segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Restabelecendo a verdade dos fatos - adendos


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Octacílio Guimarães

Fatos como este narrado pelo economista Marcos Coimbra não foram raros. Eu vivenciei essa época pois já estava com vinte anos e a bagunça havia se estabelecido no Brasil por obra e graça não dos comunistas, mas sim do sistema “democrátivo” vigente ao longo das décadas que precederam a ditadura do Estado Novo de Getúlio Vargas.

Esse sistema “democrático” produziu comunistas ao longo das décadas desde que os bolcheviques implantaram seu regime de sangue e fogo na Rússia em 1917, dominaram os países visinhos e se proclamaram União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, formando uma cortina de ferro em volta de onde só saia a propaganda do governo que mais matou gente de seus próprios países. Somente Stalin assassinou 20 milhões de russos e não russos sob seu domínio, sem falar nos 80 milhões em volta do planeta.

A propaganda soviética era muito eficiente ao propalar as benesses do comunismo mesmo que fictícias e a incompetência e desonestidade dos políticos brasileiros mais eficiente ainda em produzir revoltados que se tornavam comunistas, gestando o bando que provocou o movimento de 1964.

O Estado Novo de Getúlio Vargas foi derubado pela 2ª guerra mundial (se quiser entender Estados Unidos não faz mal) e então implantaram o sistema “democrático” dos caciques e conoréis que produziram aberrações como Jucelino Kibitschek de Oliveira, que construiu Brasília sem ter um centavo em caixa e Jânio da Silva Quadros, que sonhava ser ditador e o tiro para conquistar seu desejo saiu pela culatra, deixando o vácuo para ser ocupado por um sujeito bonachão que nasceu para ser pecuarista mas que Getúlio fez questão de transformar em político. Como no Brasil o destino prega peças, João Belchior Marques Goulart terminou presidente da mesma forma que Dilma Vana Roussef é hoje presimerda da república.

A turma gestada por tal sistema ansiava em 1964 por um sistema igual ao soviético e suas intenções era fazer no Brasil o que Stalin fez na União Soviética, ou seja, matar simplesmente seus opositores, fosse no paredão imitando Fidel Castro, fosse no fundo do mar com pedras amarradas aos pés como Wandenkolk Wanderley fazia com os bandidos de Pernambuco quando foi secretário de segurança daquele estado.

Derrotados porém poupados pelos militares, retornaram vinte e um anos depois em triunfo através do voto popular de eleitores analfabetos, ignorantes ou simpatizantes, começando uma escalada de conquistas que partiu das vereanças até a presidência da república com um legítico representante do caráter e da cultara brasileiras, Luís Inácio Lula da Silva, se elegendo presidente, fazendo sua sucessora e reelegendo-a. O que virá daqui para a frente, nem Deus sabe! É mole ou quer mais? É mole mas sobe!

Como nesse intervalo de tempo o mundo mudou muito, o muro de Berlim foi derrubado e a União Soviética se escafedeu, os comunistas brasileiros se civilizaram e agora não falam mais em mandar ninguém para o paredon. O negócio deles agora é meter as mãos nos cofres públicos e tirar de lá o máximo que puderem. Democraticamente, no voto e sem oposição. Melhor assim porque qualquer um aceita morrer pobre mas não quer morrer furado por balas no paredon.

Mas não se preocupe porque o Brasil é um país muito rico – eu ouvi esta frase desde que estava ainda no útero da minha mãe – e como diz o salmo, “por mais que ande pelo vale das sombras e da morte, nada lhe faltará”. É um país rico de otários, somente muito mais tarde fui entender.

Eu vou rir muito dentro em breve porque essa turma odeia os Estados Unidos e agora com os americanos querendo ser amigos da dupla Fidel/Raul Castro e vice-versa, eles vão ter que também pararem de falar mal dos yanques. É mole mas sobe, sabia?

Ora, meu caro Mr. Anthony, o povo brasileiro tem o governo que merece e vice-versa. 


Octacílio Miranda Guimarães é Articulista.

Nenhum comentário: