sexta-feira, 10 de maio de 2013

Carta aberta ao Ministro da Saúde: Médicos cubanos, não!


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Humberto de Luna Freire Filho

Sr. ministro da saúde da República Bolivariana do Brasil! Há uma semana a imprensa nacional anunciou que o seu governo vai contratar um exército de 6.000 "médicos" lá do museu de Fidel Castro. Inicialmente pensei tratar-se de uma piada de mau gosto mas, infelizmente, trata-se de uma verdade imoral como tudo parido por esse governo, porém real.

Na condição de médico e cidadão brasileiro, contribuinte e pagador de seu alto salário, tenho o direito constitucional de lhe exigir uma explicação técnica para tamanha aberração. Queremos uma explicação que não envolva ideologia e muito menos incompetência ou pragmatismo. Queremos a verdade absoluta e não a verdade do valor prático em função dessa política suja, que é a tônica desse governo do qual o Sr. faz parte. Saiba que a tolerância da sociedade organizada, após ver nos atuais homens públicos tamanha falta de caráter, está próxima do limite 

A falta de ética e de moral somadas à incompetência administrativa reinante no país atingiu nível intolerável. A sociedade exige respeito aos regulamentos e às leis. Nós não somos a Venezuela, não somos a Bolívia, não somos o Equador, não somos Cuba e os senhores, inclua-se aí o desmoralizado Itamaraty, não conseguirão transformar o Brasil em nenhum desses chiqueiros.

Aproveito a oportunidade para solicitar do Conselho Federal de Medicina e dos Conselhos Regionais que comuniquem individualmente, através de mala direta, a todos os seus membros inscritos, uma posição oficial que esperamos seja de repúdio a essa imposição do Foro de São Paulo, organização essa que tem como orador assíduo nosso “venerável” ministro da Justiça. Uma excrescência criada pelo exu de Garanhuns e a múmia do Caribe com a finalidade de articular a comunização do continente latino-americano.

E agora um segredo, só para os dirigentes dos nossos órgãos de classe. Que ninguém ouça: Cuba, na miséria quase que absoluta, com uma população menor do que a da cidade de São Paulo, não produziria médicos em série a ponto de exportar em menos de dois anos 1 mil para a Venezuela e 6 mil para o Brasil.

Para refrescar a memória dos mais antigos e para os que desconhecem, segue um fato relevante no atual contexto: o Chile no governo de Salvador Allende também importou "médicos" da ilha, porém eles não usavam bisturi, usavam rifles.
    
Humberto de Luna Freire Filho é Médico - CREMESP  35.196 - CREMERJ 26.078

16 comentários:

Carlo Germani disse...

Prezado Doutor,excelente questionamento e denúncia sobre a
proposta do Governo do Crime Organizado de "importar" 6 mil pseudos-médicos (na verdade agentes de saúde)ao Brasil.
PS-Não posso esquecer de lhe solicitar que interpele o Conselho Federal de Medicina,sobre outra aberração:a proposta de descriminalizar o aborto até 12 semanas.Isto sendo realidade,além de transformar o CFM em Conselho Federal da Morte,estará definitivamente configurado a vassalagem do Brasil ao projeto satânico e insano da Nova Ordem Mundial,onde o aborto,junto a agenda gay,pedofilia,prostituição,
controle mental através da "educação",fim da família,
liberação das drogas,fim da moral e das tradições,(...)são as metas principais.

Anônimo disse...

(Cubanos 1): Médicos na pretensa forma, leia-se, grande parte agentes do G2 (serviço secreto cubano), que irão promover a desestabilização social dos grotões, além de catequizarem os gentis para que votem no PT. Esta foi a ponta de lança da invasão cubana na Venezuela, hoje francamente seu país satélite, e o mesmo ocorrerá no Brasil se não for impedido. O Conselho Federal de Medicina manifestou-se publicamente contra esse desatino, e o fez apontando a necessidade de validação do diploma, adotando escorreito discurso político (http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/conselho-federal-de-medicina-condena-chegada-de-medicos-cuba e http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23780:cfm-faz-criticas-severas-a-importacao-de-medicos-sem-revalidacao-de-diploma&catid=3).
Há, porém, restrição de matriz constitucional e mesmo legal.
A CF prevê que o acesso de estrangeiros a cargos, empregos e funções públicas (permanentes ou temporárias, a norma não excepciona) se dará na forma da lei. Não regulamentada a matéria constitucional, não há qualquer possibilidade de contratação de estrangeiros para função pública temporária, ressalvada a hipótese de professor universitário, técnico e cientistas, por expressa previsão constitucional (art. 207), também remetida a forma da lei.

Anônimo disse...

(Cubanos 02): Neste caso em especial, há lei específica permitindo a contratação (art. 1º, da Lei 9515/97, que deu nova redação ao artigo 5º, da Lei 8.112/90). Também o artigo 2º, V, da Lei 8.745/93 permite a contratação temporária de professores e pesquisadores estrangeiros.
Este o impediente constitucional.
Há mais. A lei 8.745/93, que dispõe sobre contratação temporária, prevê que a regra se dá mediante processo seletivo (art. 3º). A limitação do certame de seleção a um grupo de nacionais (cubanos), ofende ao princípio da universalidade de certame público, além de violar ao princípio constitucional da igualdade.
Fato que tal lei permite, de forma excepcional, a contratação sem processo seletivo na seguinte hipótese: “A contratação para atender às necessidades decorrentes de calamidade pública, de emergência ambiental e de emergências em saúde pública prescindirá de processo seletivo” (art. 3º, § 1º). Porém o fato alegado para justificar a contratação, falta de médico em áreas remotas do País, é situação de cronicidade, que revela má gestão da política de saúde pública do governo federal, apontando-se, ainda, que o atual partido governa o País há dezanos. O que não fez em dez anos não justifica alegar situação emergencial. Justificaria tão somente a contratação emergencial hipóteses extraordinárias, como calamidades naturais, contaminação difusa ou guerra. Demais disso, a prestação de saúde pública, dever do Estado por expressa disposição constitucional, é função própria e permanente do Estado, o que não permite contratação temporária (ressalvada situações emergenciais), premida pela excepcionalidade e que exige que o recrutamento se dê para situações tópicas e peculiares, e não para as funções ordinárias e permanentes. No mais, dois alertas, de cunho político. A contratação de médicos cubanos pela Venezuela foi onerosa. 11,2 mil dólares por médico, que recebiam apenas 230 dólares. Evidente que o pagamento expressivo a um estado transnacional, com o aviltamento do salário pago ao contratado implica em situação de analogia á escravidão pela exorbitante mais valia ao salário do contratado (http://coturnonoturno.blogspot.com.br/2013/05/nao-vamos-permitir-que-o-brasil-importe.html). Noutra banda, a contratação alvitrada, ou, o seu pagamento, estariam sob o manto do sigilo dos negócios com Cuba, decretado ao arrepio da Constituição pelo Mmin. Fernando Pimentel (http://www1.folha.uol.com.br/poder/1259471-brasil-coloca-sob-sigilo-apoio-financeiro-a-cuba-e-a-angola.shtml) ?Por fim, a contratação mencionada, se vingar, será ao arrepio da constituição e da lei, a implicar em ato de improbidade administrativa (artigo 11, da Lei 8.429/92), afora, em tese – ainda que o seu julgamento seja meramente político - em crime de responsabilidade, seja se decorrente diretamente de ato da Presidente da República, seja em sua omissão acaso praticado o ato por seus subordinados (arts. 4o, V, e 9o, 3, 4 e 5, da Lei 1.079/50).

Anônimo disse...

Tânia SP
Dr. Humberto, parabéns por este texto (aliás todos), o sr exprime exatamente a vontade de milhões de brasileiros em seus artigos. Fala c/ inteligência e sabedoria,leio todos.
A sua indignação é a minha tbm, tenha certeza disso.
Parabéns mais uma vez, o sr nos engrandece c/ s/ textos.
Deu pra perceber q sou uma grande admiradora...rsrsrsrs, é claro!

Romildo Bomfim disse...

Prezado doutor, há partes lamentáveis nos seus questionamentos. De fato, há que haver obrigatoriamente algum critério de entrada de médicos ou quaisquer outros profissionais de saúde no País. Pelo noticiado, o CFM(nesta matéria) está atento a isso e reagindo a mais esse ataque do governo federal. Nisso estamos de acordo. Por outro lado, há que se ter a mesma veemência e dureza no discurso quando, esse mesmo governo, intenciona(e está conseguindo já em muitos locais do Brasil)PRIVATIZAR a SAÚDE PÚBLICA brasileira. OSS, Fundações de Direito Privado, OSCIPs, EBSERH RIOSAÚDE, esta última irmã siamesa da penúltima. Todas com um único propósito: entregar a saúde pública ao famigerado setor privado. E nessas questões, salvo algumas medidas, o CFM está inadimplente com a população, com a CM. Tomemos muito cuidado, pois se o corporativismo(que condeno)está em questão, nem isso se está fazendo bem. A visão, a crítica, há que ser mais ampla, longitudinal. Abs. Romildo Bomfim/UFRJ

Unknown disse...

Considero ser uma atitude humanística por parte dos "doutores" do Brasil,uma vez que todos consideramos a vida o bem mais precioso, e em especial os digníssimos comprometidos com Hipócrates, que ,ao contrário do fel a escorrer pelos cantos de suas versadas bocas , por que simplesmente não se colocam à disposição do Estado para salvar vidas ???? lá nos grotões, nas entranhas de um Brasil,por onde,tenho certeza os "digníssimos jamais passaram.
Assim,quem sabe O Brasil consiga ter os mesmos índices de mortalidade infantil que esse "Chiqueiro" tem.

Após 54 anos de revolução e quase 53 de embargo, o índice de mortalidade infantil cubano é melhor que o de países como os Estados Unidos, Canadá e Brasil.

Unknown disse...

Gostaria de sugerir que os digníssimos "doutores" do Brasil colocassem seus préstimos a serviço do Estado para salvar vidas. Não as vidas rentáveis dos grandes centros mas aquelas lá dos grotões por onde tenho certeza,os dignímos jamais passaram. Se a vida,qualquer que seja ela, é um bem sagrado,precioso aos olhos de todos nós,quão sagrada então deve ser a vida aos olhos dos comprometidos com Hipócrates???? Fica aqui minha sugestão e caso seja aceita,quem sabe o Brasil consiga equiparar num futuro próximo os índices de mortalidade infaltil ao exibido por esse "chiqueiro"

http://carosamigos.terra.com.br/index/index.php/politica/cuba-sem-bloqueio/2951-isto-tambem-e-direitos-humanos

Unknown disse...

Gostaria de sugerir que os digníssimos "doutores" do Brasil colocassem seus préstimos a serviço do Estado para salvar vidas. Não as vidas rentáveis dos grandes centros mas aquelas lá dos grotões por onde tenho certeza,os dignímos jamais passaram. Se a vida,qualquer que seja ela, é um bem sagrado,precioso aos olhos de todos nós,quão sagrada então deve ser a vida aos olhos dos comprometidos com Hipócrates???? Fica aqui minha sugestão e caso seja aceita,quem sabe o Brasil consiga equiparar num futuro próximo os índices de mortalidade infaltil ao exibido por esse "chiqueiro"

http://carosamigos.terra.com.br/index/index.php/politica/cuba-sem-bloqueio/2951-isto-tambem-e-direitos-humanos

Unknown disse...

Gostaria de sugerir que os digníssimos "doutores" do Brasil colocassem seus préstimos a serviço do Estado para salvar vidas. Não as vidas rentáveis dos grandes centros mas aquelas lá dos grotões por onde tenho certeza,os dignímos jamais passaram. Se a vida,qualquer que seja ela, é um bem sagrado,precioso aos olhos de todos nós,quão sagrada então deve ser a vida aos olhos dos comprometidos com Hipócrates???? Fica aqui minha sugestão e caso seja aceita,quem sabe o Brasil consiga equiparar num futuro próximo os índices de mortalidade infaltil ao exibido por esse "chiqueiro"

http://carosamigos.terra.com.br/index/index.php/politica/cuba-sem-bloqueio/2951-isto-tambem-e-direitos-humanos

Anônimo disse...

Gostaria de sugerir que os digníssimos "doutores" do Brasil colocassem seus préstimos a serviço do Estado para salvar vidas. Não as vidas rentáveis dos grandes centros mas aquelas lá dos grotões por onde tenho certeza,os dignímos jamais passaram. Se a vida,qualquer que seja ela, é um bem sagrado,precioso aos olhos de todos nós,quão sagrada então deve ser a vida aos olhos dos comprometidos com Hipócrates???? Fica aqui minha sugestão e caso seja aceita,quem sabe o Brasil consiga equiparar num futuro próximo os índices de mortalidade infaltil ao exibido por esse "chiqueiro"

http://carosamigos.terra.com.br/index/index.php/politica/cuba-sem-bloqueio/2951-isto-tambem-e-direitos-humanos

Unknown disse...

Gostaria de sugerir que os digníssimos "doutores" do Brasil colocassem seus préstimos a serviço do Estado para salvar vidas. Não as vidas rentáveis dos grandes centros mas aquelas lá dos grotões por onde tenho certeza,os dignímos jamais passaram. Se a vida,qualquer que seja ela, é um bem sagrado,precioso aos olhos de todos nós,quão sagrada então deve ser a vida aos olhos dos comprometidos com Hipócrates???? Fica aqui minha sugestão e caso seja aceita,quem sabe o Brasil consiga equiparar num futuro próximo os índices de mortalidade infaltil ao exibido por esse "chiqueiro"

http://carosamigos.terra.com.br/index/index.php/politica/cuba-sem-bloqueio/2951-isto-tambem-e-direitos-humanos

Anônimo disse...

Sejam Bem vindos os ¨ MÉDICOS CUBANOS", juntem se a milhares de brasileiros que trabalhar e honram o suor de suas camisas. Aqui o CFM e os CRM só querem ganhar, explorar as entidades, e o pais sobre o pretexto de trabalhares com vidas...e os Enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, etc... também não trabalham? e não ficam se lastimando por ai...é um absurdo o que a classe médica ganha no país e com esta "força" que tem querem deixar a sociedade amedrontada, fragilizada, sem assistência.

Anônimo disse...

Parabéns, excelentíssima Presidenta pela coragem em enfrentar de peito Aberto esta classe onde em sua maioria são de pessoas Capitalistas, gananciosas, ambiciosas e exploradoras. Sejam Bem vindos os ¨ MÉDICOS CUBANOS", juntem se a milhares de brasileiros que trabalhar e honram o suor de suas camisas. Aqui o CFM e os CRM só querem ganhar, explorar as entidades, e o pais sobre o pretexto de trabalhares com vidas...e os Enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, etc... também não trabalham? e não ficam se lastimando por ai...é um absurdo o que a classe médica ganha no país e com esta "força" que tem querem deixar a sociedade amedrontada, fragilizada, sem assistência. Não são com palavras persuasivas que a classe médica do nosso país vão conseguir respeito, ou amedrontando a sociedade. Sejam bem vindos Discípulos de Hipócrates e façam valer seu juramento " Se eu cumprir este juramento com fidelidade, que me seja dado gozar felizmente da vida e da minha profissão, honrado para sempre entre os homens; se eu dele me afastar ou infringir, o contrário aconteça." E que vocês sejam os primeiros de muitos outros que virão. Se juntem ao povo brasileiros Cubanos e sejam nossos irmãos pois patriotismo é servir e não ser servido.

Anônimo disse...

Esses "médicos" cubanos são mais comparáveis a curandeiros. já que parte do currículo escolar é direcionada à ideologia comunista. Basta lembrar que Hugo Chavez foi tratado lá e foi mandado para o inferno , os médicos venezuelanos relegados a meros Pajés. Brasileiro que vai estudar em Cuba é porque não teve competência para ser aprovado em vestibulares

Anônimo disse...

Outros artigos sobre a possível importação de agentes cubanos:

Não à contratação dos 6 mil médicos cubanos
José Gobbo Ferreira
http://www.alertatotal.net/2013/05/nao-contratacao-dos-6-mil-medicos.html

Vergonha: Brasil vai contratar 6 mil agentes cubanos para pregar para brasileiros pobres
Julio Severo
http://juliosevero.blogspot.com.br/2013/05/vergonha-brasil-vai-contratar-6-mil.html

Anônimo disse...

Na Bolívia vendem diploma de medicina para brasileiros. A venda é feita por algumas universidades.
Por ex. A UNITEPC em Cochabamba/Bolivía vende por 4.000 reais o histórico escolar e o diploma. Depois é só convalidar no Brasil, inclusive não é exigido por lei que se passe na prova de revalidação. Por ex. na Universidade Federal de Medicina de Natal/RN mesmo reprovando na prova os pseudos médicos tem direito de revalidar o diploma e o histórico escolar. Na UNITEPC de Cochabamba/Bolívia esses diplomas comprados ficam em um "Registro Paralelo" e quando consultados para constatar a veracidade dos documentos os funcionários vendedores de diplomas, confirmam a veracidade como se fossem verdadeiros. Há que se fazer uma investigação para desmacarar muitos "médicos" que atuam no Brasil com diplomas comprados na Bolívia