quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

"Nada está feito enquanto resta alguma coisa a fazer"


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Laércio Laurelli

"Nada está feito enquanto resta alguma coisa a fazer". A reflexão de Joaquim Nabuco é atual e significativa. A humanidade conheceu heróis e vilões que moldaram o curso da história moderna.

As reservas de habilidade, ingenuidade, capacidade de organização e perversidade, fixaram recursos utilizados para desempenhar papel importante na conscientização das questões de tomada de posições estratégicas, na construção de uma sociedade livre e democrática, visando o fortalecimento de uma vida erudita e consciente, acrescida da aspiração sem divergência permeada da garantia dos direitos fundamentais, regrados na devoção e veneração intocável em um conjunto de normas educativas dos deveres e obrigações individuais e coletivas.

Constituição Federal. Deve ser respeitada, ou devemos tratá-la como um sonho? Uma fantasia? Uma ficção? Não, ela representa um texto jurídico, normativo, representativo ao ponto de gerir o caminho civilizado de uma sociedade que aspira, em cada palavra, em cada frase uma relação de ordem pétrea, séria, sob a égide do princípio democrático e, normas com o real significado da intenção e a proposição no sentido da composição em defesa da pátria e do ser humano que compõe o conceito individual e coletivo.

Protegê-la com honra, moral e dignidade, ainda  “por fazer” neste mundo desigual, onde a máxima é a satisfação do “ego” do “eu sou”; da estagnação indolente da alma, tratando de acender os destinos da sociedade para o espaço fértil da alienação mental. Afastar o ócio de o nada a produzir, da perspectiva de mais corrupção e somente assistir a mensagem improdutiva do “Poder”,mensagem esta, perturbadora da ordem e do progresso, fabricada nos moldes da disseminação e destruição da sociedade, alcançando total intensidade, a ponto de pregar e reescrever a história antidemocrática manejada por ideologias difundidas a mercê de fontes de inspiração, determinadas que estão servindo a muitos grupos ou organizações terroristas.

Portanto, faz sentido a reflexão do constitucionalista Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo, que certa vez exclamou: “O verdadeiro patriotismo é o que concilia a pátria com a humanidade”.


Laércio Laurelli, Jurista, é apresentador do programa Direito e Justiça em Foco. Professor da Escola Paulista de Magistratura. Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Um comentário:

Loumari disse...

Quando há crise todos costumam apresentar queixas e procurar culpados diferentes. Assim todos ficam assim bem com a sua consciência.
(Fernando Sobral)