terça-feira, 15 de setembro de 2015

O que pretende Michel Temer, afinal?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Oliveiros S. Ferreira

Observadores atentos perguntam-se, com certa angústia, quantos dias o vice-presidente da República deixará que se escoem até que defina o papel que pretende desempenhar no drama em que se consomem as energias do país. Ele não poderá alegar ignorância ou que não está preparado para o que a História parece lhe ter destinado.
      
Enquanto continuar desempenhando o papel de “analista crítico”, dando a entender que apenas espera subir ao trono, ele se esquece de que esse comportamento permite incriminá-lo como incentivador da crise.
     
 O desarranjo do sistema político já era de bom tamanho e não seria necessário que Temer deixasse claro que apenas um alguém capaz de reunir os esforços dos brasileiros todos seria capaz de resolvê-lo. Assim pensou, porém, e assim disse. Imediatamente, os corporativos representantes do poder econômico assinaram manifesto de primeira página na Imprensa dos maiores estados da federação endossando sua fala e deixando, por sua vez, também muito claro que o tinham como “salvador da pátria”.
      
O manifesto da FIESP e da FIRJAN apenas revelou que o poder econômico tinha o seu candidato, formando com o vice-presidente na hipótese de impeachment da Presidente – e pondo Skaf de escanteio. Mas a conclusão a que chegaram as entidades corporativas da Indústria parece ter apanhado Temer de surpresa.

Como que pretendendo deixar mais claro ainda que não é um político qualquer à procura de emprego, ele tem feito declarações que ora garantem seu apoio a Dilma até o final de seu mandato, ora mais o colocam como sucessor no caso de impeachment decretado pelo Congresso ou como candidato no caso de anulação das eleições, se consideradas fraudadas - tal como o PSDB ainda faz questão de insistir em afirmar que foram - por decisão do TSE.
      
Uma das últimas de suas declarações, porém, aquela divulgada na 4ª feira, 02 de setembro, apenas veio complicar a equação. Antes que Temer afirmasse que Dilma teria dificuldades para chegar ao fim do seu mandato, dava-se por assentado que ele, tal qual Itamar Franco sucedeu a Collor, sucedê-la-ia como ocupante do mais alto cargo da República. Depois, o que era tranqüilo conturbou-se. E todos puderam se perguntar se ele não estaria mais preocupado com a demora na decisão sobre oimpeachment, demora essa que poderia permitir que as forças econômicas e políticas anunciassem outro candidato e a... paz.
      
Essa declaração poderia ser tomada como o reconhecimento das dificuldades a serem enfrentadas tão logo o processo de afastamento de Dilma se conclua. O problema, porém, é que o mundo político parece não estar disposto a ficar exposto ao sol, dependendo de que Temer feche a porta da direita com muito cuidado e pergunte ao freguês do lado qual foi o resultado do futebol.

Enquanto ele continua insistindo na postura em que está, não se sabe ao certo quem é o Sr. Prof. Dr. Michel Temer. Será ele um Lorde Macbeth? Ou será o candidato de alguns poetinhas que cansaram de fazer oposição em versos e votos e de ser um mero contrapeso na política e aspiram a exercer diretamente o poder com todas as suas prebendas e prerrogativas?
      
Uma questão bastante séria parece não estar perturbando Temer: ele não se preocupou até agora com dizer a que terá vindo. Oferece ao mundo político as garantias de que seu governo, se vier a ser Presidente, será um governo sem grandes tumultos, embora precise vencer as inúmeras dificuldades que a recuperação da economia trará consigo. Enfrentará também, no entanto, a agitação do PT e de outros partidos menores, esteja ou não esteja seguindo o caminho mais correto.
      
Não basta a quem quer que seja candidato ou aspire a sê-lo dizer com todas as letras ou simplesmente deixar claro que procurará pôr a economia em ordem. A experiência de Temer na vice-presidência e na articulação política deve ser bastante para convencê-lo de que o Brasil espera, na crise em que vivemos, “que cada um cumpra o seu dever” - isto é, que cada um corra o risco de ser criticado por propor soluções pouco ou excessivamente ortodoxas para o que ninguém sabe como exatamente se caracteriza e ninguém projeta como se desenrolará, embora todos tenham consciência das dificuldades que qualquer solução trará, inclusive no campo das relações pessoais muito próximas, inclusive no campo das relações pessoais internacionais.
      
Esse é um dos aspectos que Temer deve encarar de frente, corajosamente, ao escolher o papel a desempenhar, se é que pretende assumir qualquer papel de relevância maior no processo. Pois seria possível também imaginar que Temer tenta manter Dilma como rainha e o PMDB governando, em um novo sistema híbrido que bem poderia chamar-se de “presidenlamentarismo”...
      
Quando acompanhamos com todo o interesse as opiniões expressas nos debates sobre a crise brasileira, o que nos espanta é não encontrar qualquer enunciado articulado entre o Passado, o Presente e o Futuro com um mínimo de coerência. Todos nós sabemos que os problemas precisam ser resolvidos, que as soluções propostas nos farão trilhar caminhos árduos e levarão a um fim que deverá ser aceito por todos, embora não seja o resultado da convergência de interesses imediatos.

Tudo nos leva a crer que são muito poucos os que se preocupam com bem colocar no cenário o nosso País, no hemisfério ocidental que está sendo aberto sem qualquer precaução ou cuidados ao incerto capital chinês, a idéias exógenas e a valores que nunca lhe pertenceram.
      
Seria interessante que nos lembrássemos de 1964. Os que desejavam a substituição de Goulart tinham idéias muito claras sobre o processo político e econômico que enfrentariam tendo em vista, especialmente, as relações com os EUA e com os países vizinhos.  Hoje, a idéia de Brasil se perde em nada mais que demagogia.


Oliveiros S. Ferreira é Historiador e Jornalista. Professor Emérito da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército. Originalmente publicado no site do autor, no dia 10 de setembro de 2015 - http://www.oliveiros.com.br

Nenhum comentário: