quinta-feira, 5 de maio de 2016

Catapimba


No Brasil de Bundas, bundões e porcos corruptos

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Maurício Mantiqueira

A Anta, enfim, levou um catiripapo no escutador de tango.

Catatônica pede água tônica. Água que passarinho não bebe.

Cataléptica, procura uma saída elíptica para evitar mais crítica.

Catavento para armazenar.

Catarse nacional; a Anta é macuco no embornal. Vai se catar !

Catota do nariz de senadora de chupeta, não esconde mais a mutreta.

Catapora de Anta que está fora, contamina mina sem demora?

Catetos, caititus, porcos do mato, todos primos do javalí.

No planalto criou-se a ordem do bicho; “Já vali muito; hoje não valho mais nada!”

Na falta de cateter, apliquemo-la um clister.

Refazer o país é mister.

De má catadura, a Anta já sabe que não dura.

Tchauzinho! Beleza pura.

Não há mal que não se acabe nem bem que sempre dura.


Carlos Maurício Mantiqueira é um livre pensador.

Um comentário:

Loumari disse...

Arrivederci!
Ci vediamo.