quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

O poder das palavras


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Mário Sérgio Conti

Um dos sinais mais eloquentes da fraqueza do Partido dos Trabalhadores é o seu menosprezo pelo estudo e pela teoria. Ele nunca teve um jornal, a forma por excelência de discussão dos partidos de massa. E a sua revista de estudos, "Teoria e Debate", há décadas sobrevive à margem da dinâmica partidária, pouco influenciando nos seus destinos.

Nesses tempos de convulsão, a ausência de pensamento organizado faz com que o partido medre num deus nos acuda intelectual. No máximo, elefantes da sigla recorrem ao cavalo de batalha de fazer política via grande imprensa, na qual misturam fatos do cotidiano com questões de fundo.

Foi o que ocorreu no fim de semana, com as entrevistas dos ministros Jaques Wagner e Patrus Ananias, o primeiro à Folha e o outro a "O Globo". Wagner disse que o PT errou ao não promover uma reforma política e se "lambuzou"no financiamento de campanhas eleitorais –eufemismo para grossa corrupção.

Já Ananias misturou expressões católicas e maoístas para reclamar de o partido não ter feito nem "exame de consciência" nem "autocrítica construtiva", que conduziriam a um "mea culpa público".

Não é pouco: ambos aludem reformas estruturais e à degeneração de parte da direção do PT, cujos membros abandonaram a defesa de interesses dos trabalhadores para se locupletarem. Mas as suas palavras são largamente insuficientes. Wagner e Ananias não saem do epidérmico, sem avançar uma argumentação consistente. O PT vive assim num paradoxo permanente.

Por um lado, ele é o mais democrático dos partidos nacionais. Faz congressos e conferências periódicas. As minorias se expressam e os filiados votam livremente resoluções as mais diversas. De outro, temas cruciais não são esmiuçados a fundo, de maneira a que se saiba o contexto no qual a organização pretende intervir.

Nessa incongruência, Rui Falcão é o presidente ideal para o PT. Advogado de formação e jornalista profissional, além de leitor de Balzac, ele bem sabe do gume da palavra escrita, do seu valor para definir rumos possíveis e convincentes.

Até agora, porém, Rui Falcão tem usado tudo o que sabe para em matéria de escrita obter o contrário: documentos partidários anódinos, que diluem antagonismos para chegar a obviedades cegas. De caso pensado, prescinde da lâmina cortante da prática afiada em estudos e criatividade.

O menoscabo pela teoria não diz respeito só ao PT. O Brasil teve a sua maior catástrofe ecológica, o rompimento da barragem da Samarco. E a Rede, de Marina Silva, não produziu nada que preste acerca das implicações ambientais do modo de desenvolvimento em vigor.

Não é preciso retornar à sacrossanta herança escravocrata para perceber que ela explica algo, mas não tudo, da pasmaceira intelectual na presente conjuntura. O marasmo não é geral porque há um punhado de exceções. É o caso de André Singer, Paulo Arantes, Tarso Genro e Marcos Nobre, que têm publicado ensaios bastante diversos entre si. O que os une é o silêncio que a direção do PT lhes dispensa.

Como a crise não arrefece (ontem mesmo as bolsas caíram ao redor do mundo), uma hora o partido terá que enfrentá-la a sério. Aí, o PT será obrigado a pensar a sua história e as decisões que vem tomando. Só então as palavras poderão readquirir o seu poder maior, o de nortear a ação. 


Mário Sérgio Conti é Jornalista.

Nenhum comentário: