segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

É fácil dizer que todos têm de ser iguais


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Luiz Eduardo da Rocha Paiva

Caros amigos: Tenho visto na mídia muitos "entendidos " e "senhores da verdade" dizerem que as reformas da Previdência têm que ser iguais para todas as profissões.

Minha opinião é que o Tesouro Nacional não pode arcar com prejuízos acima dos que sejam sustentáveis e, assim, é possível que tenha de ser feito algo para atualizar descontos e/ou implantar outras medidas, em todas as carreiras, inclusive a militar. No entanto, carreiras distintas jamais poderão ser tratadas de forma igual, pois igualdade nunca foi sinônimo de justiça. Aliás, a legislação que ampara as pensões militares não é a da Previdência, portanto, os militares nunca poderíam ser incluídos nessa reforma previdenciária.

Porém, digamos que "entendidos" e "senhores da verdade" estejam certos e que todos devam ser tratados de forma igual para fins de "aposentadoria".
Nesse caso, proponho igualar, não a profissão militar às civis, mas sim estas à militar.

Dessa forma, a partir de hoje:

- as profissões civis não poderão mais se sindicalizar, nem fazer greve;

- os civis não receberão gratificações por horas extras;

- o horário de trabalho não será fixado em 8 horas diárias, podendo se estender de acordo com as determinações dos chefes ou a necessidade do serviço;

- haverá serviço de escala diário, inclusive nos finais de semana, sem remuneração e sem compensação de repouso;


- o trabalho não terá mais uma cidade fixa, pois o Brasil será o "local de trabalho" de todos (se a família não puder ir, "dane-se" o prejudicado);

- todos serão responsáveis diretos na defesa do Brasil, assim, os civis deverão cumprir algumas semanas durante o ano em atividades de instrução militar, sem direito à gratificação de risco de vida, mesmo em atividades com explosivos ou em terrenos como selva, montanha, etc;

- em casos de emergência, poderão ser utilizados, também, na segurança interna em missões de garantia da lei e da ordem, de segurança pública ou defesa civil;

- os civis deverão descontar para aposentadoria, mesmo depois de aposentados e pelo resto da vida;

- até completar 68 anos, os civis poderão ser chamados de volta ao trabalho, em caso de necessidade;

- todos terão um Regulamento Disciplinar com mais de uma centena de regras e, se deixarem de cumpri-las, poderão ser punidos com repreensão, detenção ou prisão disciplinar (a permanente reincidência poderá gerar expulsão da carreira, sem remuneração, após o devido julgamento em tribunal específico);

- a apresentação e a conduta individual, no trabalho e nas ruas, deverão primar pela sobriedade, portanto, cuidado com os traje, gestos e manifestações individuais;

- os estudantes que colarem ou fizerem greve serão expulsos dos estabelecimentos de ensino;

- todos os civis estarão sujeitos ao "serviço civil obrigatório", após os cursos técnicos ou superiores que fizerem, da modo a diminuir a deficiência de pessoal nas áreas mais carentes do Brasil, inclusive, na Amazônia;

- se não fizerem cursos de aperfeiçoamneto, não serão promovidos aos cargos superiores, nem terão seus vencimentos corrigidos a maior do que os reajustes normais e não poderão acumular gratificações;

- no trato com superior hierárquico ou funcional, deverão chamá-los de "senhor", ceder-lhes assentos, prioridades em situações diversas e outras regalias e, estarão sujeitos a sanções disciplinares caso se exaltem com eles em eventuais atritos; e ...

... cansei.

Por outro lado, as lideranças, que foram tão celeres em exigir sacrifícios, primeiro deveríam dar o exemplo. Isso seria uma forma de minimizar um pouco a responsabilidade que têm por terem quebrado e afundado o país.

Os três Poderes da União, precisam saber que o exemplo vem de cima e que, sem ele, não convencerão a nação a aceitar sacrifícios. A sociedade tem consciência de que arcará com um pesado ônus para ajudar o Brasil a sair do abismo, mas exige que as lideranças apertem, e muito, os próprios cintos. Nos altos escalões do serviço público existem megassalários turbinados por benesses complementares, cuja legalidade sem legitimidade afronta a justiça e espolia o contribuinte.

Antes de modificar as regras da previdência ou aumentar impostos, cujas consequências mais pesadas recairão nas classes médias e inferiores, a liderança nacional tem que cortar na própria carne.

Congele, temporariamente, os reajustes salariais nos mais altos escalões, diminua a diferença de vencimentos entre os graus hierárquicos e busque a isonomia entre servidores de mesmo nível lotados em diferentes Poderes. Normatize a concessão de direitos especiais, mantendo apenas os justificáveis, pela necessidade e legitimidade.

Reestude a concessão e o valor desses direitos especiais como: passagem aérea gratuita; transporte em aeronave oficial; cota gratuita de combustível; transporte terrestre gratuito; indenização para pagamento de auxiliares de gabinete; indenização para remessa de correspondência; aposentadoria após dois mandatos de deputado; planos de saúde privilegiados; auxílios paletó, ensino e moradia, este último a quem tenha residência própria ou disponibilizada; e outras mordomias inexplicáveis.

São vencimentos indiretos para quem já se encontra no topo da pirâmide salarial, muitos deles pagos em todos os estados da Federação. A economia feita com a revisão desses megavencimentos e privilégios não resolverá a crise econômica do país, mas é a única forma de conferir base moral ao governo para pedir ou impor sacrifícios aos demais setores da sociedade, alguns sem reservas para cortar.

Isso é utopia, dirão muitos, pois a liderança pensa apenas em seus interesses e não no bem da nação. Têm razão em pensar assim. Não se espera espírito público em uma liderança patrimonialista e corrompida, que afronta a nação com mentiras ao explicar suas manobras para usurpar o tesouro nacional em benefício próprio.

Infelizmente, essa doença moral também contaminou a sociedade, que perdeu referenciais de dignidade ao ser submetida a uma sistemática orquestração contra os valores morais, sociais e cívicos. A cura não virá de partidos políticos desmoralizados e descompromissados ou de eleições incapazes de aperfeiçoar, por si só, a democracia como se tenta iludir a nação. Um choque de valores terá de vir da sociedade, ser aplicado nela própria, assimilado pelas famílias e por um sistema educacional moral e profissionalmente recuperado, capaz de formar cidadãos íntegros e cientes de suas responsabilidades cívicas.

Então, como ter esperança? Ora, essa liderança falida não tem mais certeza da impunidade e a sociedade, não mais omissa, exige que os envolvidos em corrupção e gestão populista predatória sejam punidos, estejam ou não no poder. Por singela que seja a explicação, a operação Lava Jato despertou a esperança de um país mais digno e justo no futuro. Não ousem pará-la.

A nação permaneça nas ruas e deixe bem clara a mensagem. Querem sacrifícios? Deem-nos exemplo e esperança.


Luiz Eduardo da Rocha Paiva é General de Brigada, na reserva.

16 comentários:

Loumari disse...

Para completar a redacção do Big Brother Luís Paiva, achei nos meus e'mails o jornal do Alerta Total que foi publicado no dia 19 Sep 2013
Queiram por favor ler o tal artigo e vede agora três anos depois para que direcção evoluiu a situação Social - Político - Económico do Brasil!

Loumari disse...

Por Jorge Serrão
Posted 19 Sep 2013

A Suprema Maldição do País dos Bruzundangas

O prolongamento da impunidade aos mensaleiros consagrado ontem no Supremo Tribunal Federal e a briga diplomática inútil contra os Estados Unidos da América por causa da espionagem descontrolada podem comprometer a então assegurada vitória reeleitoral de Dilma Rousseff em 2014. Eis a análise correta de conjuntura sobre os mais graves acontecimentos institucionais em Bruzundanga – País Capimunista, subdesenvolvido, desgovernado pela democradura do Crime Organizado, rumo a perder totalmente a soberania diante do globalitarismo.

O voto político, porém tecnicamente jurídico, do decano semideus do supremo Celso de Mello consagrou ontem a capitulação do Brasil diante do processo globalitário. O Celso Jurídico indicou qual será a tônica de submissão transnacional do País ao advertir que o Brasil deveria submeter sua soberania a acordos e tratados internacionais firmados por nossa diplomacia. Mello praticamente decretou a inutilidade da soberania prescrita em nossa Carta Magna. Um cara bem pago para ser o guardião da Constituição não poderia votar assim. Mas votou... E embargou ainda mais o Brasil...

Assim, mais que decretar a simples validade de embargos infringentes (beneficiando mensaleiros condenados pelas vias da exceção, pelas teorias do domínio do fato, e não por provas mais concretas e objetivas), Celso de Mello indicou uma pretensa jurisprudência para submeter a vontade nacional da Nação. Tal crime de lesa pátria é tão ou mais grave que outro já cometido pela corte suprema tupiniquim, ratificando a criação das Nações indígenas em terras de fronteira cheias de fontes de água e outras riquezas minerais estratégicas.

Aparentemente, com a impunidade prolongada aos mensaleiros, de forma justa ou injusta, a petralhada teve ontem uma ilusória sensação de mais uma vitória rumo à consolidação do seu ilusório projeto de poder. Na verdade, os petralhas são meros agentes-fantoches que prestam serviços regiamente bem pagos à Oligarquia Financeira Transnacional que deseja submeter o Brasil ao atraso permanente, como aquela típica colônia de exploração mantida na miséria, em nome da Nova Ordem Mundial.

Economicamente falando, o Brasil ruma para um falso progresso material, com crescimento em algumas áreas e cada vez mais concentração de renda de quem a detém e consegue multiplica-la. A classe média vai no ritmo da massa consumista, até o dia em que a casa caia... Se é que vai cair mesmo, já que a pujança do País produz milagres que evitam ou adiam a plena realização do caos econômico.

Politicamente falando, caminhamos para a consolidação do modelo Capimunista, com o Estado se metendo cada vez mais em tudo e interferindo de forma crescente na vida das pessoas, pela via do regramento excessivo. Tudo pela ação do Executivo, com o respaldo do Legislativo e o referendo do Judiciário em uma cínica democradura que encena sessões como as de ontem, no STF. A republiqueta, com o dogma da urna eletrônica infalível, inquestionável e inauditável, se perpetua como um cachorro que corre atrás do próprio rabo...

Agora, não adianta chorar lágrimas de crocodilo no lodaçal institucional. O Brasil é um País que não quer se solucionar, porque seu povo não foi historicamente preparado para tal vocação. E a Pátria é um sentimento tão insignificante para a esmagadora maioria dos brasileiros que só aparece uma única vez na longuíssima Constituição de 88...

Portanto, aos vencedores de ontem, as batatas podres... Com direito até de convidar para o repasto todos aqueles incapazes de reagir contra as coisas erradas. Um País que só não acaba porque nem sabe bem como, quando e por onde começa...

Eis a suprema maldição do País dos Bruzundangas – que o imortal cachaceiro Lima Barreto já tinha revelado em um magnífico livro que um outro bendito cachaceiro nem chegou perto de ler, por ignorância, vagabundagem e soberba...

Anônimo disse...

E eu que pensava que a vida de um militar das Forças Armadas era moleza, que ganhava um salário igual a de um civil em função semelhante, que como não sendo o Exército, uma força auxiliar da policia militar do DF, ganharia pelo menos igual as membros da PM.Sendo assim não quero nunca pertencer às Forças Armadas brasileiras, para ganhar migalhas, como declarou certa vez o grande onestíssimo Lula e ainda ser humilhado por ele,lembrem o que ele disse:“Eu não sei se cabe a esses militares gostarem ou não gostarem. Ela, Dilma, é a chefa (sic) suprema das Forças Armadas. Indicou o ministro da defesa e acabou. Não se discute. Estou cagando e andando para esses caras. Os militares, no meu governo, tiveram que me aguentar e viviam me enchendo o saco, pedindo migalhas de reajuste(parece que ainda continua assim). Pediam uma coisa, eu enrolava e nunca dava o que eles pediam. Depois dava uma esmola qualquer e não me sacaneavam mais. Não tenho medo deles. Nunca tive.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

General Paiva: Infelizmente é da tábua de valores dos brasileiros um sentimento altamente egoísta.O brasileiro pensa assim: "se eu me 'ralo" todos têm que se ralar". Isso quer dizer que ao invés dele buscar os seus direitos,a satisfação pessoal só virá com a retirada dos direitos dos outros.

Anônimo disse...

Cleonice I Ferreira disse:
Excelentíssimo General Luis Eduardo da Rocha Paiva, acredito que todo brasileiro patriota concordaria com todo o exposto em seu artigo. O povo não têm nenhuma ilusão quanto a melhoria por meio de eleições ou mil medidas de pacotes contra corrupção colocadas no papel. Uma coisa é colocar em papel, outra coisa muito diferente é aplicar a lei.
Senhor general,nos brasileiros já não perguntamos até quando toleremos um estado sem ordem, sem lei e sem progresso. Sabendo da gravíssima situação em que vivemos já nos preparamos para viver tempos incertos. Como planejar qualquer ação sem a mínima segurança jurídica? Por que trabalhar doze ou mais horas sem ter a mínima segurança?
Sabemos que a vida de um soldado das forças armadas é muito laboriosa, sabemos mais, o abuso de colocar os soldados em favelas para levar tiro na cabeça, como recentemente assistimos nos noticiários, digo mais, é indigno coloca-los para combater dengue, trabalhar como pedreiros em um país onde o que mais têm é desempregados.
Soldados Senhor General foi treinado para a segurança da soberania de seu país, não para ser tratado como "instrumento de capricho" de um governo sem a mínima credibilidade.
Não sei se o Senhor entenderá minha humilde posição, mas agradeço se dignar a dar um pouco de sua atenção.


Anônimo disse...

É, realmente é fácil na hora de meter a mão no bolso, dizer que todos são iguais e tem que contribuir, na marra. E a MP do mal(2215/2001) que "esfaqueou" os militares e até hoje não foi votada? Só lembram dos militares para sacanear e fazerem trabalhar pelo país fazendo de tudo o que se imagina.

Anônimo disse...

É, realmente é fácil na hora de meter a mão no bolso, dizer que todos são iguais e tem que contribuir, na marra. E a MP do mal(2215/2001) que "esfaqueou" os militares e até hoje não foi votada? Só lembram dos militares para sacanear e fazerem trabalhar pelo país fazendo de tudo o que se imagina.

Anônimo disse...

Boa tarde.
Tudo que ele citou que não pode fazer ou que tem que fazer, já faço pois sou autônomo/freelancer, isso tb serve para o camelô e para tantos outros. Sobre a defesa, não posso andar armado ou ter arma em casa e parte disso é por causa dos militares, que dizem não entender "qual a função social de um civil ter arma...", imagino apenas 1% dos brasileiros com arma? São 2 milhões de pessoas, um pesadelo para qq exército invasor.

O funcionário público acha que ele é único, pois bem, além de tudo que ele citou, ainda tem muito mais, pois independente do trabalho que ele faça (ou não faça) continua recebendo, eu não, ou entrego valor, ou nada ganho...

Obrigado pelo espaço.

Francisco José Bendl disse...

O general certamente é um sofista, afora defender seus interesses e conveniências de forma preconceituosa e segregacionista!

Não me consta que o militar por ter seguido esta carreira profissional, e não imposta, mas voluntariamente, sabia do que lhe seria exigido e oferecido.

A questão não se restringe a salários, condição que os militares desfrutam maravilhosamente bem se comparados à iniciativa privada, mas ao tempo de serviço.

Ora, enquanto um militar poderá se aposentar aos 47 anos de idade, o civil deverá trabalhar EXATAMENTE a idade do militar quando este for para a Reserva ou se aposentar!

Quanto às diferenças enumeradas pelo general para enaltecer seus pares, evidentemente que omitiu propositadamente que não cabe apenas às FFAA a defesa do solo nacional, mas também aos convocados que possuem condições físicas para atender ao clamor do país!

Por exemplo, eu tenho o meu Certificado Militar de Primeira Categoria, pois servi a Pátria, portanto, mesmo sendo civil há quase cinquenta anos, se necessário pegarei em armas para proteger a minha Nação, pois o efetivo atual que possuímos não daria conta de enfrentar uma invasão contra o Brasil

Por outro lado, esta condição de sindicalização, greve, e outros quetais, que o civil teria "direito", lembro ao general que os militares possuem a sua própria polícia, tribunal, regulamentos, hierarquia, que os notabilizam como diferentes dos demais patriotas, haja vista não ser exclusividade das FFAA professar o patriotismo, amar a terra onde se nasceu, defendê-la e protegê-la de maneiras adequada e pertinente!

Justamente por ser emanados do povo as tropas que compõem as Três Armas, o general foi imprudente em se jactar como superior aos civis, e mais uma vez deixando de lado que é o trabalhador, da iniciativa privada, autônomo ou liberal, que SUSTENTA as FFAA, pois esta é improdutiva, ou seja, não gera riquezas ao Brasil, apesar de preservá-las e protegê-las.

Por outro lado, a veemência do Oficial General deveria ter como alvo não o explorado, violentado, humilhado e roubado cidadão brasileiro - inclusive os militares -, mas os parlamentares, que se aposentam após QUATRO ANOS DE "TRABALHO", e auferem ganhos superiores a VINTE MIL REAIS MENSALMENTE!

Aliás, tem sido este "poder" exatamente o responsável pelo caos que atualmente padecemos - evidente que me reporto quanto aos civis, desempregados e inadimplentes! -, e não li qualquer mensagem endereçada aos criminosos do petrolão, que se encontram ainda legislando em causa própria e percebendo nababescos vencimentos, imunes e impunes aos crimes praticados contra o povo e União!

Da forma como o general se expressou, querendo justamente evidenciar mais ainda que o povo brasileiro DEVE SER DESIGUAL(!), volta as suas baterias contra ... o indefeso povo, deixando de enfrentar quem exerce o poder maldosa e malignamente contra a população e País!

Decididamente eu não queria ser comandado pelo general em questão, em um conflito com inimigos, poi eu correria o sério risco de ser morto por "fogo amigo", do jeito que o militar tem ojeriza por civis!







Anônimo disse...

Gal. não precisa explicar, eu só queria entender pois ladrões, assassinos, sabotadores, torturadores vocês sempre foram, até hoje tudo de mérda neste pais foram vocês que fizeram, um bando de vagabundos e borra botas da maçonaria, qualquer um do povo faria tudo para ter uma vaga nas forças armadas nem que fosse para ganhar um salario mínimo, mas vocês fizeram das FFAA um cabide de emprego e lá como no judiciário apenas entra quem tiver um padrinho ou alcunha ou pistolão, fizeram das FFAA uma máfia e apenas para filinhos de papai ou do bode preto... Você como qualquer bandido quer explicar o que não tem explicação... E DEPOIS QUE UM MORRE É O INSS QUE PAGA SIM A PENSÃO PARA OS PARASITAS QUE SOBRARAM, VÃO TRABALHAR BANDO DE VAGABUNDOS...

Anônimo disse...

Um Editorial Híbrido para uma Política Híbrida
DefesaNet 19 Dezembro 2016


Os leitores de DefesaNet já conhecem o termo Guerra Híbrida. O confronto dos homens, a que chamamos Guerra, como é feita ao longo dos Séculos, só que com todos os truques e artimanhas aprendidos pelos homens ao longos dos tempos.

O momento político brasileiro está próximo ao de uma “Política Híbrida”, pois temos tudo que caracteriza o termo: guerra informacional, atos de terrorismo, emprego da criminalidade e o uso de forças convencionais.

Alguns dos atores desta Política Híbrida, não são mais que criminosos comuns, agindo com fins não só políticos, mas criminais como tentativas de ataques ao Real. Estes conduzidos por blogs controlados por agentes financeiros.

Passando a identificação dos itens que caracterizam a Política Híbrida, temos:

- A entrevista, não concedida, pelo Comandante do Exército Brasileiro GenEx Eduardo Villas Bôas, publicada em OESP, por uma jornalista “jobinete”, em uma pauta com claro intuito de criar uma cisão entre a Força e grandes grupos incluindo a reserva e os “intervencionistas”;(Link: http://www.defesanet.com.br/crise/noticia/24306/Gen-Villas-Boas---%E2%80%98Malucos%E2%80%99-apoiam-intervencao/ )


- Fato este tornado possível pela incompetente assessoria do GenEx Villas Boas, imposta por um familiar;

- Por falar no próprio Jobim, hoje está voltado às atividades espirituais psicografando as instruções de Márcio Thomas Bastos, para salvar as empreiteiras e o Partido dos Trabalhadores;

- A Guerrilha Urbana, que aconteceu, em Brasília DF (13DEZ2016), mostrou uma preparação e agressividade inaudita. Muitas ordens soavam em espanhol;(Link: https://twitter.com/DefesaNet/status/808810046536695809 )

- O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) atuou como “anjo”, dos novos Guerrilheiros Urbanos, enviando papel higiênico, para limpar as remelas e as bundinhas dos jovens guerrilheiros. Impediu que 62 guerrilheiros fossem atuados pelo artigo 20 ( LEI Nº 7.170). Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, estabelece seu processo e julgamento e dá outras providências. Pena 3 a 10 anos de prisão. Obrigaram os delegados a adotar o artigo 163, do Código Penal. (Destruir patrimônio alheio 1 a 6 meses de prisão ou multa;

- Ficamos devendo uma explicação à Força Policial Militar, homens e mulheres, atingidos pela violência planejada e organizada; (Link: https://twitter.com/DefesaNet/status/808820023770935296 )

- O juiz Sérgio Moro que permitiu a viagem dos Senhor Luiz Inácio e Sra Dilma Rousseff à La Habana, sob o pretexto dos funerais de Fidel Castro. Uma clara preparação para ações insurrecionais futuras no Brasil, como a ocorrida dia 13DEZ2016;

- Também uma reunião onde se tece a fina corda onde será enforcada a Lava-Jato e os seus participantes (Juíz Moro e procuradores);

- E meios de imprensa que agem incitando a desordem e confronto, não falamos de blogs, mas Rede Globo, GloboNews, Folha de São Paulo, etc. Abdicaram da responsabilidade pelo ativismo. Alguns pelo jornalismo de resultados ($$$) outros pelo ativismo político irresponsável (Folha de São Paulo);(Linkc: http://www.defesanet.com.br/defesa/noticia/24367/Militares---Aposentadoria-e-mais-generosa-no-Brasil/ )

- Imprensa, Procuradoria Geral da República e Supremo Tribuna Federal saíram em corrida contra um plano de ação contra a Maconha pelo Ministro da Justiça. A Maconha está prestes a tornar-se um monopólio da gangue criminosa PCC, que está invadindo e eliminando os opositores no Paraguai. (Link: http://www.defesanet.com.br/pcc/noticia/24362/Maconha---Ministro-Justica-quer-erradicar-comercio-e-uso-no-Brasil/ e Link: http://www.defesanet.com.br/pcc/noticia/24331/FARC-EP---Rebeliao-Comandantes-preferem-o-Narcotrafico/ )

Como os leitores podem notar, nestes poucos exemplos, temos todos os ingredientes para uma Guerra (ops) Política Híbrida no Brasil.

Anônimo disse...

Brasil paralelo...

Capítulo 1 - Panorama Brasil - Um raio-x inconveniente
Uma análise sobre a causa da explosão da violência nas últimas décadas. A falência e a centralização do sistema curricular e pedagógico e o uso do sistema de ensino para fins ideológicos. A dificuldade de se fazer negócios, empreender, inovar e buscar novas oportunidades de trabalho em um país que supervaloriza a burocracia.

Capítulo 2 - Terra de Santa Cruz - Uma história não contada Será que realmente sabemos a história do nosso país? O episódio 2 do nosso documentário vem revelar pontos de vistas esquecidos pelos nossos livros contemporâneos. Quais eram os objetivos de Portugal para com o Brasil? Quem foram os verdadeiros Fundadores do nosso país? Conheça a Terra de Santa Cruz.

Capítulo 3 - A Raiz do Problema As tendências sociológicas e as ideologias que formaram o pensamento político Brasileiro e como isso influencia o imaginário popular. A história do socialismo fabiano, da ascensão do politicamente correto e a influência da escola de Frankfurt na evolução da linguagem socialista moderna. A constituição de 1988.

Capítulo 4 - Dividindo Pessoas, Centralizando o Poder Você sabe quantos bilhões de dólares já foram aportados em movimentos e ONGS ligadas a partidos políticos através de fundações estrangeiras na última década? Já parou para pensar por quê?


FONTE: http://revelatti.blogspot.com/2016/12/congresso-brasil-paralelo.html

Loumari disse...

HÁ, PARA TODAS AS COISAS, UM TEMPO DETERMINADO POR DEUS

Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de deitar fora;
Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;
Tempo de amar, e tempo de aborrecer, tempo de guerra, e tempo de paz.
Que vantagem tem o trabalhador naquilo em que trabalha?
Tenho visto o trabalho que DEUS deu aos filhos dos homens, para com ele os afligir.
Tudo fez formoso em seu tempo: também pôs o mundo no coração deles, sem que o homem possa descobrir a obra que DEUS fez, desde o princípio até ao fim.
Já tenho conhecido que não há coisa melhor para eles do que alegrarem-se e fazerem bem na sua vida;
E, também, que todo o homem coma beba, e goze do bem de todo o seu trabalho: isto é um dom de Deus.
Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante d'Ele.
O que é, já foi; e o que há-de ser, também já foi; e DEUS PEDE CONTA DO QUE PASSOU.
Vi mais debaixo do sol: no lugar do juízo, impiedade; e no lugar da justiça, impiedade ainda.
Eu disse no meu coração: DEUS JULGARÁ O JUSTO E O ÍMPIO; porque há um tempo para todo o intento e para toda a obra.
Disse eu no meu coração: é por causa dos filhos dos homens, para que DEUS possa prová-los, e eles possam ver que SÃO, EM SI MESMOS, COMO OS ANIMAIS.
Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo, também, sucede aos animais; a mesma coisa lhes sucede: COMO MORRE UM, ASSIM MORRE O OUTRO, todos têm o mesmo fôlego; e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade.
Todos vão para um lugar: todos são pó, e todos ao pó tornarão.
Quem adverte que o fôlego dos filhos dos homens sobe para cima, e que o fôlego dos animais desce para baixo da terra?
Assim que, tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; porque, quem o fará voltar para ver o que será depois dele?
(ECLESIASTES 3:6)


E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a DEUS, que o deu.
(ECLESIASTES 12:7)


APOCALIPSE 12:9 E foi precipitado o grande Dragão, a ANTIGA SERPENTE, chamada o Diabo e Satanás, que enganava todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.


Portanto, nada julgueis, antes do tempo, até que o SENHOR VENHA, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e, então, cada um RECEBERÁ de Deus o louvor.
(1 CORÍNTIOS 4:5)

Loumari disse...

E, quando ouvirdes de guerras e sedições, não vos assusteis. Porque é necessário que isto aconteça primeiro, mas o fim não será logo.
(LUCAS 21:9)


Regozijai-vos sempre no SENHOR; outra vez digo, regozijai-vos.
Seja a vossa EQUIDADE NOTÓRIA a todos os homens. Perto está o SENHOR.
Não estejais inquietos por coisa alguma, antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas, diante de DEUS, pela oração e súplicas, com acção de graça;
E A PAZ DE DEUS, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos, em CRISTO JESUS.
Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai;
O que também aprendestes, e recebestes e ouvistes, e vistes em mim, isso fazei; e o DEUS DE PAZ será convosco.
(FILIPENSES 4:4)


Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.
(JOÃO 14:18)


"Standing On The Promises" By Alan Jackson

https://youtu.be/S1tH6h2v_0c

Unknown disse...

No Exército Confiamos
Postar um comentário?
Fica difícil. Muito difícil depois que o eminente general escancarou o verbo.
Só falou verdade. De ponta a ponta. E a verdade dói mas é verdade.
O Exército é soberano e glorioso. Por que alicerçado na disciplina e na hierarquia. Cujo resultado é a ordem.
Quem vai servir o Exército não está pensando em enriquecimento milagroso, grandioso e automático.
Vai servir o Exército porque sabe que o Exército só serve ao País, à Patria.
Que, agora, os incautos compare com os três podres podreres da República.
Quanto ganha, diariamente, um só marajá de tais proderes?!
O desgraçado e infeliz brasileiro vai penar um ano para ganhar menos que um felizardo desses ganha por hora.
Acorda, Brasil!
General, este seu artigo no Alerta Geral, vai se tornar daqui pra frente minha leitura de cabeceira.
O Brasil precisa menos de juízes, de políticos, de prefeitos, de governadores, de presidentes.
Carecemos mais em quem confiar
No Exército confio, no Exército confiamos.

Anônimo disse...

Eu quero que minha filha tenha pensão vitalícia, que eu não precise pagar aluguel porque vou morar em casas que a União cede, quando eu tiver uma patentezinha, não precisarei mais contratar empregada doméstica, porque os recos vão fazer todo o serviço da minha casa e ainda vigia-la, poderei viajar e levar a família e os amigos nos aviões da FAB para onde eu quiser e ficar num alojamento cedido pela União. Minha filha poderia passar no vestibular de uma faculdadezinha qualquer e quando a União me removesse pelo território nacional, ela iria junto e teria prioridade de vagas na universidade federal do local onde cheguei. Adoraria equiparar essas coisas também!