quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Triste aniversário de uma barbárie esquerdista


25/02/73 – Octávio Gonçalves Moreira Júnior (Delegado de polícia – São Paulo) brutalmente assassinado no Rio de Janeiro

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

Os povos que não conhecem seu passado estão condenados a repeti-lo.Hegel tinha razão...

Com a tentativa de intimidar os integrantes dos órgãos de repressão, um “Tribunal Popular Revolucionário” decidiu “justiçar” um membro do DOI/CODI/II Exército.

O escolhido foi o delegado de polícia, Dr. Octávio Gonçalves Moreira Júnior que viajava, seguidamente de São Paulo para o Rio de Janeiro, onde estava noivo ..
O levantamento de sua vida no Rio de Janeiro foi feito pela terrorista Bete Chachamovitz, da ALN, que repassava todos os dados para um comando terrorista chamado “Getúlio de Oliveira Cabral”.

No início de fevereiro de 1973, Bete concluiu o seu trabalho.
No dia 23/02/73, o Dr. Octávio viajou de São Paulo para o Rio de Janeiro e Bete avisou o comando terrorista da chegada do delegado. Ficou decidido que iriam executá-lo no dia seguinte.

No domingo, dia 25, o Dr. Octávio foi à praia em Copacabana, e depois almoçou com um amigo. Quando voltava do almoço, Bete fez o reconhecimento visual do delegado e o apontou para os seus assassinos que se encontravam num automóvel estacionado na esquina da Avenida Atlântica com a rua República do Peru.
Do carro saltaram três terroristas. Um deles trazia uma esteira de praia, enrolada debaixo do braço. Dentro da esteira uma carabina calibre 12.

Um dos assassinos deu o primeiro tiro nas costas, derrubando-o e atirando-o a alguns metros de distância. Um segundo atirou perfurando seu pulso direito e enquanto que o terceiro assassino aproximou-se e deu-lhe dois tiros no rosto com uma pistola 9mm.

O Dr. Octávio morreu instantaneamente.

O comando terrorista seguiu à risca o ensinamento do manual de Carlos Marighela que afirma: “guerrilheiros não matam por raiva, nem por impulso, pressa ou improvisação. Matam com naturalidade. Não interessa o cadáver, mas seu impacto sobre o público”.

O comando terrorista que assassinou o Dr. Octávio estava assim constituído:

·         Bete Chachamovitz – ALN;
·         Tomaz Antônio da Silva Meirelles Netto(“Luiz”) – ALN;
·         Merival Araújo(“Zé”) – ALN( família indenizada);
·         Flávio Augusto Neves Leão Salles(“Rogério”) – ALN;
·         José Carlos da Costa(“Baiano”) – VAR-PALMARES;
·         James Allen Luz(“Ciro”) – VAR PALMARES;
·         Ramires Maranhão do Vale(“Adalberto”) – PCBR;
·         Ranúsia Alves Rodrigues(“Florinda”) – PCBR( família indenizada);


Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

8 comentários:

Loumari disse...

Povo é a parte da nação que não sabe o que quer.
(Georg Hegel)


A Razão

A razão é a suprema união da consciência e da consciência de si, ou seja, do conhecimento de um objecto e do conhecimento de si. É a certeza de que as suas determinações não são menos objectais, não são menos determinações da essência das coisas do que são os nossos próprios pensamentos. É, num único e mesmo pensamento, ao mesmo tempo e ao mesmo título, certeza de si, isto é, subjectividade, e ser, isto é, objectividade.
(...) A razão é tão poderosa quanto ardilosa. O seu ardil consiste em geral nessa actividade mediadora que, deixando os objectos agirem uns sobre os outros conforme à sua própria natureza, sem se imiscuir directamente na sua acção recíproca, consegue, contudo, atingir unicamente o objectivo a que se propõe.
(...) A Razão governa o mundo e, consequentemente, governa e governou a história universal. Em relação a essa razão universal e substancial, todo o resto é subordinado e serve-lhe de instrumento e de meio. Ademais, essa Razão é imanente na realidade histórica, realiza-se nela e por ela. É a união do Universal existente em si e por si e do individual e do subjecitvo que constitui a única verdade.

Georg Hegel, in 'Propedêutica Filosófica', 'Enciclopédia das Ciências Filosóficas' e 'Curso de 1830'
Alemanha 1770 // 1831

Anônimo disse...

Eu, mesmo não sendo parente de nenhuma vítima desses terroristas, não vou perdoar os milicos de merda NUNCA por terem passado a mão na cabeça desses bandidos...

Jovi Martin disse...

A foto ilustrada não é a do delegado, mas a de Jacques Moreira de Alvarenga (http://www.midiaindependente.org/pt/red/2008/04/416115.shtml). O delegado voltava de praia, e naturalmente deveria estar vestido de acordo: http://www.museuvitimasdoscomunistas.com.br/salao/ver/assassinato-de-octavio-moreira-junior-outras-vitimas-em-1973

Willhame Carvalho disse...

No enunciado dessa sua Página"Alerta total", você diz que faz um jornalismo independente

VOCÊ DIZ: "O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente - analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva."

O QUE ISSO TEM HAVER COM SER ANTICOMUNISTA ?

PORQUE VOCÊ ACUSA A ESQUERDA INTEIRA USANDO A EXPRESSÃO "BARBÁRIE ESQUERDISTA"

PORQUE VOCÊ NÃO ADMITI QUE SEU JORNALISMO NÃO É INDEPENDENTE E QUE VOCÊ É UM DIREITISTA ?

Loumari disse...

Senhor Carvalho, permite-me dar-lhe algum exemplo no que é do jornalismo independente.

Para o exemplo vou expor dois jornais franceses: Le Figaro et L' Humanité.

Le Figaro é direitista é L'Humanité é esquerdista.

Quer saber algo? Le Figaro pode publicar sujeitos a embelezar o Nicolas Sarkozy, mas este mesmo "Le Figaro" pode publicar sujeitos a massacar este mesmo Nicolas Sarkozy.

E L'Humanité, pode falar de beldades sobre François Hollande, mas este mesmo "L'humanité" pode publicar sujeitos a demolir o François Hollande.

Isto se chama jornalismo independente, que aborda os sujeitos em total imparcialidade.

Um verdadeiro jornalista não é amigo de ninguém. É um eterno rebelde e, incorrígivel.

Anônimo disse...

Wilhame vá para o inferno, seu petralha

Loumari disse...

A Defesa da Liberdade Humana

O problema da liberdade foi o que sempre mais me preocupou. Tento pôr ordem nas minhas ideias, mas não é fácil. Fui da esquerda e mesmo da sua direita (porque a direita da esquerda é a mais esquerda, como a direita da direita, a mais direita). Fui-o porque ela era a favor da liberdade humana e se parecia que era contra a liberdade humana, era só por defender a liberdade humana. Hoje sou contra a defesa da liberdade humana, porque sou a favor da liberdade humana. Esquerdas e direitas dizem-me que se eu sou contra a defesa da liberdade humana, por ser a favor da liberdade humana, sou realmente contra a liberdade humana e estou por isso fazendo o jogo de uns ou de outros, consoante aqueles que me acusam.
Ah, por favor, não me peçam explicações - sou homem, não sou político. Defendo a liberdade porque sou pela liberdade e por isso não devo defender a liberdade, porque para defender a liberdade teria de atacar a liberdade, o que me obrigaria então a defendê-la por ser a favor dela - merda! Sou pela liberdade, sou contra a opressão, e isto é simples, é humano, é evidente - disse! E não me chateiem mais.

"Vergílio Ferreira, in 'Estrela Polar'

Anônimo disse...

Correto....
esses criminosos tem que ir presos logo e la dentro do presidio sofrer e muito !