!!