domingo, 21 de junho de 2015

Da Marolinha ao Tsunami


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Ernesto Caruso

Do governo Lula à “presidenta” Dilma. A culpa dos resultados pífios, pibinho, etc fez coro retumbante nas palavras presidenciais e, foi posta nos países ricos. E, recentemente, a “presidenta” declara sorridente e jocosamente que a marolinha citada por Lula, que não teria força para chegar ao Brasil, virou onda. Onda não, tsunami, reclamam os frequentadores dos supermercados e consumidores de energia elétrica. Ludibriados que foram com a redução dos preços no setor elétrico às vésperas da eleição de 2014.

E mais, completa Dona Roussef que o brasileiro não deve parar de consumir. Com que dinheiro, há​de perguntar, cara “presidenta”.   Nada estimulante, dentre os 21 países da América Latina o Brasil se encontra brigando pelas últimas colocações, em crescimento econômico, com Argentina e Venezuela.

O período petista é assustador não só em relação ao tamanho da onda que enfrenta o cidadão comum, surfista fora da água, mas mergulhado e espremido no transporte coletivo de péssima qualidade por duas, três horas por dia, para ir trabalhar e regressar ao lar, nas portas dos hospitais em busca da senha para ser atendido; prisioneiro nas casas e com medo dos bandidos soltos nas ruas, onde não há segurança.

Do cartão corporativo, do ministro-tapioca, dos milhares de reais envolvidos no mensalão aos milhões do petrolão não há estômago que suporte, cegueira que não veja, mente que não pense, palavra que não grite, dor que não sufoque e amargure o cidadão, descrente da repulsiva cúpula que ainda ri e faz piada, com marolas, ondas e passeio de bicicleta paramentada com trajes de couro e seguranças, sob orientação de marqueteiro, banho de loja, embalagem moderna. Por fora “bela” viola...

O amargor cresce no turbilhão de denúncias, no desprezo ao cidadão do povo, mesmo dos aquinhoados pelo bolsa família, com dificuldade de conseguir emprego e saber que o governo central financia a construção de um porto em Cuba, quase 1 milhão de dólares e outras obras no exterior, como as hidrelétricas no Equador (duas), no Peru e Nicarágua, o metrô no Panamá e Venezuela, aeroporto e BRT em Moçambique, aqueduto na Argentina, abastecimento de água na capital peruana, renovação da rede de gasodutos em Montevidéu, via expressa em Angola... Quanto​s​brasileiros foram empregados nessas obras?

Angústia pelos milhões pagos à Cuba pela importação dos mais ou menos médicos. Dinheiro que deixa de circular no país e com denúncias de malversação dos recursos públicos. Verdadeiro tsunami comparável ao desastre do Japão, mas que lá a estrada destruída se recupera em uma semana.

Milhões e milhões desviados, obras inacabadas, ferrovias sendo desativadas e bilhões da China a pintar o futuro e enfumaçar os PAC 1 e 2 empacados nos alicerces. Indícios de crime podem ser a luz no fim do túnel a brecar a impunidade. 

Do TCU brotam relatórios a demonstrar que o governo feriu a lei ao gastar mais do que podia no ano eleitoral de 2014. Fazendo com que os bancos estatais pagassem dos seus recursos próprios as despesas do governo sem o aporte do Tesouro. A Lei de Responsabilidade Fiscal como espada de Dâmocles sobre a cabeça da “presidenta”.

A pesar a desfaçatez do coronelismo institucionalizado comprando votos e o mimetismo marqueteiro a esconder o vermelho do pavilhão petista e estampá-lo na cor branca nos momentos de crise e descrédito no cumprimento das suas promessas de campanha.

Da coerência do STF, sob a presidência do Ministro Joaquim Barbosa, ao enquadrar os crimes do mensalão como engendrados por uma quadrilha, impossível que não fosse pelo envolvimento de elevadas cifras e desvio de condutas de políticos e empresários, à desilusão de ver desfeita a quadrilha no STF’ (linha), como se o malfeito decorresse de combustão espontânea. Assistir ao ministro julgar processos que envolvem um partido do qual foi advogado.

Perplexidade ao ver o PT de Lula e Dilma aplaudir o nome do seu tesoureiro preso e prestigiar os condenados que estiveram presos na Papuda. Preocupação quanto ao processo de desconstrução da família e estímulo à ideologia de gênero a ponto de que as crianças optem pelo uso do banheiro feminino ou masculino como aprouverem.


Ernesto Caruso é Coronel de Artilharia e Estado Maior, reformado do EB.

3 comentários:

Maria Klyw disse...

Coronel Ernesto Caruso, é lastimável que o senhor esteja na Reserva! Mas... quem sabe não surjam militares que ainda não foram cooptados?

Anônimo disse...

Alguém viu a imparcialidade desse blog? Filtrando comentários para não chatear o ego de oficiais das FFAA corruptos!!!

Publique os comentários recebidos Serrão...

Está guardando em segredo a verdade falada sobre esse coronelzinho de pijama hipócrita, é?

juscelino disse...

as unicas coisas que são disparatadamente disparatadas entre os dois governos é o tamanho do estupro à nação, do roubo do erário, e da bandidagem.. o tempos do collorato parecia que tinha só ladrões de pirulito. Noves fora o fato que o doidão das alagoas não tinha intenção de implantar o comunismo no país e nem praticar traição a pátria entregando a nação a interesses forosãopaulinos e não se tem notícia que ele tenha assaltado o cidadão brasileiro para dar dinheiro para governos safados mundo afora.