sábado, 6 de fevereiro de 2016

Carta ao Papa Francisco


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Gheula Canarutto Nemni

Caro Papa Francisco,

No apelo apaixonado pela justiça social que Sua Santidade fez em um discurso aos parlamentares Quenianos em Nairobi na semana passada, S. S. afirmou que "a violência, os conflitos e o terrorismo... são alimentados pelo medo e desespero... nascido de pobreza e frustração."
 
No entanto, nada, nem mesmo desespero, pode justificar o terrorismo.
 
As raízes do terrorismo residem apenas na educação baseada em ódio. Nós Judeus temos muita experiência com desespero. Mas a nossa história mostra outras maneiras mais construtivas de lidar com ele. O desespero jamais foi uma justificativa para que os Judeus cometam atos violentos em nome da nossa religião.
 
Fomos levados, acorrentados, em desfile pelas ruas de Roma enquanto o nosso Santuário em Jerusalém ardia em chamas. Fomos atirados em anfiteatros onde leões famintos e espectadores ansiosos esperavam por nosso sangue. Fomos queimados em autos-da-fé, fomos chamados marranos (NT: porcos), nos foi proibido acender nossas velas e também as orações em nossa língua ancestral foram proibidas. Fomos expulsos da Espanha. Vagamos por muitos países à procura de um novo lar.
 
Fomos massacrados em pogroms, nossas sinagogas foram destruídas, nossos filhos alistados forçosamente em exércitos dos quais eles nunca voltaram. Fomos privados de nosso direito ao trabalho, à propriedade, ao voto e até a falar. Nos foi roubada a dignidade que todo ser humano deve desfrutar por direito, simplesmente por nascer. 

Nossos dentes de ouro foram arrancados de nossas bocas e nossos braços marcados como se fôssemos animais enviados ao matadouro. Foi-nos dito "Volte para a sua terra natal" e agora que estamos em casa eles nos dizem "Caiam fora daí". 

Nós, Judeus, somos uma parte indissolúvel do tecido histórico do nosso mundo. A presença Judaica é o fio comum na maioria dos países do globo. Em todo lugar da terra onde chegamos, nós produzimos poetas, matemáticos, físicos, escritores, políticos, cientistas, médicos, inventores. Mesmo quando fomos trancafiados em guetos nunca paramos de escrever, pensar, discutir, produzindo o bem. Nós nunca colocamos nossas vidas em modo de espera, nem mesmo por pouco tempo.

Apesar de tudo isso, não ficamos cobrindo as cabeças com cinzas por milhares de anos. Nós carregamos o nosso destino em nossos ombros e amarramos a herança dos nossos antepassados ​​aos nossos corações e fomos à procura de um novo lugar onde se pudesse respirar novamente. 
Se você é ensinado que cada instante na terra é a maior riqueza que você possui, e que a vida é o dom mais precioso que você recebeu ao nascer, não há nem tempo nem vontade de chafurdar na auto-piedade. E não há espaço para o ressentimento.

Voltamos, sem nossos pais, nossos irmãos, nossos filhos, nossos maridos e esposas, para a Alemanha, Itália e França. Nós ficamos embaixo das janelas de nossas casas olhando para estranhos em que agora vivem em lugares que nos pertenciam antes da guerra. Arregaçamos as mangas, revelando números tatuados com fogo em nossos braços, e começamos tudo de novo, do zero. 

Os países interessados ​​em ondas de migração devem estudar a história Judaica e o nosso modelo de integração. Em cada novo lugar que chegamos, mantivemos a nossa regra de ouro: Nunca escorregar em nossas lágrimas. 

Nós não ficamos esperando por compaixão dos países que abriram as suas fronteiras para nós. Nós tentamos, desde o início, nos integrar no tecido social do lugar que estava nos acolhendo. E enquanto lhes agradecíamos, contribuímos com nossos talentos para o desenvolvimento e progresso, nosso e deles. 

Há aqueles que usam o desespero como uma justificativa para assassinar inocentes. E há aqueles que põem o desespero de lado, trancando-os na gaveta da memória, e tentam subir de volta ao topo, focando em novas oportunidades.

Caro Papa Francisco, Secretário John Kerry, Hillary Clinton, e centenas de pessoas influentes do mundo que estão à procura de uma razão, por um motivo, por trás da transformação dos indivíduos em estilhaços letais.

Ainda que vocês tenham pesquisado as vidas pessoais, trágicas destes assassinos (embora na maioria dos casos, eles vivam exatamente no mesmo padrão daqueles na sociedade que os rodeia), ainda que eles realmente tenham uma vida difícil, nada, nada, pode justificar um ato de violência cega contra outro ser humano. Nada, nada, pode justificar o privar um indivíduo de outro amanhã. Buscar alguma justificativa significa apenas uma coisa: preparar o solo para o próximo ato brutal, Deus nos livre. 

A História nunca maltratou uma nação mais do que vem maltratando o povo Judeu. Mas em todos os lugares aos quais o vento de ódio já nos transportou, nós temos nos integrado, aprendemos a língua local, recitando de cor Whitman, Eliot e Dickinson (NT: cantando Chico Buarque, comendo arroz e feijão, torcendo fervorosamente pela seleção). Nós inventamos o cheesecake pareve. A integração é algo que você tem que querer e tem de trabalhar todos os dias.

Jamais exigimos do lugar que nos acolheu para se adaptar às nossas regras. "Dina demalchuta dina" - a lei da terra deve tornar-se a sua lei também - diz o Talmud. Integração real, mesmo para o povo mais desesperado, pode ser realizada. Mas isso depende, em primeiríssimo lugar, dos valores transmitidos pela religião, pelas famílias e pelos professores daqueles que acabaram de chegar. E isso depende da vontade de se tornar parte da sociedade de uma forma construtiva e positiva.


Gheula Canarutto Nemni é uma educadora e escritora que vive em Milão, Itália. Seu livro mais recente é (No) si puo avere tutto (Não) se pode  ter tudo, Mondadorid 2015.

8 comentários:

Anônimo disse...

Calado, esse papa é um santo! Mas quando abre a boca, suas idéias equiparam-se às dos comunistas mais rastaqueras que já pisaram neste planeta!!! Ao dar a entender que a pobreza e a desesperança justificam o mal, o terrorismo, inclusive, presta um serviço inestimável ao radicalismo islâmico! Minha dúvida é: seria intencional ou trata-se de simples e inarredável BURRICE? Tinha que ser argentino!!!!
Shalom, Israel!!!!!

Loumari disse...

Notório é que estes judeus não mudam apesar de tudo o que eles sofreram por recusarem a justiça de Deus por fé em Cristo Jesus.
E o mais espantoso é notar que estes mesmos judeus não obedecem a lei de Moisés que são na base os DEZ MANDAMENTOS.
Nos dez mandamentos o nono é:

"Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. (ÊXODO 20:16) "

Diante de Deus de Israel, que nos é testemunha nesta santa hora e neste santo momento, segundo o vosso próprio juízo como se chama o acto da pessoa no anônimo de 9:06 AM???
Quem traiu a Jesus Cristo? Foi um judeu. Judas Iscariotes.
Podem vocês acreditar que aquele Judas Iscariotes é o que é hoje a Instituição a Nova Ordem Mundial.
E aquele Barrabás, o saqueador, o criminoso pelo qual o povo clamou solto, e que o justo Jesus Cristo fosse crucificado, este veio a ser aquele profeta analfabeto e com o seu intimo companheiro o judeu Omar criaram o Islão.

Agora vejamos o que vem escrito na Bíblia:

Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, AOS QUE SE DIZEM JUDEUS E NÃO SÃO, MAS MENTEM; eis que eu farei que venham, e adorem, prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo.
(APOCALIPSE 3:9)


E no judaísmo fundamentalista radical ortodoxo pregam isto aqui:

"Citações do Talmude judaico:
Nidrasch Talpioth, p. 225-G: “Jeová criou o não judeu em forma humana a fim de que o judeu não tenha de ser servido por animais. O não judeu é, portanto, um animal em forma humana e está condenado a servir o judeu dia e noite.”

"Simeon Haddarsen, fol. 56-D: “Quando o Messias vier, cada judeu terá 2800 escravos.”


Como podem notar, estes judeus fazem semblante de ser boa gente, mas na realidade o que eles incubam no coração é áspide de víboras.

Loumari disse...

Judeus são vítimas de sua arrogância. Primeiramente estes sofreram o que sofreram por terem recusado a justiça de Deus por fé em Cristo Jesus. Eles até hoje esperam pelo Messias, só que o Messias já veio, semeou a sua semente e partiu. E voltará para colher o fruto daquilo que ele semeou.
E os judeus não podem se queixar do islão, pois, foram eles mesmos que deram origem ao islão. O islão é a parte mais obscura e primitiva do judaísmo.
Olhem que os muçulmanos matam em nome de um deus e dizem que se lhes é prometido no paraíso 70 ou mais virgens. Todos os outros povos são infiéis e os cristãos são considerados de iníquos pelos árabes muçulmanos. E vão ver que são gentes que não fazem esforço de estudar e trabalhar para superar-se. Se contentam com viver a custa dos outros como verdadeiros gigolôs oportunistas. Acompanhei de testemunhos de muçulmanos que se consideram eles de raça superior. Comparem agora o fundamentalismo islâmico com o fundamentalismo judaico? SIMILITUDES: Vão ver que os judeus levam consigo sinais ostentatórios que lhes distingue de outros povos e religião, seja no costume de vestimentas, como levar na cabeça o Kippa; os muçulmanos têm as mesmas tradições. O que os muçulmanos levam na cabeça é o kippa, só em tamanho maior. Aos judeus lhes é obrigatório a circuncisão do pénis. E os muçulmanos têm por tradição a circuncisão do pénis.
Os judeus têm por tradição o Cacher. E os muçulmanos têm por tradição o halal. A prática executória é exactamente a mesma.

Agora veja só o que se diz e o que se prega no judaísmo radicalmente fundamentalista ortodoxo:

"Citações do Talmude judaico:
Nidrasch Talpioth, p. 225-G: “Jeová criou o não judeu em forma humana a fim de que o judeu não tenha de ser servido por animais. O não judeu é, portanto, um animal em forma humana e está condenado a servir o judeu dia e noite.”

"Simeon Haddarsen, fol. 56-D: “Quando o Messias vier, cada judeu terá 2800 escravos.”

Isto aqui tem muita similitude com o que se prega no islão. O islão é a asa do judeu. No alcorão há sorates que julga severamente os judeus acusando-lhes de serem assassinos dos profetas. E hoje quem são os que são assassinos de Cristãos? São muçulmanos que dão continuidade as obras dos seus pais, judeus obscurantistas. Como judeus tratam os não judeus de animais, os muçulmanos tratam cristãos de porcos. Não é a mesma coisa? Portanto sem vergonha eles comem pão dos que eles chama de porcos. Gostam do dinheiro do porco.
E quem fundou o islão foi um judeu de nome Omar, que era muito ligado ao profeta analfabeto. E quando os muçulmanos dizem que o islão é religião de amor, é certo que é religião de amor. Mas de amor de dois homens.
Ao profeta analfabeto lhe é atribuído nove (9) mulheres. Mas para a maior surpresa de todos, ele teve ZERO herdeiro. Como nos explicam isso? E este vivia noite e dia com o judeu Omar. E em volta do judeu Omar também, tão-pouco se acha família. E aquela posição do islão de levantar o posterior, é a posição de submissão do analfabeto para receber a bengala do judeu, seu marido.
E como podem notar o que é da citação do Talmude, observem a Nova Ordem Mundial? Qual é a intenção deles? Terem o povo do mundo submetido aos reis donos do mundo. E resulta que incrivelmente o islão traz este mesmo discurso. O islão vai dominar o mundo. E todos os não muçulmanos são iníquos e devem ser todos eles exterminados. Observem o que vem ali acima no Nidrasch Taipioth, folha 56-D?
Os que movem com toda a economia mundial, são judeus. E dos judeus foi fundando a ordem maçónica. Os illuminatis. Esta é a parte civilizada do judaísmo. Todos os bancos são deles. E vão ver em Anvers (Bélgica) o centro mundial dos diamantes, tudo pertence aos judeus.
Sinto muita pena de muçulmanos! Eles se constituíram escravos de judeus. Onde o Cristão foi libertado por Jesus Cristo.

Continua

Loumari disse...

Hoje assistimos a desumanização total nos seguidores de allah. Gostaríamos de saber qual é a verdadeira definição do amor nos muçulmanos?
Porque o cristão ama ao seu próximo como a si mesmo; este é o seu guia que lhe dá acesso ao paraíso. Isto é o que lhe faz a semelhança de Deus, que criou tudo isto aqui por amor ao ser humano. E Deus enviou ao mundo seu filho unigénito para provar a nossa condição humana, conhecer os nossos limites, por amor a nós.
Em câmbio no muçulmano, o seu sentimento fundamental é matar a todo aquele que não adere a sua ideologia perversa, assassina e diabólica. O muçulmano rouba, mente, mata, destrói tudo, coisa que ele nunca construiu. É isto amar a Deus? O muçulmano nem sequer sabe amar seu pai e sua mãe. E o pior que assistimos é constatar que na tradição islâmica, as mães educam seus filhos a matarem os infiéis. E nesta mesma religião islâmica, a mulher é retrogradada na posição muito inferior a do homem. A mulher muçulmana é colocada no degrau que nem o cão lhe é reservado melhor consideração. Até hoje a mulher saudita não tem direito de conduzir nem sair de compras sozinha. Deve estar sempre acompanhada por um homem.

"Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão.
(FILIPENSES 3:2)


Ai do mundo, por causa dos ESCÂNDALOS; porque é necessário que venham escândalos, mas ai daquele homem por quem o escândalo vem!
(MATEUS 18:7)


O ladrão não vem senão a roubar, a matar e a destruir.
(JOÃO 10:10)

Paulo Afonso disse...

A INTELIGÊNCIA NOS HUMAN0S TEM LIMITES, MAS A BURRICE NÃO TEM NÃO !!!

Paulo Afonso disse...

A inteligência humana tem limites, mas a burrice não tem não !! Bergóglio está mais para ORGÓGLIO ( orgulho )

Anônimo disse...

Tudo acima contra os judeus seria o preço da passagem: "E todo povo respondeu: o seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos". Mt 27,25?
Seria decorrencia desse desafio a Jesus Cristo?

Anônimo disse...

A verdade esta nos arquivos do
henrymakow.com