domingo, 4 de junho de 2017

Um País esfrangalhado


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos Henrique Abrão e Laércio Laurelli

Dupla delação premiada mortífera que fez sucumbir o mercado e estraçalhou a força da instituições, colocando em frangalhos a República, o que sucede com o Brasil é mesmo difícil para qualquer especialista descobrir. A generalização do viés corruptivo surpreende a todos e não encontra uma resposta satisfatória. Bastaria a prisão de mil pessoas corruptas para que soltassemos 500 mil presos inofensivos se comparados para salvarmos o regime prisional falido nacional.

A semana começa com o julgamento no TSE sobre a chapa que escandalizou o Brasil e veio a ser o maior estelionato vivo da democracia contemporanea, passa pelo STF e encontra força no judiciário que tenta comandar a bagunça e baderna em todos os rincões do território nacional. Teremos forças políticas e segurança para dar credibilidade e confiança com estabilidade para que sejamos uma Nação em vias de desenvolvimento ou trilharemos o caminho do salve se quem puder?

Os grandes partidos políticos envolvidos na corrupção deveriam ser extintos e isso já seria um primeiro passo para a reforma político partidária, e sem um novo conceito de participação política e representatividade naufragaremos de uma só vez e de uma forma geral ninguém sobreviverá. O Brasil exporta seus talentos milhares de brasileiros estão em rota de fuga não aguentam mais ouvir de corrupção, delação, acordo de leniência, prisões e uma total insegurança das ruas, a sociedade civil entre perplexa e estarrecida somente tem dois deveres tradicionais de pagar impostos que são desviados em mãos de quadrilhas e votar em políticos que se aliciam em facções para golpear de frente eleitores.

As urnas estão num processo final de encruzilhada ou mudaremos radicalmente ou teremos somente votos brancos e nulos além de abstenções sem transformações substanciais. Bilhões foram sugados e tragados dos cofres públicos e agora estados e municípios falidos com tamanha irresponsabilidade e a falta de ética e um imoralidade abundante. Chegaremos trancos e barrancos em 2018 mas sem uma revisão do modelo e repaginação de tudo nada muda,virão os mesmos salvadores da patria alguns espertalhões seguidos de muitos ladrões do dinheiro público.

Acaso puséssemos atrás das grades mil corruptos de colarinho branco e na rua os 500 mil presos o nosso sistema prisional estaria sendo resgatado pois que o Brasil hoje tem duas variantes o tráfico de drogas ao lado da miserabilidade de uma desabrida corrupção. O Estado Brasileiro está morto e quem conseguir ressuscita lo ganhará por certo um premio nobel, já que as condições jogadas são as piores possíveis e a cada fumaça que se lança um fogo incessante sem querer apagar ou fazer cessar.

Um quebra cabeça e se a chapa for cassada o que teremos são 3 presidentes cassados em vinte aos de incipiente democracia, o que demonstra, uma vez mais que o País não pode ficar submisso ou escravo de uma política devastadora e nas mãos de uma classe política abnegada do interesse da sociedade. Querem implantar um contraponto entre os que clamam pela liberdade e os que gritam pela volta do pior mas é fundamental que tenhamos um grito pela salvação da Nação. Essa briga menor, luta minúscula não nos levará a qualquer lugar, sem um estadista e um fortalecimento das instituições correremos o sério risco de rebaixamento do rating e mais uma vez o colapso dos mercados e uma fuga violenta de recursos financeiros vindos do exterior.

Os empresários com razão reclamam, mas a população está endividada sem dinheiro e as empresas com baixa liquidez. O essencial é trabalharmos para criação de frentes de empreendedorismo e fontes maiores que consigam espalhar saldos de fortalecimento e rebaixamento da grave crise social que abala de norte a sul o Brasil. Não há pessimismo, não há otimismo só temos que trabalhar e muito pela reconstrução do Brasil que é um País esfrangalhado pela ação malsinada e malévola de quadrilhas que tomaram o poder e sem recusam a deixá-lo. Oxala uma renuncia coletiva ,sincera e espontânea de todos os poderes possa ser um luz no final do túnel para restabelecermos o estado de direito, revigorarmos a democracia e sairmos do noticiário policialesco que tanto nos envergonha e apequena no cenário mundial global.

Carlos Henrique Abrão (ativa) e Laércio Laurelli (aposentado) são Desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Um comentário:

Anônimo disse...

A QUADRILHA EXISTENTE NO JUDICIARIO É MAIOR E MAIS ANTIGA DO QUE A DOS POLITICOS, BASTA PRESTAR A ATENÇÃO E SABEREMOS QUE POR SABOTEGENS,CORRUPÇÃO E INCOMPETENCIA NADA NO JUDICIARIO CAMINHA COMO DEVERIA E COM O AGRAVO DE NÃO SER FISCALIZADO E QUANDO PEGOS COM A BOCA NA BOTIJA ESTÃO LIVRES DE PENALIDADES ESSA RAÇA DE MAFIOSOS SE ESBALDAM CADA VEZ MAIS, VOU MANDAR UMA DENUNCIA DE UMA PRATICA MUITO USADA EM TODO O PAIS POR JUIZES E DESEMBARGADORES QUE SERVEM PARA ENGORDAR AINDA MAIS OS SEUS SALARIOS E PREVILÉGIOS MILIONARIOS, UMA AREA DE DOMINIO PUBLICO EM QUALQUER PREFEITURA É ESCOLHIDA, O JUIZ CONCEDE USUCAPIÃO SEM MAIS DELONGAS, O PREFEITO LOGO EM SEGUIDA A DESPROPRIA E INDENIZA O DOLICITANTE E DAI O RATEIO É FEITO, SEM CONTAR QUE POR DETRÁS DE UM BICHEIRO, TRAFICANTE,CONTRABANDISTA, EXISTE SEMPRE UM BANDIDO DE TOGA LHE DANDO COBERTURA UM VENDENDO UMA SENTENÇA... PRIMEIRO É PRECISO LIMPAR O JUDICIARIO E POR FREIOS EM SUAS ATIVIDADES MAFIOSAS, PARA DEPOIS ACABAR COM OS POLITICOS, TENTEM DENUNCIAR UM POLITICO LADRÃO, VOCÊ NUNCA VAI CONSEGUIR POIS O PROMOTOR NÃO DEIXA...