sábado, 14 de janeiro de 2017

Monarquia e República


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio José Ribas Paiva

A república e a democracia são, respectivamente, os melhores sistemas e regimes políticos possíveis. Todavia, preserva-los é quase utópico, porque a natureza humana imperfeita, procura solapa-los, continuamente.
            
É por isso, que as monarquias, mandam no mundo e, também, porque são sistemas políticos mais antigos e, portanto, com mecanismos institucionais mais adequados.
            
A chave do sucesso é a difícil escolha entre o ideal e o possível.


Antônio José Ribas Paiva, Jurista, é Presidente do Nacional Club.

6 comentários:

Veronica Ruzzi disse...

Caro Dr. Ribas
Porque a perda de soberania do Estado de Roraima onde estão as reservas de Nióbio, ouro, diamantes e outros minérios,flora e fauna, para americanos, ingleses e japoneses, não vem a publico, e porque temos em nosso território forças armadas, que constitucionalmente são obrigadas a defender nossa soberania?

Martim Berto Fuchs disse...

Monarquia é retrocesso
1.O Brasil nunca alcançou o estágio de uma República Democrática, porque é solapado justamente pelos monarquistas (realistas), que desde 1889 estão pendurados nas tetas agora magras do Tesouro Nacional, como funcionários públicos. Nunca largaram. É uma classe privilegiada e privilégio de classe é contra a natureza da República Democrática.
2.Também, não conseguimos alcançar o estágio de República Democrática, porque nosso “liberal” é outra classe privilegiada, que também desde 1889 vive às custas das benesses do Tesouro Nacional. E foram sedimentados na categoria de privilegiados desde o governo de Getúlio Vargas, ao criar as corporações patronais.
3.Por último, mas em conjunto, não chegamos alcançar o estágio de República Democrática, porque também desde 1930 foram criadas as corporações laborais, garantindo privilégios à uma classe, classe esta reforçada em 2002 com a eleição do fenômeno Lula, apoiada entusiasticamente pela principal corporação patronal, FIESP, que disto esperava tirar vantagens. Mais vantagens ainda.
A natureza humana continua imperfeita, na medida em que os que tem a obrigação de bem orientá-la, nossas ditas elites, não estão nem um pouco preocupadas com o bem estar daqueles que só tem para oferecer o trabalho braçal.
Enquanto estes forem tratados como escravos, usados e descartados, o comunismo, este defunto insepulto, se mantém ativo e disseminando sua ignorância, tanto econômica como social.
Se defendo uma Intervenção Constitucional, é para mudar este cenário de dominação de classes privilegiadas e não para retroceder à uma Monarquia, por mais constitucional que venha à ser.
República Democrática é o caminho natural, mas para chegarmos a ela, necessário se faz abandonar velhos dogmas e conceitos que só fazem perpetuar os privilégios para poucos e as desigualdades para muitos.
http://capitalismo-social.blogspot.com.br/2017/01/momentos-de-transicao.html

Anônimo disse...

Dr. Antônio José Ribas Paiva, o senhor pode até ter razão, porém, desculpe, mas, mesmo que o rei seja ladrão, eu prefiro ser roubado sempre pelo mesmo ladrão do que por muitos, principalmente quando os "muitos" sempre se renovam a cada período eletivo... e se contar os "vices" o número de ladrões dobra!!! E pode ser ainda maior se contar com os sabujos dos eleitos. Ademais, o mesmo ladrão um dia acorda e vê que já está muito rico, não precisa mais continuar roubando, mesmo que seja por vício.

Anônimo disse...

Boa Toninho.
Abraço do primo
Paulinho.

Anônimo disse...

O Brasil urgentemente necessita resgatar o Poder Moderador.

Há de muito a escumalha presente no Congresso já estaria banida e convocada eleições gerais.

Anônimo disse...

Eu sei que a república tá ruim mas eu também não quero ser governado por alguém da "nobreza".