domingo, 4 de outubro de 2015

O Valor dos Profissionais Liberais


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

Muitos de nós lembramos de nossos colegas de ginásio.

A grande maioria era de preguiçosos, boçais e com um péssimo curso primário.

Trinta anos depois você os reencontra como médicos, advogados, economistas, etc.

Parece que o arcanjo Gabriel em algum momento os iluminou e por isso tornaram-se profissionais de prestígio na sociedade, ou, o que é pior, no governo.

Eu tenho pavor de médicos, advogados e economistas , nesta ordem.
Há uma anedota de que os médicos operam com máscara para não serem reconhecidos.

Os advogados, com raríssimas exceções, são hienas.

Já os economistas dizem que fazem o que podem. O resto inteiram com a pose. (empáfia, arrogância, prepotência).

Os desastres dos primeiros afetam somente suas vítimas e seus parentes.
Por outro lado, um economista inculto ou sem escrúpulo, pode desgraçar uma nação, a sociedade ou várias gerações.

Raramente vemos um economista independente. Quase todos são subservientes a governos ou bancos. Como bons sabujos lambem as botas de seus senhores mesmo quando chutados de vez em quando.

Se o Estado, como o particular, gasta mais do que arrecada, cedo ou tarde verá a própria ruína.

O dono de uma próspera padaria reorganizará o país melhor que um borra-botas.

O Estado só deve cuidar da soberania nacional, do saneamento básico e do ensino primário. Tudo mais é assunto dos particulares.

A profissão mais sublime é a de humorista.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

Loumari disse...

A Vida não me Desapontou

Não, a vida não me desapontou! Pelo contrário, todos os anos a acho melhor, mais desejável, mais misteriosa... desde o dia em que vejo a mim a grande libertadora, a ideia de que a vida podia ser experiência para aqueles que procuram saber, e não dever, fatalidade, duplicidade!... Quanto ao próprio conhecimento, seja ele para outros aquilo que quiser, um leito de repouso, ou o caminho para um leito de repouso, ou distracção ou vagabundagem, para mim é um mundo de perigos, é um universo de vitórias onde os sentimentos heróicos têm a sua sala de baile. «A vida é um meio de conhecimento»; quando se tem este princípio no coração, pode viver-se não somente corajoso mas feliz, pode-se rir alegremente! E quem, de resto, se ouvirá, portanto, a bem rir e a bem viver se não for primeiramente capaz de vencer e de guerrear?

"Friedrich Nietzsche, in "A Gaia Ciência"
Alemanha 15 Out 1844 // 25 Ago 1900
Filósofo