domingo, 14 de agosto de 2011

Adeus às armas?

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por José Carlos Leite Filho

O crepúsculo de qualquer carreira profissional, por mais exitosa que seja, há de ter o seu ponto final, seja por motivo de ancianidade seja pela busca de um maior e melhor convívio familiar ou por algum outro que possa advir. No meu caso, o “adeus às armas” em termos militares já ocorreu por uma questão de idade, mas remanesce em mim a luta por um Brasil melhor, aquela que deveria ser intrínseca e constante na vida de todo cidadão. Esse sempre foi o meu pensar, como militar e como cidadão, mas, ultimamente, parece-me forçoso reconhecer que a renovação do combatente se faz impositiva até para as melhores equipes.

Por outro lado, já que “ninguém é dono da verdade”, o que será “o Brasil melhor” pelo qual tenho lutado? Certamente não é o Brasil do mensalão, do enriquecimento ilícito, dos desvios constantes de verbas públicas, dos deveres sociais do Estado – saúde, educação e segurança pública - como letras mortas na Constituição, dos políticos analfabetos e dos garis concursados, das férias de 60 dias, dos injustificáveis 15 e 16 salários, das semanas de três dias de trabalho, da justiça que tarda e nem sempre chega, da impunidade como regra, da substituição do mérito por conveniências eleitorais, dos governantes sem visão de estadista, dos governantes corruptos e acima da lei, de governos impiedosos contra a “tortura” e lenientes com o terrorismo, de um “Poder Civil” surrealista acrescido aos poderes constitucionais, dos ministérios governamentais loteados como feudos, da Democracia de palanque e acobertadora de desmandos, das Forças Armadas íntegras, mas despreparadas para a guerra, da ilusória “igualdade de todos perante a lei” e do enganador marketing substituindo as realizações...!

E se não é nada disso, retrato do Brasil atual, serei eu parte de um pequeno exército de D. Quixotes à deriva da realidade que enxergo? Ainda não me rendi, mas confesso que o meu adeus se aproxima já que não escuto a voz do povo, que dizem ser “a voz de Deus”, a clamar contra a situação reinante e, portanto, sofro com a premonição do ínclito Rui Barbosa ao dizer: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.”

Resta-me o dilema: continuar lutando ou ficar com a vergonha.

José Carlos Leite Filho é General de Exército na Reserva.

Um comentário:

Anônimo disse...

É General Leite, me das suas longas e arduas formaturas, nais quais V.Exa, lembrava que a Exército tinha que dá sua cota de sacrifício pela nação....é agora Gen seus pensamentos são os mesmos..