terça-feira, 6 de novembro de 2012

“Domesticação das Forças Armadas”

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Marco Antonio Felicio da Silva

A Instituição será maculada, violentada e conspurcada diante da leniência de todos aqueles que não pensam, não questionam, não se importam, não se manifestam”.

Algum tempo anterior à morte do General Sergio Augusto de Avellar Coutinho, tive o privilégio, o que ocorria de quando em quando, de com ele conversar sobre o marxismo-gramscismo, assunto que dominava e sobre o qual explanava com extrema maestria, segurança, profundidade e serenidade.

Há que se lembrar que ele, dentre os grandes estudiosos do assunto, foi o único que escreveu sobre a concepção revolucionária gramscista, sob forma didática, mostrando uma sistematização de sua operacionalidade.

Os dois livros que deixou, primorosos, “A Revolução Gramscista no Ocidente” (de 2002) e “Cadernos da Liberdade” (de 2003), apresentam Antonio Gramsci como um marxista inovador, não renegando ele o objetivo principal do marxismo-leninismo, porém, propondo para atingi-lo, nas sociedades democráticas e capitalistas, que chamou de ocidentais e nas quais se insere o Brasil, a estratégia da “Guerra de Posição” (conquista não violenta do poder, embora da violência não descarte em algum momento), traduzindo envolvimento longo e obstinado, ao contrário da estratégia da “Guerra de Movimento” que se caracteriza, fundamentalmente, pelo uso da luta armada em ataque frontal ao Estado existente.

Importantes para tal tipo de guerra, indica Gramsci a formação dos “Intelectuais orgânicos” (políticos qualificados, dirigentes e organizadores, formados no partido, para orientar, influenciar e conscientizar as massas), objetivando a busca da “hegemonia”, dentro da “sociedade civil”, das “classes subalternas” (trabalhadores) bem como o consenso, nas áreas psicológica e cultural.

Ao mesmo tempo, utilizando-se principalmente do patrulhamento ideológico e do politicamente correto, não só objetiva o envolvimento da “burguesia” (enquanto classe dirigente), “amestrando-a”, isto é, fazendo-a superar o senso comum até então vigente (senso comum é o conjunto das opiniões aceitas pela generalidade das pessoas da sociedade, fazendo com que opiniões discrepantes pareçam desajustadas), impregnando-a de novos valores e cultura, como também preconiza a assimilação e conquista ideológica dos “intelectuais tradicionais” (cientistas, filósofos, professores, escritores, artistas e profissionais dos meios de comunicação), transformando-os em aliados, companheiros de viagem ou em inocentes úteis.

O grande objetivo, segundo Gramsci, é a profunda e gradativa transformação política e cultural de toda a sociedade, substituindo valores de naturezas variadas, mudando padrões morais e a própria História do País.

Qualquer semelhança com o que vem ocorrendo no Brasil não é mera coincidência, porém, realidade palpável, encontrada, principalmente, nas iniciativas governamentais, como o Programa Nacional de Direitos Humanos, cujos efeitos podem ser encontrados nas escolas, desde o primeiro grau, como também na leitura diária dos jornais e nos demais meios de comunicação.

Assim, o General Coutinho, sempre enfatizando que fazia a sua parte, tal qual o sabiá que carregava água no bico para ajudar a apagar o incêndio na floresta, com o fito de salvar o seu ninho, não perdia oportunidade para demonstrar o quanto avançado está este processo revolucionário marxista-gramscista no Brasil, propiciando, já, profunda transformação política, histórica e cultural.

Desejava ele abrir os olhos daqueles que, por ignorância, incredulidade ou omissão, não cumprem o dever de a este processo se opor. Entre eles, os chefes militares, pois, consideram, os marxistas –gramscistas, as Forças Armadas como a última trincheira a ser conquistada na “Guerra de Posição”. Se “domesticadas”, não haverá mais qualquer oposição na caminhada para a “transição para o Socialismo”, isto é, para o comunismo.

O domesticar as Forças Armadas, ensinava o General, “se traduz por inibir a sua capacidade de oposição ao avanço lento e gradual do processo revolucionário marxista-gramscista, intimidando-as e desmoralizando-as perante a sociedade nacional. Trata-se de anular qualquer possibilidade de que venham a ser, novamente, baluarte da Democracia. Que não repitam 1964, impedindo um futuro assalto ao Poder por alguma das tendências revolucionárias existentes e ativas no desfecho da transição para o socialismo em curso em nosso País”

O processo de domesticação das Forças Armadas não ficará apenas na ação da chamada Comissão da Verdade (que já não se porta conforme o pré-estabelecido com as FFAA), agindo, ao arrepio da lei, somente contra os Agentes do Estado, valendo-se de mentiras e de meias-verdades. Paralelamente, sem o apoio dos atuais chefes, como ocorre com o Cel Ustra e outros, certamente serão levados à barra dos tribunais, ilegalmente, com a conivência de procuradores e de juízes revanchistas, os que combateram a subversão, o terrorismo e as guerrilhas urbana e rural nas décadas de 60 e de 70.



Os militares, que cumpriram ordens legais, tornaram-se bandidos e os reais bandidos tornaram-se heróis. A Intentona Comunista e a Contra-Revolução de 64 devem ser tomadas como fatos a esquecer e desaparecer nas brumas do tempo, em nome de uma reconciliação unilateral.

O caso do cadete Lapoente torna-se emblemático de tal domesticação: Foram consumadas, sem reação, afronta à soberania nacional, desmoralização da Justiça Militar e a profanação de um santuário militar, a AMAN, onde colocou-se placa maldita. Foram aceitas, ainda, ingerências externas, consubstanciadas por solicitação ao Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), para análise de 23 supostas violações aos direitos humanos, ocorridas no âmbito das Forças Armadas, conforme estudo elaborado pelo grupo marxista Tortura Nunca Mais (GTNM/RJ) e, ainda, por alterações no “curriculum” escolar de formação de oficiais e praças, sob a orientação da Comissão Interamericana de DH/OEA.

Como dizia o gen Coutinho, que já preconizara a trajetória da Comissão da Verdade, novas “reformas democráticas” poderão advir: reformulação do sistema de inteligência militar; reforma da destinação constitucional das Forças Armadas; revisão dos regulamentos disciplinares incluso com a aceitação aberta de casamentos gays; revisão da Lei de Anistia; “democratização” das escolas militares de formação de quadros e do treinamento dos recrutas.

E arrematava o lúcido e valoroso General: “Embora despercebido pelas aparências da prática democrática, um movimento revolucionário da esquerda está em curso no Brasil. Só as pessoas de muito boa-fé não percebem isto. O momento que vivemos é, ainda, de correlação de forças políticas. Por isto, só os políticos e as organizações e partidos liberais democráticos poderão deter a marcha das esquerdas para o socialismo monocrático e opressor. Os brasileiros esclarecidos e responsáveis não podem ignorar o que está efetivamente acontecendo e devem iniciar a resistência política e ideológica enquanto é tempo.”

Marco Antonio Felicio da Silva é General de Divisão na Reserva.

2 comentários:

Martim Berto Fuchs disse...

Triste realidade. E aqueles que deveriam estar combatendo, politicamente, essa tendência, estão se passando para aliados do governo federal.
Para completar essa pouca vergonha que são os partidos políticos e seus representantes, o DEM está negociando sua adesão ao PSB.
Não vejo outra saída, para aqueles que não aceitam a bovinização do povo brasileiro, que não seja outro contrato social. Tudo está no começar.

http://capitalismo-social.blogspot.com.br/2012/08/proposta-socio-economica.html

Coronel Humberto Pinto disse...

Senhor General Felicio, o povo responde presente para líderes.
Acompanho seu trabalho como referência...
Vale lembrar o que prescreve nossa Constituição:
CAPÍTULO II
DAS FORÇAS ARMADAS
Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.
Não obstante o "Salve Jorge" que propõe a promiscuidade no meio militar.
O MENSALÃO ESTÁ EM CURSO...
Vamos aguardar, "por aqui não passarão".