quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Brasil dividido


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Marcos Coimbra

Denominamos de “países-baleias” os quatro países (Brasil, China, Índia e Rússia, componentes do grupo BRIC), em virtude de disporem de gigantescas extensões territoriais e enormes mercados populacionais com crescente poder aquisitivo e qualidade de vida. É evidente que os EUA ainda são a potência hegemônica mundial e, mesmo com sua decadência, ainda terão grande importância, bem como a União Européia, no contexto internacional, além do novo BRICs.

Considerando 2014, a China já é a segunda economia do mundo, detentora de apreciável poder militar. A Índia e a Rússia estão entre as dez maiores economias do mundo e também possuem elevado poder militar. Em uma análise prospectiva, apesar de termos a sétima economia do mundo (deverá ser ultrapassada no final de 2015), vasta extensão territorial, abundantes recursos naturais existentes, da água ao titânio, passando agora pelo petróleo, além de um povo ordeiro e trabalhador, a fragilidade da expressão militar do Poder Nacional constitui uma vulnerabilidade preocupante. De fato, há um plano arquitetado pelos "donos do mundo" de enfraquecer as Forças Armadas dos países emergentes, sufocando-as de todas as maneiras, financeira, econômica e moralmente.

É proibido o acesso à moderna tecnologia bélica, seja no tocante a engenhos nucleares, seja na área espacial. O trágico episódio da explosão do terceiro VLS brasileiro, com a perda de vinte e um mártires é emblemático. Até jatos supersônicos são proibidos. Fabricação de mísseis, nem pensar. Até a proibição da comercialização de armas e munições queriam impor ao povo brasileiro. As empresas nacionais seriam expulsas do mercado e o Brasil ficaria dependente até da importação de um cartucho de 22. Desta forma, fica mais fácil intimidar e até agredir nosso território, direta ou indiretamente. O estatuto do desarmamento agride os direitos do cidadão brasileiro, não tivesse sido ele imposto por diretrizes externas.

Os conceitos de Integração, Soberania e Integridade do Patrimônio Nacional são importantes para serem lembrados por todos nós, brasileiros, devido à insegurança vivenciada, gerada principalmente por pressões de grupos com interesses inconfessáveis. Sofremos o risco de serem agravadas as tensões no plano social, com o acirramento e a indução de choques de caráter “racial”, religioso, étnico e até sexual ou de gênero. As famigeradas ONGs e a mídia internacional, secundada pela mídia nacional, jogam católicos contra protestantes e espíritas, brancos contra negros e índios e outros. O objetivo é abalar nossa coesão social, para fragilizar-nos. Absurdas imposições ideológicas e referendadas pelas últimas administrações, como o denominado sistema de “cotas raciais”, começam a criar conflitos antes inexistentes em nosso país.

Quanto à coesão territorial, estão acelerando o processo de demarcação de terras indígenas, para depois preparar o terreno para o "direito dos índios à autodeterminação" e para aplicar o "direito de ingerência dos mais fortes". Isto lhes possibilitaria retalhar o território brasileiro, em especial a Região Amazônica, dividindo-a em quistos, a serem “protegidos” por uma força internacional de paz. Sob o pretexto de defender os direitos dos índios, pretendem explorar nossas riquezas e recursos naturais.

O revolver de chagas abertas há cerca de 50 anos, abrindo feridas que deveriam estar cicatrizadas, com a Lei da Anistia referendada pelo Supremo Tribunal Federal, por mais motivações que apresentem, representa justamente o desejo do inimigo solerte. Enquanto olhando pelo espelho retrovisor, digladiamo-nos ferozmente por várias razões, algumas justificáveis, outras não, em virtude da parcialidade evidente, dando voz a apenas um dos lados participantes da luta armada no país, os detentores do poder enxergam com farol de milha, deleitando-se com nossa divisão interna e avançando sem a devida resistência em nossas riquezas, afrontando nossa soberania.

O passado foi-se. Nossos descendentes dependem daquilo que conseguirmos legar para eles. Sequer temos um Projeto Nacional de Desenvolvimento. Chega de ódio e sentimento de vingança! Houve excessos de ambos os lados e, em nome do futuro, devemos lutar ombro a ombro contra as formidáveis ameaças existentes ao nosso Progresso.

Após as manifestações do dia 16.08, constatamos um país dividido, fruto inicialmente de uma irresponsável campanha eleitoral, onde a candidata considerada vencedora pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), apesar da vulnerabilidade gritante do sistema de voto eletrônico de primeira geração, praticou o maior estelionato eleitoral da história pátria. O partido no poder usou recursos altamente questionáveis para perpetuar-se no comando do Brasil, acirrando o ódio entre as classes sociais, utilizando “pedaladas fiscais” e toda sorte de artifícios, amargando uma aprovação de apenas 7,7 %.

E agora? Qual será a saída para evitar a continuação do caos? Quem será o personagem capaz de realizar a conciliação nacional?


Marcos Coimbra, Economista, é Professor, Membro do Conselho Diretor do CEBRES, Acadêmico Fundador da ABD e Autor do livro Brasil Soberano.

2 comentários:

Loumari disse...

C'est toujours la faute des autres. Et en quoi est vous vraiment utiles pour votre pays et pour vous même?
Arrêtez de chialer et prenez vous en main.

Anônimo disse...

Sibá Machado confessa que “reforma de ministério” é golpe para engabelar otários e manter os benefícios da cumpanheirada

http://lucianoayan.com/2015/08/25/siba-machado-confessa-que-reforma-de-ministerio-e-golpe-para-engabelar-otarios-e-manter-os-beneficios-da-cumpanheirada/