sexta-feira, 21 de junho de 2013

O Verdadeiro Vandalismo

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Luiz Sérgio Silveira Costa

São revoltantes as cenas de vandalismo e destruição de bens públicos e de particulares, esses, muitos obtidos à custa de muito trabalho, sacrifícios e  renúncias.

Mas, muito pior e mais custoso do que isso é o vandalismo diário e institucional que o povo sofre com a corrupção, desfaçatez, desinteresse e exibicionismo de governantes e políticos. São os que sofrem perambulando de hospital em hospital para suplicar atendimento, geralmente negado, a si, seus filhos e parentes.

São os que são chutados e empurrados a cassetete para entrar em trens superlotados. São os que viram noites na rua para matricular seus filhos em colégios públicos, malcuidados e com professores desconsiderados e mal pagos. São os que se acotovelam em ônibus sujos, não fiscalizados e causadores de tragédias.

São os assaltados, estuprados, mortos e que têm a vida dilacerada por bandidos, geralmente menores, agasalhados por legislação utópica e ideológica, e Justiça leniente, que absorve com piedade agravos e embargos, dura e ágil somente para com as  suas benesses, como o indecente auxílio-alimentação. São os que sofrem com essa infraestrutura lamentável, apesar de o país ser a 6ª economia do mundo.

Somos todos os que sofremos com  essa corja política, de escândalos contumazes, os patrimonialistas, pilhadores do Estado, todos de famílias pobres, hoje riquíssimos, os Renan, Sarney, Barbalho,.... da vida... bandida.

Somos os que sofremos com o desrespeito de figuras abjetas, como Dirceu, a dizer “O PT não rouba e não deixa roubar” ou o “Estou cada vez mais convencido da minha inocência”. Somos os que sofremos com essa indecente associação de políticos e governantes com empresários, para mútua locupletação e desfile em restaurantes de luxo, de guardanapos na cabeça e madames de sapatos de solas vermelhas nos pés.

Somos os que sofremos com um Congresso descompromissado com o rigor fiscal, dilapidador de recursos públicos, e agora se agigantando com PECs inaceitáveis, a mais audaciosa de todas a que submete a si as decisões do STF!

Somos os que sofremos com  o vandalismo de um ex-presidente que diz “O SUS está à beira da perfeição”, mas se trata em hospital de 1º Mundo, e sai por esse mundo fazendo lobby para empreiteiras, a peso de ouro, oferecendo dinheiro do BNDES, que vai render novas contribuições às próximas campanhas. Somos os que sofremos com o dinheiro público emprestado a ditadores e, depois, perdoadas as dívidas.

Somos os que sofremos com essa inaceitável simpatia por trogloditas de ditaduras de esquerda. Somos os que sofremos com essa ridícula preferência terceiro-mundista, com parceiros medíocres e  inconfiáveis. Somos os desprezados pelos órgãos de direitos humanos, que só defendem os que não são humanos.

Somos os que são vandalizados por uma presidente que discute os graves problemas atuais não com o Conselho da República, mas com um Conselho de petistas, incluindo o marqueteiro do partido, numa clara confissão de que o partido é que importa, e não o país!

E mais, muito mais!!!

Os especialistas dizem que as inquietações são difusas, genéricas, sem nítidas traduções políticas. Não são nada disso, são claras. Parecem indeterminadas, pois são muitas, todas contidas nas faixas e cartazes que expõem. O melhor deles, e o que sintetiza a insatisfação geral, é o que diz “BRASIL 3X0 JAPÃO. E DAÍ? O JAPÃO DÁ DE 10X0 EM SAÚDE, EDUCAÇÃO, TRANSPORTE E ÉTICA PÚBLICA”.

Em artigo, o sociólogo Demetrio Magnoli, arremata:

 “As pessoas estão fartas do governo e da oposição, da corrupção e do cinismo, da soberba e do descaso. O estádio superfaturado, o ônibus superlotado, a escola arruinada, a inflação, a criminalidade, o Dirceu e o Eike.... O inimigo é toda a elite política reorganizada durante a década da balofa euforia do lulopetismo”

O lulopetismo estava querendo dar um golpe sem tanques, apenas institucionalmente, para se eternizar no poder, afrouxando a ética e distribuindo capitanias, palácios, benesses, cargos e dinheiro ao Legislativo e Judiciário, para que, vassalos e domesticados, chancelem tudo o que o governo quer, à la Venezuela, Bolívia, Equador e Argentina.

Agora estão amedrontados, com a presidenta, qual barata tonta, correndo a se aconselhar com seu moralmente desqualificado mentor.

Na verdade, esses vandalismos das manifestações não são nada, nem material, comportamental ou financeiramente, comparados com o vandalismo institucional de governantes e políticos contra o povo, o interesse público e a ética, minando as nossas esperanças de ter um país justo, decente e realmente de todos, especialmente com o fim dessa dolorosa exclusão social e abominável frouxidão moral.


Luiz Sérgio Silveira Costa é Almirante reformado.

6 comentários:

Estéfani JOSÉ Agoston disse...

Transcrição integral de texto inserido no Grupo Guararapes:



Fenix

Comentário [0]
Ordem e Progresso

6/21/2013

Estive lá na Av. Paulista, entre as Ruas Augusta e Padre João Manuel, pouco antes das 18 horas, momento em que começou a caminhada do primeiro bloco, rumo ao MASP.
O que vi foi gente sadia, física e mentalmente, representantes do futuro do Brasil, com cartazes protestando contra os desmandos do governo federal, desde Renan, carga tributária, juros da divida, corrupção, PEC 37, saúde, educação, etc., enfim os mais variados problemas que atormentam a sociedade brasileira. Foi fácil distinguir na manifestação, os protestos verdadeiros, motivados por patriotismo, dos profissionais. Os cartazes eram todos feitos à mão, enquanto que os dos partidos políticos e sindicatos endinheirados, as faixas eram industrializadas. Vi que a paciência quase infinita do povo brasileiro se esgotou. Senti também que o movimento pacífico não é reinvindicatório; é exigência da sociedade.
Percebi também que de pacífico pode passar à violento, caso os governantes não ouçam as vozes das ruas. Notei a ojeriza à partidos políticos, sindicatos, movimentos de sem casas, sem terras, enfim todos os patrocinados pelos governo do PT e pelas esquerdas, que não eram bem-vindos e foram rechaçados em uníssono. Esses, formavam blocos, distante do bloco principal, constrangidos, não fosse a desfaçatez, como visita sem convite. Abordado por um senhor com camiseta vermelha estampada com a foice e o martelo que distribuía panfletos, indignado informei-o que o protesto era contra eles e me retirei, dando-lhe as costas.
Por um instante, assisti o renascimento do Brasil. Por um instante senti as rédeas passando para as mãos certas. Por um instante, a esperança voltou.
Isto não tem volta. Não se trata daquela camada venal da população, cooptável por bolsas.
O recado foi dado às instituições que tem o dever de proteger a sociedade brasileira, que clama pela seriedade, pela ordem e pelo progresso.

LIBERTAS QUAE SERA TAMEN

Anônimo disse...

Tânia SP
Texto impecável! É oq sinto, a indignação q já salta as Ruas! Verdadeiro Vandalismo mesmo q este governo fêz e faz c/ o povo.

Renaweb disse...

Regina SP

Lindo!!!
Espero que as FFAA não nos faltem na hora H. É minha última esperança! Olho a minha família e choro, temo pelo futuro imediato do Brasil às vésperas de mais uma reunião do demoniaco Fóro de SP.


Renaweb disse...

Regina SP

O texto traduz meus sentimentos.
Olho para a minha família e choro, o que será de nós? E o futuro imediato após essa reunião do Fóro de SP?

Espero que as FFAA não nos deixem na hora H...

Luiz Otávio R. Guimarães disse...

Parabéns pelo texto, que sua mensagem ecoe pelas mentes deste nosso Brasil.

Luiz Otávio R. Guimarães disse...

Parabéns pelo texto, que sua mensagem ecoe pelas mentes deste povo Brasileiro.