quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

A Terra do Nunca

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Cidinha Campos

Mesmo quando o vandalismo tomou conta das passeatas e se tornou protagonista das mídias, não faltou quem desse apoio aos chamados black blocs. Grupos de direitos humanos estavam sempre de plantão nas delegacias para livrar arruaceiros da prisão — agora, sabe-se bancado pelo meu, pelo seu, pelo nosso dinheiro. Isso mesmo: somos nós que pagamos os salários de pelo menos três servidores lotados no gabinete do deputado Marcelo Freixo e que atuam diretamente no auxílio aos black blocs em apuros com a lei.

Thiago de Souza Melo, assessor de Freixo, salário de R$ 5.600, é tesoureiro da ONG Instituto Defensores dos Direitos Humanos. Foi essa ONG que, por duas vezes, livrou da prisão Fábio Raposo, coautor do disparo que matou o cinegrafista Santiago Andrade. Outro é Tomas Fernandes Prisco Paraiso Ramos, membro do conselho deliberativo do IDDH, também lotado no gabinete de Freixo na Alerj. E o terceiro é Pedro Daniel Strozenberg, que trabalha nessa dupla função.

O presidente do IDDH, advogado João Tancredo, que não está na folha da Alerj, doou R$ 2.200 para a campanha do deputado do Psol. Vários outros membros da ONG fizeram o mesmo, como Marcelo Murteira de Salles, funcionário de Freixo até 2009.
Na sua página no Facebook, o IDDH convoca ativistas para manifestações oferecendo serviço completo: acompanhamento às delegacias para os que forem detidos e advogados para defendê-los. Para isso, disponibiliza on-line os telefones dos advogados de plantão. Uma banca de respeito. Um estímulo à quebradeira. Tipo: “Pode quebrar tudo que a gente garante.” Só que, agora, surgiu o primeiro cadáver. E agora, companheiro?

Era tragédia anunciada. Evidente que, em algum momento, alguém ia morrer. Se fosse a cabeça de um PM estourada, dificilmente haveria a mesma comoção. Mas calhou de ser um jornalista, e desta vez não deu para culpar a polícia. Fosse um estudante a vítima e o algoz, um policial, seria a revolução. Edson Luís do século 21. Mas o destino foi caprichoso, e os radicais deram azar. O morteiro partiu de um dos seus. Por essa o Freixo não esperava.

Coube a uma moça com apelido de fada puxar o fio da meada. Sininho falou demais e revelou portar um pó mágico que fazia brotar advogados de defesa do chão. Assim a farsa foi finalmente revelada. Os advogados, na verdade, brotavam do gabinete de um parlamentar enfant gaté da esquerda e da mídia. Apesar de tantas evidências, o deputado Marcelo Freixo diz que não tem nada a ver com isso. Ele é o Peter Pan. Com Sininho, faz parte do Reino da Terra do Nunca, onde meninos mimados nunca são punidos. São garotos perdidos, sem noção do que significava a palavra limite.


Cidinha Campos é Deputada estadual licenciada e secretária estadual de Defesa do Consumidor do Rio de Janeiro.

3 comentários:

Anônimo disse...

Falou, falou e não disse nada, como sempre. O que temos q descobrir quem paga os 150,00 por atos de vandalismo. Tenho certeza de que não é o Freixo. Prestar assessoria jurídica para manifestante, haja vista essa polícia do RJ, é bem diferente de estimular violência. Mas, fazer o que com essa base aliada do cabral, sempre deturpando a verdade?

Anônimo disse...

Agora todos os partidos barriga de aluguel os bons e os ruins vao se unir para defender o indefensável. E claro que os black blocks são financiados por partidos políticos e so seguir o dinheiro. Essa maldita classe politica que não trabalha, não faz nada e so vive de bla,bla, bla e que na hora das eleições largam seus escritos embolorados seus modus vivende de primeira linha para se alinhar com o povo vao ficar fazendo a politica que sempre fazem desfiando um rosário de acusações uns contra os outros. Depois de eleitos e outro quadro voltam as molhoes de mordomias, os treis macaquinhos, não vejo, não falo, não escuto. Não cumpro promessa nenhuma, não trabalho para fazer realmente a nação crescer com um plano de trabalho certo e não essa apologia ao crime que e não trabalhar, enfraquecer a nação e dar merda para os contribuintes. Eta pais fracassado uns trabalham para sustentar trambiqueiros, vagabundos, safados que ainda estão pensando que nos enganam. Temos que diminuir os bunda sentada do Congressos, Federal, Estadual e Municipal. Temos que diminuir senadores principalmente os que já são vitalício e que não mostraram a que vieram. Temos que diminuir esta farça e embromação em que se transformou a politica dos trambiqueiros, dando bolsa isso, bolsa aquilo com o nosso dinheiro com o cinismo de não publicar o que estão gastando e porque. Principalmente temos que ter uma justiça mais leve. Não podemos esperar 10, 20 anos para ter o pronunciamento dos juízes que ficam falando horas a fio citando este e aquele para justificar as marmeladas. O povo precisa de uma justiça cumpridora de seus deveres e não juízes comprometidos com o partido dos trambiqueiros. Agora mesmo a boquirrota, cachaceira nomeou mais um para integrar o grupo que defende e esconde os processos sentando em cima deles. Muita gente so recebe resposta da justiça depois de ter feito a passagem. Muitos políticos sem vergonha continuam andando nos corredores do congresso sendo pagos com nosso dinheiro e tendo regalias que um trabalhador depois de trabalhar varias horas no dia e na semana não tem principalmente um salario justo e garantias de receber de volta o que pagou. Vamos continuar pagando mordomias e bundas sentadas para quem não cumpre seu papel perante o contruinte? Acorda brasil em minúscula mesmo, sai dessa letargia e do pais das maravilhas acorda e veja com olhos reais sua real situação. Não sejamos meramente come e dorme ou seja trabalha de dia para descançar de noite. Isso so deve ser usado se realmente não queremos um pais melhor para todos em todos os sentidos e não para uma minoria de trambiqueiros.

Anônimo disse...

Vale lembrar que um repórter (da Globo, acho) falou, no início, que o ferimento foi provocado por um policial.