quarta-feira, 22 de maio de 2013

Queimar Dentista ou Chutar Cachorro? – A Imprensa do Brasil


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Milton Pires

A resposta para a pergunta do texto é – claro que nenhum dos dois, “né Bial”?? Mas como provocação inicial ajuda a despertar o interesse das pessoas.

Cinthya Magaly Moutinho de Souza, 47 anos, dentista, foi queimada viva em seu consultório, em São Bernardo do Campo, na região do ABC Paulista, no último dia 25 de abril. Dias depois começou a circular nesta grande lata de lixo virtual chamada Facebook o vídeo de uma doente mental espancando um filhote de poodle aqui em Porto Alegre.

Respondam com toda sinceridade – qual das duas notícias causou maior “repercussão” (seja lá o que isso queira dizer) na mídia nacional? Por favor não argumentem que a primeira foi o relato de algo que já havia acontecido e que a segunda foi uma barbaridade gravada e transmitida quase “em tempo real”

Há tempo venho afirmando, ainda que para desgosto de vários jornalistas sérios que existem no país, que QUASE TODA imprensa brasileira está pautada por uma “agenda politicamente correta”. Eu não  seria tolo a ponto de afirmar que “Facebook” é  jornalismo verdadeiro . Para ser sincero não sei nem como definir essa coisa – para mim não passa de Big Brother Brasil levado a internet – mas tudo bem; essa porcaria de rede social não é o assunto do texto.

Por outro lado seria muita ingenuidade pensar que a repercussão que aquela maldade com o cachorro teve nela não influenciou (e muito) os grandes jornais. Insisto, e não vou mudar de idéia, que todos os crimes assim o são definidos por que estão previstos em lei mas (e aí o objetivo do artigo) vivemos numa época em que alguns deles são mais abomináveis do que outros.

Afirmo  haver sido criada uma agenda politicamente correta para nos sentirmos chocados. Uma criança brasileira pobre morrendo num hospital imundo do Rio de Janeiro, só para dar um exemplo, não é tão “chocante” quanto um ciclista, seja lá de que classe social for, atropelado numa passeata de final de semana.

Um filhote de foca agonizando numa praia gaúcha é infinitamente “mais sério” do que fraude com a verba da merenda escolar. Um gay que levou uma surra na saída de uma balada em São Paulo pode levar o país “as lágrimas” enquanto um policial militar paraplégico após um tiroteio na Baixada Fluminense é esquecido em três dias.

Esse é o fenômeno que está acontecendo na sociedade e no jornalismo brasileiros! 
Gostaria de saber quando algum professor universitário vai ter tempo e disposição para escrever sobre isso de maneira mais séria que um simples médico aqui de Porto Alegre. Enquanto espero, vou continuar assistindo esse festival de “crimes do século XXI”, transmitidos pelas redes sociais, mudarem os nossos valores mais profundos sobre a gravidade que merece ser atribuída aquilo que nos apresentam.

Não tenho mais nenhuma dúvida alguma: quem queima pessoas, estupra e assalta no Brasil de 2013 ainda poderá ser considerado um “excluído social”. Alguém que “não teve educação” nessa “sociedade neoliberal” e pode até ter sua pena reduzida. Suas razões não se justificam, mas a filosofia do Facebook compreendê-las, né?

Para quem chuta cachorro, não! Esse é um criminoso irrecuperável! Deveria ser colocado em prisão de segurança máxima e esquecido lá para o resto da vida!

Pobre país que tem uma imprensa dessas..a imprensa do aquecimento global, dos ciclistas e do casamento gay..a imprensa dos médicos cubanos e das cotas raciais..a imprensa em que notícia sobre queimar uma pessoa é muito menos que grave que chutar um cachorro – a Imprensa do Brasil!

Milton Pires é Médico.

6 comentários:

Fake Verdadeiro disse...

Pelo fato do cãozinho ser irracional merece menos atenção e respeito? Ele não sente dor? Esse paizinho de merda precisa aprender a respeitar seus animais, não só cães, como todos os seres vivos. "A GRANDEZA DE UM PAÍS SE MEDE PELA MANEIRA QUE ELE TRATA SEUS ANIMAIS"

Anônimo disse...

Dr Milton Pires
Sou morador de Porto Alegre e gosto muito de animais, mas infelizmente nossa capital vive uma situação em que pessoas valorizam mais um cão, um gato ou seja lá o que for, tratando-os como gente, meu filho, enfim, um absurdo total. Gasta-se fortunas em Pets com esses bichinhos que ocuparam o lugar das pessoas. Aliás, sempre estiveram presentes, mas no seu devido lugar, nunca esquecendo que bicho é bicho, mas hoje, absurdos são encontrados o que me fez pegar uma verdadeira repulsa a esse tipo de gente. Grato

Fake Verdadeiro disse...

São pessoas como esse "Anônimo" que criam a cultura de que, por serem animais tratam-se de seres inferiores.
Essas criaturas só são valorizadas quando salvam uma criança, quando participam do resgate de pessoas em catástrofes, etc, etc, etc...Quando não estão nessa situação, são apenas "animais", ou seja, seres de "segunda classe".
"Deus, perdoai os ignorantes, eles não sabem o que dizem..."

Fake Verdadeiro disse...

Ao Dr. Milton Pires, só posso dizer que lamento muito seu modo de pensar. Por ter um curso superior, admito que deve ter uma boa cultura geral, uma pessoa com o intelecto desenvolvido, mas não parece ser isso o que ele demonstra. Uma pena.

Anônimo disse...

Dr Milton Pires

Somente não apanhou mais pois não colacaram seu e-mail neste post. Quero dizer que concordo integralmente com o Senhor. Pessoas são pessoas e animais são animais. Não sou contra animais, sou contra pessoas que acham que bicho é gente, não precisa maltratar, não precisa bater, mas humano bicho não é e ponto final. Tem muita pessoa que gostaria de ter uma vida de certos cachorros.

Anônimo disse...

Tânia SP
Dr. Milton, entendi e compreendi perfeitamente o s/ texto, quem não entendeu q o releia qtas vezes forem necessárias, simples assim...