quarta-feira, 4 de novembro de 2015

O fantasma do Bolsonaro


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por AC Portinari Greggio

Dois jornalistas e dois generais. Essas são as peças dum pequeno quebra-cabeças que vamos montar para demonstrar, pela enésima vez, algo em que temos insistido nos últimos artigos: ou a Direita aproveita a oportunidade que a História lhe oferece nos próximos 24 meses, ou o Brasil afunda na anarquia, na haitização ou na guerra civil.

Não vou dizer o nome dos jornalistas. Não há necessidade, pois correspondem aos estereótipos da classe: odeiam os militares. Quanto aos generais: um da ativa, Gen. Mourão, Comandante Militar do Sul; o outro, Gen. Carlos Augusto Fernandes dos Santos, reformado.

A coisa começou há três semanas, quando o Gen. Mourão, em palestra a alunos do CPOR de Porto Alegre, advertiu sobre a corrupção e a esbórnia geral da política brasileira, tão graves que ameaçam a estabilidade das instituições.

Entra a primeira jornalista. Em artigo publicado num grande jornalão, ela enquadrou o Gen. Mourão por ter-se atrevido – vejam a audácia! – a falar de política. Segundo ela, militares não podem dar palpites porque “o Brasil avançou muito nos últimos trinta anos. (...) Escolhemos a democracia e a volta dos militares aos quartéis. Defintivamente.”

O Gen. Carlos Augusto tomou a defesa do Gen. Mourão. Segundo ele, a jornalista “quer chefes militares fracos , como freiras enclausuradas no castro, alienados dos aspectos políticos (...). Chefes eunucos, desprovidos de indignação e honra, que continuem bovinamente assistindo ao país despencar ladeira abaixo, na senda da roubalheira descarada, conduzida por políticos desprezíveis e bandidos que frequentam o esgoto da política, sem qualquer manifestação de inconformidade.

Generais são líderes e têm responsabilidades e a história pátria está cheia de exemplos.” E continuou:

“O que incomoda a jornalista e sua grei política é ver surgir nova liderança nas Forças Armadas, embasada em alicerces e princípios morais e éticos inatacáveis. O Brasil anseia por governantes com esse perfil e com essa coragem.”

“Tenho certeza que parcela expressiva da humilde e necessitada população brasileira aspira por mudanças e acalenta o sonho de voltar a ser conduzida por homens honrados. Não aceitam mais corruptos e políticos medíocres que, usando as chicanas da esperteza, só buscam benefício próprio.”

“A palestra proferida pelo Gen. Mourão sugere o nascimento de nova liderança militar. A decisão do Marechal Castelo Branco, de limitar o tempo de permanência dos generais no serviço ativo, retirou dos quarteis as nefastas discussões político-partidárias e terminou de vez com caudilhos militares; deixou, entretanto, uma séria lacuna: o desaparecimento de Lideranças Militares autênticas e competentes, tão necessárias nos desastrosos e trágicos dias vividos pelo país.”

Poucos dias depois, o IBOPE publicou nova pesquisa de intenções de voto para as eleições presidenciais de 2018. Resultado: forte aumento da rejeição aos principais nomes cotados para disputar a sucessão de Dilma: Inácio, 55%; Aécio, 47%; Marina, 50%; Alckmin, 52%; Serra, 54%. Rejeição significa: “não voto nele de jeito nenhum”. Do outro lado, daaprovação (eleitores que com certeza votarão no candidato), a coisa continua ruim para todos: Inácio, 23%; Aécio, 15%; Marina, 11%; Serra, 8%; Alckmin, 7%.

Nesse ponto, entra o segundo jornalista. No seu blog na Internet, ele avisa: “O dado mais significativo apontado pelo Ibope mostra que o aumento da rejeição das principais lideranças políticas do País é generalizado, com a queda da popularidade de Lula não beneficiando nenhum dos possíveis candidatos da oposição.”

E conclui, alarmado: “O levantamento reflete o crescente descontentamento da população com a classe política, sem que surjam novas lideranças nos grandes partidos. É um cenário favorável ao aparecimento de candidatos radicais nos extremos do espectro partidário, que se apresentam nestas horas como "salvadores da pátria", sempre um perigo para a democracia.”

Juntemos as peças. Será que se encaixam? Dum lado, o fato incontestável: dentro da esculhambação geral, as FFAA são vistas como única instituição confiável. Doutro lado, o eleitorado rejeita todos os políticos chapa-branca, quer sejam da quadrilha no poder ou da falsa oposição.

Ora, se o povo admira os militares e neles deposita suas esperanças, mas a constituição de 1988 o obriga a escolher nomes que ele, povo, rejeita, a única saída seria – falemos sem rodeios – o golpe militar. Mas os militares não querem nem ouvir falar disso.

Existe solução? Está na cara: um candidato com possibilidades de se eleger dentro das normas da constituição, mas identificado com os militares.
Parafraseando o Manifesto Comunista de 1848: um fantasma assusta a República Federativa de Bruzundanga: o fantasma do Bolsonaro.

PS - O artigo foi escrito antes da queda e transferência do General Mourão para a "geladeira".


AC Portinari Greggio é Especialista em Assuntos Estratégicos. Originalmente publicado no jornal Inconfidência.

11 comentários:

marcelo victor disse...

Falou e disse!!!
Se a roubalheira nao mexe com os brios do povo brasileiro, a economia o farà, pois a parte mais sensivel do corpo humano é o BOLSO!!!

Anônimo disse...

o Bolsonaro num hangout já disse que o PT vai impugnar sua candidatura de 2.018, por causa de alguma briga que ele teve ai, Maria do Rosario etc.

Não tem masi jeito morreremos

Chico Trevas

Euclydes Marques disse...

Bolsonaro é ótimo, mas é absurdo esperar novas eleições. Toda a evolução implica em transgressão. A primeira transgressão deveria ser no seio das Forças Armadas, com a deposição do atual comando. Chamem-na de motim. Mera questão de semântica. Uma vez assumido o comando das FFAA por patriotas de verdade, seria possível concretizar uma intervenção militar no governo. Seria posta para correr toda a canalha que infesta a nação. Então, um regime militar de CURTA DURAÇÃO, a fim de concluir a desratização e por a casa em ordem.Então,instituição de uma constituinte ilibada para elaborar uma Constituição CURTA e EFICIENTE. Último passo, convocação de eleições gerais, COM URNAS CONFIÁVEIS - e não as empregadas na última eleição, REPROVADAS EM TODO O MUNDO. Agora sim: VIVA DEMOCRACIA (SÉRIA)!

Anônimo disse...

Serrão, só para "conferir": Só aqui, em casa, seriam 11 votos para o Bolsonaro. 11 votos não é nada, eu sei, mas, se somar a quantidade no Brasil todo, a vitória seria acachapante. Só o Bolsonaro que não quer aceitar isso! Que pena!!!

Loumari disse...

Os homens distinguem-se entre si também neste caso: alguns primeiro pensam, depois falam e, em seguida, agem; outros, ao contrário, primeiro falam, depois agem e, por fim, pensam.
(Lev Tolstoi)

Anônimo disse...

O país está afundando perigosamente. A omissão militar, se esperar pelo caos total, causará um prejuizo a sociedade brasileira nunca visto na história deste país. A desculpa de que a nação vive plenamente a normalidade democrática e que cabe ã classe politica -muito corrompida - resolver toda a desordem que aí está, causada por eles mesmos, já não é aceita pela sociedade brasileira. O povo vai cobrar duramente das FFAA essa omissão que, se proLongada, irá, com certeza, aumentar substancialmente os prejuizos de toda sorte a este país.
Que Deus ilumine os nossos militares, pois são as nossas últimas esperanças.

Anônimo disse...

Aqui em casa também somos todos Bolsonaro

waldecy oliveira disse...

Que democracia vivemos? Acho que vivemos bem pior com que dizem ser democracia, onde se descordar do comportamento de um individuo pelo fato de ele ser gay, isto é, do ponto de vista pessoal de cada um, isso é crime, o cidadão é punido por ser expressar, então Democracia é vc poderr expor suas opiniões, poder falar o que pensa, poder colar um adesivo no carro mesmo que esse adesivo critique o chame de ladrão essa cambada que esta nos representando na politica. Não temos democracia nesse PAÍS, isso e balela, democracia é pra quem rouba, pra quem mata, pra quem desvia bilhões de reais para contas no exterior, pra quem mesmo estando sob suspeita de desvio de dinheiro, assim mesmo é presidente da casa dos deputados. Meus amigos isso é o que eu penso, meu ponto de vista.DEUS ABENÇOE O BRASIL.....

Anônimo disse...

Amigos,
João Batista também foi perseguido, avacalhado e acabou decapitado pelos governantes da época.
Só que, como todos sabemos, o Messias não era ele.
==========================
Que Deus me perdõe pela comparação.

"Política sem medo" disse...

Que conversa e essa de que o PT impugnara a candidatura de Bolsonaro em 2018? E voces brasileiros vao esperar essa eternidade para por o PT para correr? Por que Bolsonaro nao pode ser candidato se ele sempre foi reeleito e cada vez com maior votacao para a Camara Federal? Acredito que esta na hora de pararmos de pensar que o PT significa alguma coisa e que faz o que quer. Afinal de contas esse partido tem tanta corrupcao que ja se implodiu por si proprio. Nao ha mais nada a fazer. O povo tem que ir as ruas e exigir que Bolsonaro seja o candidato que o povo quer. Quem e o PT para impugnar candidaturas se nao proibe candidatura ate do fascinora Lularapio? Francamente!

Anônimo disse...

A nossa bandeira jamais será vermelha. A cada dia que se passa já é notória a possibilidade do Bolsonaro ser presidente, e por que não? Quem sai junto chega junto, chega junto quem sai junto.