quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Supremo: 11 ministros, 11 cartas de Renan...


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Laércio Laurelli

Quem comete um crime seja lá qual for, deve entender que haverá SEMPRE uma correção equivalente ou maior ao seu comportamento.

É de salutar entendimento que a Suprema Corte de uma nação deva possuir o controle jurisdicional e o respeito em toda a dimensão do Estado.

A partir do momento que ocorra um fato ofensivo grave, que possa deslustrar por não obedecer a uma decisão judicial provinda do Poder Judiciário, não só afeta a instituição, como também toda a nação e a soberania contaminando as demais organizações lideradas pelo Estado e o próprio Estado que passa a conviver em processo de inexistência de sua estrutura  física, moral, produzindo divisões refletidas em seu grau de identificação de poder.

A não resposta imediata a uma ofensa tipo ocorrida consoante à desobediência de não se cumprir uma ordem judicial, diante do enfrentamento promovido pelo criminoso Renan Calheiros, embora presidente do Senado Federal deveria o Supremo, resolver a questão imediatamente e, não adiar para o dia seguinte, como se estivesse acovardado em tomar decisão séria e direta ao seu ofensor, como por exemplo determinar a prisão preventiva. Nada de se fazer do pecador um SANTO.

O escárnio e o deboche, por mais desculpas que se aplicará ao fato utilizando-se palavras enfeitadas, sempre haverá a decomposição de suas colunas que até o período da tarde do dia 06 de dezembro de 2016 eram a consagração histórica de uma grandeza infinita, o equilíbrio mesclada pela suntuosidade espiritual dada à configuração da suprema liberdade e respeito à sociedade e de seus méritos pelos relevantes serviços de suas decisões, de seus honrados Ministros e do fluxo de honra do Poder Judiciário do Brasil.

Nada de fazer do pecador um SANTO.

A situação torna-se tragicômica se Renan permanecer no cargo, for aprovado à insidiosa PEC 280 e o nobre Ministro sofrer um processo por abuso de autoridade em face de ter concedido “liminar” em desfavor do Renan.

AINDA HÁ TEMPO MINISTRA PRESIDENTE CARMEN LUCIA.

PENSEM NISTO!


Laercio Laurelli, Desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo, é apresentador do programa Direito e Justiça em Foco. Patriota!

2 comentários:

Anônimo disse...

A MAIOR OFENSA COMETIDA FOI O JUDICIARIO TER ENGAVETADO POR 9 ANOS OS PROCESSOS DESSE LADRÃO E TODOS SABEMOS QUE SÓ VIERAM A TONA PELO MILIANTE TER DESAGRADADO ESSA MAFIA MALDITA...

Anônimo disse...

Todos disseram que era inconcebível a recusa de se cumprir uma determinação do STF. E vão fazer o quê, agora? Reclamar ao Papa?