quinta-feira, 23 de junho de 2016

Quando o STF vai cuidar do Renan e do Lula?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

A politicagem de Brasília amanheceu surpresa com a prisão preventiva de Paulo Bernardo - ex-ministro do Planejamento de Lula e das Comunicações de Dilma, além de importantíssimo ideólogo petista. A esposa dele, senadora Gleisi Hoffmann, ainda não entrou na mesma dança. Mas o casal teve a cobertura no nobre bairro de Água Verde, em Curitiba, vasculhada pela Polícia Federal - que também baixou na sede do PT, em São Paulo. O dia promete enormes e tristes emoções para a petelândia.

A operação "Custo Brasil", desdobramento da "Pixuleco", investiga contratos de R$ 100 milhões no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão entre 2010 e 2015Paulo e Gleisi sofrem suspeitas de que R$ 1 milhão desviado da Petrobras abasteceu em 2010 a campanha ao Senado da parlamentar. O delator Antonio Carlos Pieruccini informou que transportou o dinheiro, em espécie, de São Paulo para Curitiba em quatro viagens e que entregou a quantia para Ernesto Kugler, empresário considerado próximo de Gleisi. O caso corre pela 6a Vara Criminal Federal em São Paulo, e não pela vara do Sérgio Moro...

A Lava Jato segue a todo vapor. Quem está pertinho de se ferrar, a qualquer momento, é outro casal: o deputado Eduardo Cunha e sua mulher Claudia Cruz. O presidente afastado da Câmara é cabra marcado para perder o mandato. Ontem, foi detonado no Supremo Tribunal Federal, que acolheu denúncias sobre as contas milionária de Cunha na Suíça. A torcida, agora, é que o STF também promova o mesmo rigor contra uma outra figura poderosíssima: Renan Calheiros, Presidente do Senado. E também contra outra com mais poder ainda: Luiz Inácio Lula da Silva e família...

Está pegando muito mal aceitar, passivamente, que um processo proposto pela Procuradoria Geral da República contra o Presidente do Senado tramite a mais de 1.200 dias (mais de 3 anos e 4 meses)... Aliás, processos de menor gravidade republicana tramitam com igual ou menor celeridade na corte suprema. Vale lembrar que em 2014, foi parar no STF dois processos de furto de galinhas. Agora a gente entende porque o bate-boca entre Jair Bolsonaro e Maria do Rosário acabou supremamente criminalizado.

Nas sociedades ocidentais e ditas republicanas, é tradição a existência de uma instância do poder moderador (vulgo Poder Judiciário) investido da função ou prerrogativa de supervisionar a guarda dos princípios constitucionais. É nesta instância que repousam as esperanças das sociedades ocidentais de verem preservados e aprimorados os princípios republicanos de democracia - fundamentalmente ligados à igualdade dos direitos entre todos os cidadãos.
A suprema corte brasileira, o STF, encarregado da guarda dos direitos republicanos e democráticos dos cidadãos brasileiros há muito tempo abdicou destas sublimes responsabilidades. Ao permitir que tramitassem naquela instância assuntos relativamente banais, confundindo-se com outros Tribunais, oportunizou que todo e qualquer argumento processual se transformasse em debate de constitucionalidade.
A Constituição, conhecida nos meios técnicos como Carta Magna, estabelece os princípios de toda Nação. Uma pátria se molda a partir de seus princípios constitucionais. A salvaguarda destes princípios, na República, é uma das mais sagradas atribuições do Poder Moderador. Como disse em entrevista coletiva o digníssimo Procurador Geral da República, Doutor Janot, pau que bate em Chico também bate em Francisco.
Ao instaurar inquérito para apurar as responsabilidades penais das falas destemperadas e alopradas do deputado federal Bolsonaro, que reagiu a xingamentos do mesmo baixo nível proferidos pela Maria do Rosário, fica aberta a oportunidade deste mesmo deputado exigir, em juízo, reparações àqueles que o chamam de torturador, assassino e estuprador. Afinal, todos respondam também pelas mesmas falas destemperadas e alopradas.
Enquanto isso, a sociedade brasileira continua refém de uma oligarquia, uma zelite política corrupta, cruel, inescrupulosa e sem a menor noção de princípios republicanos ou democráticos.
Deste cenário os brasileiros estão cansados. Muito cansados. Por isso, o Judiciário não pode se comportar como Judasciário. A barbárie jurídica não pode alimentar a guerra entre os poderes, pois pode acelerar um processo de ruptura institucional com repercussões surpreendentes e inimagináveis.
Onze a zero


Abrindo a canastrinha


É de casa


Neologismos


Pronto para cair


Sonolenta defesa


Festas juninas


Love Story Policial



Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 23 de Junho de 2016.

7 comentários:

Anônimo disse...

O judiciário citou umas patifarias que antes podia e agora não pode mais, bater na mulher podia, dirigir bêbado podia, roubar na politica podia... Então e o resto ainda pode??? Simples processos com mais de dez anos sem solução, doações de títulos de propriedades para parentes e amigos, vender sentenças para soltar traficantes, contrabandistas, bicheiros, censurar que divulguem, salários, crimes, privilégios e todo tipo de armação, não permitir uma corregedoria nem a modificação na lei da magistratura, até parece que não sei mas o exemplo tem que vir de cima, para que os municípios e estados parem com as sabotagens e trabalhem para o bem do pais...

Anônimo disse...

O judiciário citou umas patifarias que antes podia e agora não pode mais, bater na mulher podia, dirigir bêbado podia, roubar na politica podia... Então e o resto ainda pode??? Simples processos com mais de dez anos sem solução, doações de títulos de propriedades para parentes e amigos, vender sentenças para soltar traficantes, contrabandistas, bicheiros, censurar que divulguem, salários, crimes, privilégios e todo tipo de armação, não permitir uma corregedoria nem a modificação na lei da magistratura, até parece que não sei mas o exemplo tem que vir de cima, para que os municípios e estados parem com as sabotagens e trabalhem para o bem do pais...

Anônimo disse...

Serrão seu blog como sempre está impecável, mas não li nada sobre as patifarias do Eduardo Campos... A coisa tá fedendo...

Anônimo disse...

Cleonice I Ferreira:
Nós o povo brasileiro esperamos que não aconteça com a Lava Jato, o que aconteceu com o "mensalão", uma meia justiça não é justiça e sim injustiça completa. No escandaloso Mensalão foi condenados os compradores e nem se quer foi mencionado os nomes dos vendedores. Onde estão os vendedores? Porque não foram condenados?
Sabemos que uma andorinha só, não faz verão.
Na situação em que encontra o nosso país faz urgente uma Intervenção já!
BRASIL! AME-O OU DEIXE-O!

Anônimo disse...

Cleonice I Ferreira:
Nós o povo brasileiro esperamos que não aconteça com a Lava Jato, o que aconteceu com o "mensalão", uma meia justiça não é justiça e sim injustiça completa. No escandaloso Mensalão foi condenados os compradores e nem se quer foi mencionado os nomes dos vendedores. Onde estão os vendedores? Porque não foram condenados?
Sabemos que uma andorinha só, não faz verão.
Na situação em que encontra o nosso país faz urgente uma Intervenção já!
BRASIL! AME-O OU DEIXE-O!

Anônimo disse...

Lula no STF? Porque? Ele não tem foro privilegiado. Ele tem que ir para a 'vara' do Dr. Sérgio Moro.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

A Justiça Brasileira "ferra" somente uns poucos "bodes expiatórios" para fazer de conta que existe alguma justiça aqui em Pindorama. Os mais recentes são Cunha e Bolsonaro,este último por uma bobagem qualquer que ele disse (e que eu também diria) ,talvez até para "melar" a sua candidatura à Presidência. Inclusive nunca gostei do Deputado Bolsonaro,que acho demagogo demais,mas que a partir de agora até eu votaria nele como vice do General Mourão,que seria o mais habilitado para preencher essa trágica lacuna,sempre ocupada por impostores,um pior que o outro. A história do "mensalão " prossegue agora com o "petrolão",onde os grandes sempre escapam.