quinta-feira, 25 de abril de 2013

Comentando EM NEGRITO a Ordem do Dia “19 de Abril”



Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Ricardo da Rocha Paiva

Nota do Editor: O texto, abaixo, foi originalmente escrito e lido pelo Comandante do Exército na Ordem do Dia 19 de Abril – Dia do Exército. O Coronel Paulo Ricardo da Rocha Paiva exerceu o direito democrático de livre pensador para fazer sua análise-crítica nos trechos em negrito. Agora, o Coronel corre o risco de ser alvo de censura e de ação disciplinar por expor a verdade. Confira:

Neste 19 de abril, como acontece a cada ano, celebramos com amor patriótico o Dia do Exército.

Infelizmentemente, esta data, hoje, está desvirtuada pela paradoxal coincidência com o “dia do índio”, um dos componentes da até então indivisível nacionalidade brasileira que, lamentavelmente, após a resolução 1/2 do Conselho dos Direitos Humanos, de 29 de junho de 2006 (que aprovou o texto da Declaração das Nações Unidas Sobre os Direitos dos Povos Indígenas, é de pasmar, com o aval do atual ministro da defesa, naquela época exercendo as funções de chanceler), fez sua clara opção apátrida e secessionista, relegando o “espírito forjado em Guararapes” na luta contra o invasor holandês, alimentando conflito altamente periclitante para manutenção da integridade territorial do País.

Não reverenciamos pessoas, mas uma Instituição que se forjou junto com a Nação brasileira, nas lutas pela liberdade de seu povo, na definição de suas fronteiras, na manutenção de sua unidade, na consolidação de sua independência e na proclamação de sua república.

Mas que atualmente vem sendo humilhada pelo “revanchismo da esquerda”, orquestrado pelas “viúvas de Che Guevara”, patrocinadas pelo “Foro de são Paulo” e encasteladas na “Comissão Nacional da Mentira”.

Tudo começou em 1648, em Guararapes, “onde o Brasil aprendeu a liberdade”. Como diz o compositor e cantor Martinho da Vila: “Aprendeu-se a liberdade/ Combatendo em Guararapes/ Entre flechas e tacapes/ Facas, fuzis e canhões/ Brasileiros irmanados/ Sem senhores, sem senzalas//...”.

E tudo começou a acabar em 2008, quando o STF desmanchou o elo urdido por um exército embrionário em Guararapes, favorecendo a uma única etnia pela admissão de um kozovo na RAPOSA SERRA DO SOL, ocasião em que faltou ao Exército a liderança de um Duque de Caxias, que fosse capaz de fazer o exercício do Poder Moderador, tão eficaz que se mostrava para a manutenção da integridade territorial da Pátria Brasileira, hoje em acelerado processo terminal.

Naquelas lutas para expulsar o invasor, pela primeira vez, a palavra Pátria foi usada para referir-se ao Brasil. Índios, negros, brancos e mestiços se uniram de forma definitiva para construir o primeiro empreendimento genuinamente nacional. Tem-se assim o primeiro registro da fraternidade racial e cultural, que se afirmou ao longo da formação da nossa nacionalidade, constituindo-se em amálgama indestrutível que fez e faz “o Brasil ser BRASIL”.

Infelizmente, a palavra Pátria atualmente não tem mais aquele significado sagrado dos tempos antigos, máxime quando o, já aclamado, “ministro da defesa dos povos indígenas” apôs o seu jamegão irresponsável, descabido e sem nenhum compromisso com o porvir da nacionalidade, na tal declaração que entregou nosso gentio à sanha de notórias ONGS patrocinadas, como já se sabe, pelos grandes predadores militares.

Esse passado de lutas e glórias nos pertence. É herança de todos nós. A unidade da Pátria, seus valores, sonhos e esperanças, gestados em Guararapes, têm sido preservados por todos nós brasileiros – com ou sem fardas. Dessa certeza, brota a permanente motivação para se lutar por um Brasil cada vez melhor, para nossos filhos e para os filhos dos nossos filhos – gerações a fora.

Esses altruísmos elocubratórios, em verdade, poderiam ser extravasados na sua justa medida somente quando tivéssemos real capacidade dissuasória para preservarmos a posse de nossos invejáveis recursos naturais, sem combate.  Nossa motivação, muito mais do que a de lutar, deve ser, sim, a de fazer o inimigo desistir da luta e não a de transformarmos em heróis os nossos filhos e netos, sacrificados no altar da Pátria.

Para isso, o Exército adestra-se, atento à defesa da Pátria – sua missão mais nobre –, mantendo-se em permanente estado de prontidão para dissuadir intenções hostis e preservar sua soberania.

Que se diga, ¨adestrar-se, atento à defesa da Pátria,” somente pela prontidão para o cumprimento das tais “OPERAÇÕES ÁGATA”, por sinal, eminentemente policialescas, nada mais é do que brincar com a verdade. Enfim, “há quem goste de se enganar”, “de tampar o Sol com a peneira”. Por isso mesmo, “o pior cego é aquele que não quer ver”! As citações são notórias e corriqueiras, mas, neste momento, não há como não deixá-las fluir.

Para isso, o Exército transforma-se – novos materiais, nova doutrina, novas capacidades –, ganha maior estatura dissuasória, prepara-se para atuar em ambiente de elevado grau de incerteza, interconectado, cibernético e pejado de ameaças dinâmicas e imprevisíveis. Nessa empreitada, temos contado com o apoio atento dos Poderes da República, com destaque especial para a Senhora Presidenta, Comandante Suprema das Forças Armadas, e o Senhor Ministro da Defesa.

Se é que estas “transformações inovadoras” estão realmente ocorrendo, é de se indagar: para quando? Sim porque até hoje não se respondeu ainda nem sobre se temos ou não munição suficiente para sustentarmos um dia, que seja, de combate com um eventual inimigo! Interessante é que, quando se formula esta pergunta, quem deve respondê-la procura logo estabelecer uma incongruente “conversa de ébrios“ para confundir o interlocutor, de forma a que ele traduza para o russo o que lhe é transmitido em chinês. Quanto ao “apoio” atento dos Poderes da República, é de se protestar contra esse “apoiamento”, na medida em que a governança só está a dividir a Força Terrestre pelo “revanchismo” escancarado que escracha o EB como um todo. Sim, como um todo, porque o Exército Brasileiro não é composto só pelos militares da ativa, como já pensam alguns alienados, bafejados pelas benesses dos cargos e funções.  Nós, a reserva do VELHO EXÉRCITO DO MARECHAL HUMBERTO DE ALENCAR CASTELO BRANCO, vamos envergar o verde-oliva em nosso coração a despeito de tudo e de todos aqueles que, mesmo transformados por nós em soldados, estão agora cuspindo no prato em que comeram. 

Irmãos brasileiros, este é o seu Exército! Completamos, no dia de hoje, 365 anos de existência, evoluindo como um corpo vivo, adaptando-nos às circunstâncias de cada conjuntura, sempre identificado com os propósitos da Nação brasileira, atento às suas aflições, envolvido com seus anseios e comprometido com sua índole pacífica e democrática.

Adaptar-se à conjuntura, para soldados que se prezam, não significa em absoluto fazer prevalecer: o equilíbrio emocional, que humilha, sobre o brio, que permite deitar sem culpa a cabeça no travesseiro; o estar de bem com os superiores, quando isto obriga abrir mão da admiração pelos subordinados; a disciplina militar prestante, quando esta avilta o respeito pela Instituição e a lealdade para com a Pátria.

Soldados do Exército Brasileiro – da ativa e da reserva, de todos os quadrantes do nosso território e em missão no exterior –, comemoremos com entusiasmo o aniversário do Exército, sob o olhar vigilante do nosso Patrono, o Pacificador Duque de Caxias! E sigamos unidos, fortes e confiantes, com o mesmo destemor dos heróis de Guararapes, prontos a travar todas as batalhas necessárias para contribuir com a construção do progresso, com a manutenção da ordem e com a preservação da paz desta grande Nação, a quem servimos.

Até que ponto seria autêntico este chamamento: -“SOLDADOS DO EB- DA ATIVA E DA RESERVA”? Seria leviano supor um mise en scène neste gran finale: -“... DESTA GRANDE NAÇÃO, A QUEM SERVIMOS”?

Enzo Martins Peri é Comandante do Exército Brasileiro. Paulo Ricardo da Rocha Paiva é Coronel da Reserva é Coronel da Infantaria e Estado Maior na Reserva.

45 comentários:

Anônimo disse...

o povo brasileiro decente que não se pactua com esses que se passam por bonzinhos, coitadinhos pra se perpeturem no poder, e que na verdade, não passam de canalhas que mente e engana os ignorantes, precisa apoiar o Gel e Cel Rocha Paiva.

Anônimo disse...

aposto que a maioria do povo brasileiro está muito descontente com este desgoverno que está arruinando o brasil de tudo que é forma, e espera das FFAA uma atitude. muitos estão sufocados e não se manifestam por não ter meios.

Anônimo disse...

No país das imposturas valores como integridade, moral e CORAGEM estão escassos. Parabéns Coronel!

Anônimo disse...

O povo bovino e imbecil se diverte c/ novela e BBB. Enquanto isso o pais resvala pro esgoto economico e moral.

Nao existe lideranca pra reagir a tudo isso?

RONALDO TENÓRIO disse...

Parabéns Coronel Paulo Ricardo da Rocha Paiva, pelo seu abalizado comentário, nos dando um parecer didático da fala daquele que deveria se colocar mais perto dos seus comandados. Precisamos de homens de atitude, para mostrar aos nossos Comandantes, os enganos que eles estão cometendo ficando longe da sua tropa da ativa e da reserva. Deixe-me dizer: CALAR NÃO É COMANDAR, CALAR É CONCORDAR COM OS DESMANDOS DO PODER REVANCHISTA. Abços

Julio Afonso disse...

Parabéns Coronel !
Em pé e a ordem !

Anônimo disse...

Saudações Militares...
Se alguém deve ser punido, preso e ter os direitos políticos cassados, são os PTralhas, já condenados, desmascarados, frente ao maior escândalo jamais visto, na República Brasileira!!! Temos 02 políticos, neste contexto, que se enquadram!!!
Ao Coronel Inf.ROCHA PAIVA, só nos resta apoiá-lo incondicionalmente! Tem a fibra de herói, pensa e convive com os problemas criados!!! Fica evidente, que se punido, o que é um absurdo, pois, é um Cidadão acima de qualquer suspeita, e diz aquilo que precisar ser dito!!! Por estar na Reserva, fala como qualquer cidadão! BRASIL, ACIMA DE TUDO !!!

Anônimo disse...

AO VERMOS OS VALORES DA CONSTITUIÇÃO SENDO MOLDADO AO BEL PRAZER DE POLITICOS SEM HONRAS, COMPROMISSO OU SERVIDORES DO SOLO BRASILEIRO,FAZENDO QUE NOSSA PATRIA SEJA DESPOJADA DE SUA DESCÊNCIA, SÕ NOS RESTA TRAZER A DIGNIDADE DE VOLTA AO BRASIL ...DOS FILHOS TEUS PATRIA AMADA BRASIL... A LUTA.

Anônimo disse...

Parabéns, Cel. Rocha Paiva! Disse o que tinha que ser dito!

Suas palavras revelam sua fibra de verdadeiro militar: fazer o que tem que ser feito, dizer o que tem que ser dito, liderar pelo exemplo!

Unknown disse...

Parabéns Coronel, tem nosso apoio que sirva de exemplo a ser seguido pelo restante de seus companheiros para fazer valer nossa Constituição.

Anônimo disse...

Para isso, o Exército transforma-se – novos materiais, nova doutrina, novas capacidades –, ganha maior estatura dissuasória, prepara-se para atuar em ambiente de elevado grau de incerteza,

Nova doutrina?????

Fala sério, o Brasil tá fervendo e um texto desse nessa hora deveria botar os autores do caos nacional de barbas de molho e mostrar claramente que tem quem os esteja vigiaqndo mas não, tranquilizador para a petralhada e aterrador para os cidadãos, acabou, as forças já são do pt, já era, fim, the end, que sacanagem...

Anônimo disse...

Por quê o Comandante do Exército não aproveitou e chamou-a logo de COMANDANTA SUPREMA.
Uma Ordem do Dia pusilânime, de fraco conteúdo.

Anônimo disse...

Por partes:
1. Os irmãos Rocha Paiva são, ambos, igualmente patriotas, inteligentes e corajosos, mas são personalidades diferentes.
2. Quando qualquer um de nós se pronuncia, sabe que, mesmo na reserva, há limites claramente definidos que não podem ser ultrapassados e se o forem, conscientemente ou não, nos sujeitamos, com honra, ao velho RDE.
3. Hoje, para que uma punição seja aplicada, é necessário ficar provada a culpa e assegurada ampla defesa ao suposto transgressor.
4. O General Enzo é um chefe honrado e não se pode duvidar da sua boa fé na tomada de decisões. Mas se um dos fatores da decisão, pouco estudado nas escolas, é a personalidade do chefe, há que respeitar a sua.
5. Minha opinião sobre a Ordem do Dia? Aceitável, com duas restrições.

Anônimo disse...

Prezados, há muito não há liderança representando as FFAA. Os poucos que deveriam exerce-la, estão ofuscados, deslumbrados com o neon dos cargos e outras benesses oferecidas em troca.

Anônimo disse...

Estou com o Coronel. Parabéns! Ainda existem militares esclarecidos e sem medo destes soviéticos.

Anônimo disse...

25 mil militares brasileiros, fazendo o papel de policiais.

"Brasil usará 25 mil militares em ação inédita em fronteiras"

http://amazonia.org.br/2013/04/brasil-usar%c3%a1-25-mil-militares-em-a%c3%a7%c3%a3o-in%c3%a9dita-em-fronteiras/

Anônimo disse...

Militarismo já!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Enviei comentário parabenizando o Cel. Rocha Paiva e não foi publicado. Era muito longo para repeti-lo agora, então vou ficar no essencial: Parabéns Coronel Rocha Paiva! Disse o que tinha que ser dito e honrou as tradições do EB ao liderar pelo seu exemplo.
Parabéns, Coronel!

Rita de Cássia D'Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rita de Cássia D'Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rita de Cássia D'Oliveira disse...

Parabéns, Coronel! O senhor vem de uma época onde as FFAA formavam militares "de verdade", homens patriotas que honravam com orgulho seus juramentos à bandeira brasileira. Nossas FFAA não podem jamais se curvar para o que está errado e muito menos compactuar com isso. Estamos cansados da atual política brasileira e desse desgoverno que está destruindo o nosso Brasil. As FFAA têm por obrigação zelar pela democracia e pela constituição brasileira que está sendo jogada no vaso sanitário por esse governo comunista disfarçado de democracia. Nossa esperança, são que militares dignos como o senhor venham a tomar uma atitude para salvar nosso país dessa destruição moral e dessa ditadura comunista que está no poder. Muito bem! Com orgulho e respeito - Rita D'Oliveira

Anônimo disse...

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil...
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo varonil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

eu postei o Hino da Independência como uma homenagem ao Cel pela coragem de dizer a verdade. PARABÉNS CEL! HOJE NO BRASIL, QUEM FALA A VERDADE É PERSEGUIDO. CONHEÇO ISTO DE COR E SALTEADO.

Anônimo disse...

Parabéns Coronel. Seus comentários realmente demonstram o caminho que seguem os governantes atuais (ou será governantA atual)
As FFAA sendo bovinamente desmanteladas, até não mais poderem defender a Pátria de inimigos internos e externos, até nem mais poderem se manter em unidade.

Anônimo disse...

Cel, já te passou pela cabeça que estas palavras podem sido colocadas na boca do Gal Enzo? eles estão com o poder na mão e morrem de medo de outro acontecimento daquele de 64. se tiver que ir pra cima, tem que ir de uma vez, senão fica sendo perseguido.

Anônimo disse...

o maior erro do país foi dar anistia aos que hoje querem se perpetuar no poder a qualquer custo. Mas nada dura para sempre, o dia deles também chegará e cabeças rolarão.

Waszak disse...

Parabéns Cel Rocha Paiva.
Já chegou a hora de se tomar providências, pois o Cmdo está subserviente.
Waszak

Ivan alves disse...

Não só o CEl. Rocha Paiva, mas todo e qualquer militar ou não, homem ou mulher, que reagirem a esta corja vermelha merecem nosso apoio e solidariedade. Lamento a demora de uma reação efetive que dê um basta nas Ações destes comunistas.

Anônimo disse...

parabéns meu sempre e grande chefe ! o Brasil está precisando de Homens como o SR: corajoso e de ilibado caráter !

Ivan Leal disse...

Cel.Rocha Paiva, além de parabenizado por todos os(as) brasileiros(as), pela atitude correta e inabalável, o SNR. deve assumir o comando e liderança da grande parcela de brasileiros(as) descontentíssimos(as) com o rumo que
o País toma em direção ao abismo e a irreponsabilidade, pelas mãos sujas e traidoras da manada que deforma o País. Use a estratégia e a logística, enquanto NÃO FOR
TARDE DEMAIS.

Carlos José Saboia Dantas disse...

O Comandante do Exército aprendeu rápido com a PTralhada. Está chamando até a Vana Roussef de "Presidenta", assassinando o Português, juntamente com as tradições do EB, em troca das benesses do cargo. Que falta fazem os Generais de outrora... Parabéns pela pertinência dos comentário e pela coragem Coronel Rocha Paiva!

Carlos José Saboia Dantas disse...

O Comandante do Exército aprendeu rápido com a PTralhada. Está chamando até a Vana Roussef de "Presidenta", assassinando o Português, juntamente com as tradições do EB, em troca das benesses do cargo. Que falta fazem os Generais de outrora... Parabéns Coronel Rocha Paiva pelos comentários pertinentes e coragem!

Anônimo disse...

todo brasileiro que vive com honra e dignidade, que tenho certeza, é a maioria, não tem nada contra os governos militares. quem somente despreza esses governos é quem gosta de viver às margens da lei. QUEM NÃO ACEITA REGRA, DISCIPLINA. QUEM NÃO RESPEITA AS LEIS.
QUE SE ACHAM DONOS DO BRASIL E QUEREM IMPOR REGIME DE ESCRAVIDÃO.

parabéns cel, o povo brasileiro precisa muito da sua liderança.

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá... temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

BRASIL ACIMA DE TUDO!

Carlos Alvarenga disse...

Parabéns Cel. Rocha Paiva pelas palavras, o silêncio constrangedor da maioria em apoio aos desmandos governistas é triste e desanimador, precisamos reagir, proteger e defender o passado, o presente e o futuro da nossa Pátria Amada, nosso povo, nossa democracia, nosso espírito republicano e o nosso Glorioso Exército Brasileiro. BRASIL e INFANTARIA SEMPRE JUNTOS.

JORGE EDUARDO disse...

Uma Pergunta O Governo do PT, também revogou a Lei que ampara a liberdade de expressão aos Militares da Reserva???

Anônimo disse...

Então, senhor General Enzo Peri, falas de um passado cheio de lutas e glórias??? Pena que o senhor não tem honrado este passado, o senhor não tem honrado os generais Castelo Branco, Médici, Geisel e outros!! Ainda, pisoteia em cima do povo brasileiro se referindo àquela terrorista, chamando-a de presidentAA!!! Sabemos que lugar ela ocupa neste país, no entanto, o senhor não precisa nos lembrar desta vergonha. Esta mulher está aviltando nossos honrosos Generais, através, da Comissão da Mentira e o senhor nada faz, a não ser enfiar a cabeça no buraco.

Anônimo disse...

Parabens coronel, só que o povo é povo não fica sabendo, são ovelhas. infelism,ente homens como o Sr estar em extinção

Guilherme Gonzaga disse...

Mas quantos anônimos... Se não dermos a cara a tapa como vamos apoiar este colega? Força companheiro, estamos contigo.
Guilherme Gonzaga
CMG (FN) na reserva desde 2000

Jose Conegundes disse...

JCN do Reservativa
O que tinha de ser dito, já o foi pelo coronel Rocha Paiva.
Data vênia, só nos resta assinar em baixo como fizemos com o Manifesto dos Clubes Militares e para tal conclamamos os milhares de militares que o assinaram.

Wagner miranda disse...

Cel. As FFAA vivem seu grande momento de ostracismo , nao existem lideres que motivem a tropa a resistir contra a serie de desmandos que este governo que ai esta vem cometendo contra a nacao, alguem tem que assumir este local de destaque e empurrar todos para as trincheiras da resistencia, devem todos os que enxegam a situcao do pais apoiar vossas consideracoes. Este e o momente para saber se o Brasil sera um pais democratico ou se transformara em uma grande Venezuela.

otoniel amaral de mattoss disse...

O meu pai, militar de extremo amor pelo Exercito Brasileiro, onde serviu por mais de 34 anos, quando em vida, sempre me dizia: a forja altaneira está em nós brasileiros que honramos a farda que vestimos. Alguns, usam-na para encobrir seus desvirtuados pensamentos e sentimentos. Homens como o Sr., Coronel é que dignificam a elevam o nosso EB, parabens e que se existe injustiça, seja ela feita nos bravos guerreiros, como o senhor. Parabéns pela coragem de escrever e dizer frases que nenhum outro nacional teve coragem. E não se escondem no anonimato.

LUIZ ROBERTO BRANDÃO PIRES disse...

ASSINO EMBAIXO OS COMENTÁRIOS FEITOS PELO CEL. PAULO RICARDO ROCHA PAIVA NA ORDEM DO DIA 19/04/2013 DO GAL. ENZO - DIA DO EXÉRCITO -

ACORDEM COMANDANTES!

Antonio disse...

Brasil acima de tudo! Caro Coronel , meus sinceros respeito e Admiração por se manifestar com tanta clareza e nobreza militar, me sinto representado, Abraços Ten Antonio Pereira Lopes

leovaldo joares brum disse...

Esse civil,que diz comandar nos Militares,deve estar VERDE de raiva.

Anônimo disse...

RESERVA ENCOURAÇADA TRANSMITE APREENSÕES AO COMANDO MILITAR DO SUL
O teor dos temores e receios foi exposto pelo Coronel Paulo Ricardo da Rocha Paiva, que iniciou enfatizando os seguintes considerandos:
_que o dilema -lealdade X disciplina- é desafio que se apresenta em situações extremas na carreira dos profissionais das armas, particularmente aos que galgam os mais altos escalões de comando e chefia;
_que esse dilema desaparece quando silêncio e omissão contribuírem para causar um dano insuportável à Nação e à Instituição, estas sim, e nesta ordem, credoras de sua lealdade;
_que em passado não muito distante, a lealdade à Nação evidenciava disciplina em seu grau mais elevado, considerados missão constitucional das FA e juramento do militar à Bandeira;
_que a crítica _ “na reserva, o militar fica inteligente e valente”- nem sempre é cabível, primeiro, porque é legal sua livre manifestação sobre assuntos de interesse geral, inclusive os militares; segundo, porque antes de generalizar a crítica, convém lembrar, muitos passaram à reserva justamente por terem primado sempre pela franqueza e coragem moral;
_que a liderança pressupõe a submissão total à consciência, juíza perene da existência, e não aos cargos e funções, de passagem eminentemente efêmera.
Em seguida o militar, que não questionou nem interrogou durante a sua fala, solicitou que fossem levadas, a quem de direito, as inquietações elencadas no seguimento:
*a evolução acelerada de um separatismo indígena, fomentado por interesses/pressões internacionais, comprometendo a soberania e posse de grande parte do nosso patrimônio em benefício da «comunidade mundial” (leia-se Conselho de Segurança da ONU);
*a proposição do PNDH3, de ratificação da Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, reconhecendo a existência de 608 «nações indígenas» dentro da Nação brasileira;
*a ação deletéria da CN”M”V, que ESCRACHA companheiros de reconhecido valor no esforço de guerra ao terror dos anos 60/70, serviço relevante que permitiu a muitos, inclusive a ele, ser poupado da luta sem quartel, para dedicar-se inteiramente à instrução na tropa;
*a indigência atual da Força Terrestre, sem que se exija reverter nossa situação caótica pela participação maior no PIB, haja vista os seguidos cortes nos recursos e o temerário prazo a perder de vista na implantação de vitais projetos estratégicos de defesa;
*o permanente aviltamento do nível salarial nos soldos, inclusive dos oficiais-generais, se comparado com os da “politicalha quadrilheira” homiziada na governança e no parlamento;
*o processo continuado de gendarmerização de nossos efetivos, preconizado pelo “Consenso de Waschington”, preterindo as marciais manobras de grande comando pelo papel de guarda nacional em operações eminentemente policialescas;
*o movimento subversivo, de quinta-coluna, poderoso nos três poderes da República e em refugos da sociedade para romper o compromisso com as nossas tradições e princípios basilares do dever e honra militares;
*a versão dos nossos verdadeiros inimigos de que o resfolegar de um «nefasto exército de ontem» está dando lugar ao «exército politicamente correto de hoje».

Paulo Ricardo da Rocha Paiva
Coronel de Infantaria e Estado-Maior
RESERVA ENCOURAÇADA
Santa Maria/RS

Anônimo disse...

RESERVA ENCOURAÇADA TRANSMITE APREENSÕES AO COMANDO MILITAR DO SUL
O teor dos temores e receios foi exposto pelo Coronel Paulo Ricardo da Rocha Paiva, que iniciou enfatizando os seguintes considerandos:
_que o dilema -lealdade X disciplina- é desafio que se apresenta em situações extremas na carreira dos profissionais das armas, particularmente aos que galgam os mais altos escalões de comando e chefia;
_que esse dilema desaparece quando silêncio e omissão contribuírem para causar um dano insuportável à Nação e à Instituição, estas sim, e nesta ordem, credoras de sua lealdade;
_que em passado não muito distante, a lealdade à Nação evidenciava disciplina em seu grau mais elevado, considerados missão constitucional das FA e juramento do militar à Bandeira;
_que a crítica _ “na reserva, o militar fica inteligente e valente”- nem sempre é cabível, primeiro, porque é legal sua livre manifestação sobre assuntos de interesse geral, inclusive os militares; segundo, porque antes de generalizar a crítica, convém lembrar, muitos passaram à reserva justamente por terem primado sempre pela franqueza e coragem moral;
_que a liderança pressupõe a submissão total à consciência, juíza perene da existência, e não aos cargos e funções, de passagem eminentemente efêmera.
Em seguida o militar, que não questionou nem interrogou durante a sua fala, solicitou que fossem levadas, a quem de direito, as inquietações elencadas no seguimento:
*a evolução acelerada de um separatismo indígena, fomentado por interesses/pressões internacionais, comprometendo a soberania e posse de grande parte do nosso patrimônio em benefício da «comunidade mundial” (leia-se Conselho de Segurança da ONU);
*a proposição do PNDH3, de ratificação da Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, reconhecendo a existência de 608 «nações indígenas» dentro da Nação brasileira;
*a ação deletéria da CN”M”V, que ESCRACHA companheiros de reconhecido valor no esforço de guerra ao terror dos anos 60/70, serviço relevante que permitiu a muitos, inclusive a ele, ser poupado da luta sem quartel, para dedicar-se inteiramente à instrução na tropa;
*a indigência atual da Força Terrestre, sem que se exija reverter nossa situação caótica pela participação maior no PIB, haja vista os seguidos cortes nos recursos e o temerário prazo a perder de vista na implantação de vitais projetos estratégicos de defesa;
*o permanente aviltamento do nível salarial nos soldos, inclusive dos oficiais-generais, se comparado com os da “politicalha quadrilheira” homiziada na governança e no parlamento;
*o processo continuado de gendarmerização de nossos efetivos, preconizado pelo “Consenso de Waschington”, preterindo as marciais manobras de grande comando pelo papel de guarda nacional em operações eminentemente policialescas;
*o movimento subversivo, de quinta-coluna, poderoso nos três poderes da República e em refugos da sociedade para romper o compromisso com as nossas tradições e princípios basilares do dever e honra militares;
*a versão dos nossos verdadeiros inimigos de que o resfolegar de um «nefasto exército de ontem» está dando lugar ao «exército politicamente correto de hoje».

Paulo Ricardo da Rocha Paiva
Coronel de Infantaria
e Estado-Maior
RESERVA ENCOURAÇADA
Santa Maria/RS