sábado, 9 de março de 2013

As mulheres e a inadimplência


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Dora Ramos

Há alguns anos, temos disputado a liderança com os homens em diferentes âmbitos, mas pesquisas recentes, inclusive feitas pelo SPC, revelaram algo que não podemos comemorar: as consumidoras estão à frente quando se pensa em inadimplência, principalmente no comércio, em que são responsáveis por cerca de 60% das pendências, contra 40% dos homens. Entre outros pontos, foi possível descobrir que esse endividamento superior por parte do público feminino acontece até a casa dos R$ 500, ponto de virada para que os homens apareçam como a maioria dos devedores dentro dos segmentos analisados: serviços, comércio e serviços financeiros.

Quais são os motivos que têm levado as mulheres a assumir um número maior de dívidas? É importante ter em mente que a mulher está cada vez mais presente no mercado de trabalho e tomando ainda mais decisões na gestão do lar. Contudo, parece que falta planejamento e boas práticas de consumo. Temos mais dinheiro do que antes, mas não sabemos usá-lo. Da lista de compras do supermercado à declaração do imposto de renda, é preciso ter claro a relação entre a receita e os custos de vida.

Faça um mapeamento completo de todas as contas em aberto e identifique com quais credores há espaço para negociações. Bancos e instituições que oferecem empréstimos podem aumentar prazos, fazendo com que tenha mais folga no seu orçamento mensal. Mas cuidado: não entenda essa amenizada como um sinal positivo para voltar a gastar, pois a divida só foi suavizada e não quitada.

Entrar em situação de endividamento é algo que tira o sono de qualquer pessoa, não importando o gênero de quem está no vermelho. Por isso, o mais indicado é que se tenha bom senso, não se deixando levar por atos impensados ou otimismo exagerado em relação ao crescimento de nosso país.

Dora Ramos é especialista em Contabilidade e Controladoria, fundadora e diretora responsável pela Fharos Assessoria Empresarial e atua no mercado contábil-administrativo há mais de vinte anos.

Nenhum comentário: