quarta-feira, 15 de junho de 2016

Machado pode cortar o barato de Temer?


2a Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Dúvidas que serão sanadas brevemente em nossa guerra de todos contra todos no Brasil alimentam o gravíssimo impasse institucional em ritmo de ruptura. A cúpula do Poder Judiciário, especialmente o ministro Teori Zavascki, resolveu detonar os principais políticos com qual objetivo? Quer promover uma limpeza de fato? Deseja dar o troco em políticos que ousaram citar nomes de ministros do Supremo Tribunal Federal em tentativas de obstruir o judiciário? Ou pretende gerar condições para a impossível volta de Dilma Rousseff à Presidência da República?

Independentemente da resposta correta, o Executivo e o Legislativo já estão em xeque-mate, no mínimo desde o afastamento temporário de Dilma Rousseff para o início do processo de impeachment. O Presidento interino Michel Temer fica com o filme queimado ao ser envolvido na delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que enrolou 20 políticos no esquema de recebimento de propinas na Petrobras. O caos pode aumentar se Eduardo Cunha, pt da vida com sua queda, resolver delatar "o diabo e o mundo"... O "Malvado Favorito" sabe muito sobre todos nos três poderes...

PT, PMDB, PP e PSDB estão na corda bamba - quase se arrebentando no inferno. Aécio Neves, presidente do PSDB e senador, também se torna carta fora do baralho para a próxima eleição presidencial com as revelações de Machado. Lula já está ferrado e quase denunciado na Lava Jato ao juiz Sérgio Moro... Marina Silva, até outro dia intocável, entra na dança com as denúncias de dinheiro de empreiteiras para suas campanhas... E a sucessão de 2018, ainda distante, fica aberta para "nomes novos"...

Imediatamente, quem fica em péssimas condições é Michel Temer. A Petelândia vibra e pira porque o delator Machado revelou que Temer lhe pediu doações para a campanha de Gabriel Chalita (PMDB) à Prefeitura de São Paulo, em 2012. Machado revelou que o acerto com Temer aconteceu em setembro de 2012, em conversa na Base Aérea de Brasília. O delator assegura que ele e Temer acertaram um valor de R$ 1,5 milhão. A doação foi feita pela empreiteira Queiroz Galvão. Temer, claro, nega tal conversa...

Machado também confidenciou que Aécio Neves recebeu, na campanha de 1998, R$ 1 milhão em dinheiro obtido de forma ilícita, para financiar a bancada do partido na Câmara e no Senado. O dinheiro veio de um fundo montado por Machado, Aécio e o então senador Teotonio Vilela, que era presidente nacional do PSDB na época. O plano era “eleger a maior bancada federal possível na Câmara para que pudessem viabilizar a candidatura de Aécio Neves à presidência da Câmara dos no ano 2000”.  

Sérgio Machado assegurou ao MPF que todos os políticos citados por ele “sabiam” do funcionamento do esquema de corrupção capitaneado por ele na estatal. O delator ressalvou que, “embora a palavra propina não fosse dita, esses políticos sabiam, ao procurarem o depoente, não obteriam dele doação com recursos do próprio, enquanto pessoa física, nem da Transpetro, e sim de empresas que tinham relacionamento contratual com a Transpetro”. De acordo com Machado, empreiteiras que mantinham contrato com a estatal realizavam pagamentos mensais de propinas para políticos, parte por meio de entrega de dinheiro vivo e parte por meio de doações oficiais como forma de garantir os contratos com a estatal que era zona de influência do PMDB.

Machado corta a cabeça de muitos poderosos. Listou que os seus padrinhos na indicação para a Transpetro foram Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá, José Sarney e Edison Lobão. Machado assegurou que "estes políticos receberam propina repassada pelo depoente tanto por meio de doações oficiais quanto por meio de dinheiro em espécie"; Machado também garantiu que repassou propina, via doação oficial, para os seguintes políticos: Cândido Vaccarezza, Jandira Feghali, Luis Sérgio, Edson Santos, Francisco Dornelles, Henrique Eduardo Alves, Ideli Salvatti; Jorge Bittar, Garibaldi Alves, Valter Alves, José Agripino Maia, Felipe Maia, Sergio Guerra, Heráclito Fortes, Valdir Raupp.

Sérgio Machado reiterou que Michel Temer lhe pediu que obtivesse doações oficiais para Gabriel Chalita, então candidato a prefeito de São Paulo. 

Leia os originais das Delações de Sérgio Machado tiradas do sigilo de Justiça pelo Supremo Tribunal Federal.


Releia o artigo desta quarta: Estatais continuam aparelhadas, STF não mexe com cúpula do PMDB e Lula teme prisão de familiares

Reveja também: Teori detona Moro, e estrategistas avaliam que Lula só terá problemas quando Dilma for "impichada"


As delações premiadas da Lava Jato ainda vão provocar estragos inimagináveis no seio da desqualificada classe política tupiniquim. As dúvidas sobre os reais objetivos da cúpula do judiciário ficarão mais claros a partir de quarta-feira da semana que vem (dia 22), quando o STF vai decidir se mantém ou não a prisão de condenados após julgamento em segunda instância. A decisão pode antecipar cadeia para dezenas de políticos que apenas sobrevivem graças aos infindáveis recursos judiciais.

Enquanto isso, o Brasil segue suportando a maior crise econômica de nossa História, ainda sem previsão de quando o quadro negativo e pessimista possa se reverter. Cada pancada jurídica que Michel Temer leva complica sua sustentabilidade política. A dúvida concreta é se Machado, com sua delação homologada pelo STF, conseguirá cortar o barato do substituto provisório de Dilma Rousseff - a calamitosa presidanta.

O mercado financeiro é pragmático. Aposta que pode ganhar muito dinheiro na interinidade de Temer e se ele for proclamado Presidente definitivo, a partir de agosto. Por isso, as avaliações iniciais são de que as denúncias de Machado são ruins, porém contornáveis. A avaliação inicial é que Temer sobrevive, porque tem apoio do poder econômico. No entanto, segue na defensiva, o que pode complicar a situação geral, caso a Lava Jato lhe traga novas "surpresas" desagradáveis.

Quem continua bem nesta foto?


Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 15 de Junho de 2016.

3 comentários:

Anônimo disse...

O meu lamento é o pais inteiro se fazer de espantado com um crime que é comum desde sempre, nos municípios, estados, e no governo federal... LEMBREM DO LALAU ATÉ NO JUDICIARIO...

Paulo Figueiredo disse...

Eu continuo agradecido ao deputado Eduardo Cunha. Se eu estivesse nesta foto, continuaria. Não sou pautado pela Rede Globo de Televisão.

joao pedro bloch disse...

Apoio o Sr.Figueiredo.