quarta-feira, 13 de abril de 2016

O Brasil nas mãos do STF - Entre a Guerra Civil e a Ditadura do Judiciário


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Milton Pires

Toda entrevista, recentemente dada pelo Ministro Marco Aurélio Mello, no programa Roda Viva e todas as manifestações de José Eduardo Cardozo, Advogado Geral da União, tem uma só mensagem - O Impeachment vai ser "judicializado". Isto quer dizer o seguinte: independente do resultado das votações na Câmara e no Senado, o Regime Petista não pretende abandonar o Governo. A luta que o Partido Religião pretende lançar tem dois fronts - um no Supremo Tribunal Federal e outro nas ruas (e fundamentalmente no campo). 

Recentemente, Percival Puggina, num magnífico artigo, previu aquilo que pode acontecer se o STF se dobrar ao PT. Teremos uma "Ditadura do Judiciário". O PT vai levar o Brasil em direção à Venezuela com um Governo que contará com o apoio dos "Juízes de Lula" (termo que uso para lembrar os famosos "juízes de Hitler"). Se o STF não aceitar a pressão petista e resolver, para desespero do PT, respeitar as decisões do Câmara e do Senado, o partido vai levar a Nação à Guerra Civil. 

O impeachment vai passar! Disso já não tenho mais dúvida alguma. Temo é pela postura do STF. Esse mesmo STF que Lula chamou de covarde e que precisa curvar-se a um homem que disse que "a justiça não vale nada, o que vale são as relações entre as pessoas". 

O PT, em toda sua história, sempre soube que, em algum momento, não contaria mais com o dinheiro dos empresários corruptos nem com a grande imprensa comprada, sempre entendeu que lhe restariam os compositores dos anos 60 e os artistas da Lei Rouanet. Foi por isso que ele, PT, tomou o cuidado de aparelhar a suprema corte da nação. Chegou a hora de cobrar a conta dos juízes, dessa verdadeira legião de militantes, advogados, pais de desembargadoras nomeadas por Dilma, e de gente que sequer (em alguns casos) jamais passou num concurso da magistratura. É o STF que vai decidir se vamos em direção à Ditadura do Judiciário ou à Guerra Civil, não há meio termo, não adianta falar em GRENAL, não adianta apelar para "união" nem para "salvação do Brasil". 

Tendo o MST e MTST lançado o país numa situação infernal, caberá às Forças Armadas (FFAA), estas mesmas FFAA a quem muitos apelam como se ainda fossem aquelas de 64,  decidir de que lado estão. Já disse e repito que não confio no Exército. Nada significam para mim suas manifestações dizendo que "vão manter a ordem" e "respeitar a constituição". O Exército fundamenta-se na hierarquia e na disciplina. Isso, nem o PT conseguiu mudar.

Apontada a saída da Ditadura do Judiciário, o Exército vai sim, voltar-se contra o povo. Se o STF disser que aprova a decisão da Câmara e do Senado de tirar Dilma do governo, o Exército precisará, nos campos e nas ruas, enfrentar o PT. 


Milton Simon Pires é Médico.

Nenhum comentário: