segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Brasil, de 64 a 85


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Antônio José Ribas Paiva

Foi um período de relativa ordem, poderia ter sido melhor, com razoável administração pública e baixos índices de corrupção.
            
A maior corrupção foi a entrega do Brasil para a casta política do crime, quando Leônidas empossou, na presidência ,ilegitimamente, o cangaceiro José Sarney
             
Estamos pagando o preço dessa traição há 32 anos.
             
Não é à toa que os presidentes do período pós revolucionário são bilionários internacionais...
             
Nesta INTERVENÇÃO INSTITUCIONAL não poderemos repetir o passado.

Temos que trilhar os caminhos da razão e do direito, para forjar o BRASIL.

É nossa responsabilidade histórica.


Antônio José Ribas Paiva, Jurista, é presidente do Nacional Club.

3 comentários:

Anônimo disse...

Apenas para concordar. Ou façamos agora uma revolução e um projeto de nação ou vamos continuar na mesma MERDA.

Índio/SP

Sérgio Alves de Oliveira disse...

"Razoável administração do Regime Militar,Dr. Ribas Paiva? Comparado às administrações que se sucederam,de 1985 até hoje (20..02.17),os militares fizeram uma grande administração.O que atrapalhou muito foram os malditos tecnocratas. Concordo que poderiam ter sido melhores.Havia corruptos,sim,mas pontuais.E hoje grande parte desses mesmos corruptos de antes se "bandearam" para o lado dos atuais governos. Hoje a corrupção é generalizada,endêmica. A "fortuna" deixada para seus herdeiros pelos 5 presidentes militares,SOMADAS,certamente não chega nem a 5% da que acumulou um só ex´presidente civil,aquele mesmo parido pelo meio sindical.Ademais,não pode ser considerado um período de governos "razoáveis" se nesse período foram construídas as 5 maiores usinas hidrelétricas que ainda hoje operam no Brasil.E inúmeros outros feitos. E lá se vão (2017-1985) 32 anos de distância. Quem viveu as duas épocas sabe bem avaliar essa situação.Quanto às
liberdades,é verdade que de 64 a 85 não se podia falar do Presidente.No mais,havia plena
liberdade.Hoje inverteu. Pode se falar mal do Presidente,à vontade,mas ninguém mais tem todas as outras liberdades que antes tinha,nem mais qualquer segurança pessoal e
patrimonial.

Italo Salomão disse...

"ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil..."