terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

É a Natureza!

“Exército” no Buraco Quente da Mangueira (RJ)

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Renato Sant’Ana

Com boa dose de morbidez, petistas seguem fazendo render politicamente (ou partidariamente) o assunto Marisa Letícia, sem que seja, aqui, necessário explicar como. Ao mesmo tempo, nós seguimos descobrindo, a cada dia, pormenores abusivos daquele desvario.

O Jornalista Cláudio Humberto, no site Diário do Poder, informa que o Senado pagou as passagens de senadores petistas que compareceram ao sepultamento da mulher de Lula. Dos 10 senadores que compõem a bancada petista no Senado, "seis não tiveram a dignidade de pagar do próprio bolso as passagens para o enterro de Marisa Letícia". São eles: Gleisi Hoffmann (PR), Humberto Costa (PE), Jorge Viana (AC), José Pimentel (CE), Regina Sousa (PI) e Lindbergh Farias (RJ). Esses filhos da pátria ganham somados mais de R$ 200 mil por mês. Ainda assim, custearam as passagens não com o salário, mas com a farsesca "Cota de Atividade Parlamentar", o famigerado "cotão".

Num país em recessão, com mais de 12 milhões de desempregados, é ilustrativo registrar que esses fulanos - sedizentes "representantes da classe trabalhadora" - gastaram a soma de R$ 11,9 mil em passagens para tomarem parte num evento muito mais partidário que de qualquer outra natureza. Esse dinheiro, conforme Cláudio Humberto, é "suficiente para pagar salários a um desempregado por um ano". E acrescenta o jornalista: "Os demais [quatro] senadores do PT não usaram dinheiro público para chorar lágrimas de crocodilo no enterro que Lula transformou em comício."

Pobre contribuinte, que paga sem ser consultado. A "Cota para o Exercício de Atividade Parlamentar", que indeniza qualquer despesa dos políticos, custa ao contribuinte R$ 270 milhões por ano. Para quê? Para muita coisa, ora!

"Mais do mesmo"

Queremos, mas não podemos... esquecer Dilma. É melhor lembrar para não reeditar. Em 04/03/2016, houve a consabida "condução coercitiva" de Lula pela Polícia Federal para prestar depoimento. O rumoroso episódio foi (e segue sendo) explorado por petistas para o máximo proveito partidário. No dia seguinte àquele, Dilma Rousseff, na companhia de seu então ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, abalou de Brasília a São Bernardo, SP, para ver o padrinho. A iniciativa era pessoal, não institucional. Mas quem pagou o voo de Brasília a São Paulo, e o automóvel do aeroporto paulista a São Bernardo? Ora, que dúvida!

Só ingênuos ficam surpresos

Temos um século de experiência! Desde 1917! SEMPRE E EM TODOS OS LUGARES em que se realiza a dita "experiência socialista", os detentores do poder confundem governo, Estado e partido. Embora esse regime nefasto se haja instalado apenas parcialmente no Brasil (o brasileiro teve o mérito de resistir), essa "confusão" ficou indisfarçável. E arruinou gravemente o Estado brasileiro.

Mas resta muito a ser descoberto: pouco se sabe ainda sobre "aparelhamento das estatais"; "uso do BNDES" na concretização da estratégia bolivariana, seja alimentando um sistema de propinas dentro do país, seja financiando clandestinamente projetos de outros governos socialistas; "número de CCs" (absurda quantidade de militantes do partido a ocupar cargos em todos os escalões da administração pública), inumeráveis petistas pagos com dinheiro do contribuinte para fazer militância nos 365 dias do ano; "ONGs financiadas pelo governo", elementos de difusão da ideologia e de implantação de um Estado nos moldes socialistas; e outras maquinações ideológicas que ainda serão desmascaradas.

Entretanto, ao que parece, pouco a pouco o brasileiro vai compreendendo a sordidez dos "movimentos" e "partidos" revolucionários. O PT foi o que chegou ao poder, mas todos os seus satélites têm a mesma natureza, mesma índole, mesma ética macabra e mesmo ódio à democracia.


Renato Sant'Ana é Psicólogo e Bacharel em Direito.

Um comentário:

Anônimo disse...

Ao primeiro barulho de tiro, correm que nem ratos.