domingo, 23 de julho de 2017

31 de março de 1964 no Palácio Guanabara


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

Durante um dia e uma noite, o Palácio da Guanabara e o Governador Carlos Lacerda foram nomes que representaram a resistência democrática na chamada“ capital cultural e política” do País. Ninguém pregou olho. As horas transcorreram em regime de sentinela bem acordada, até que a vitória se desenhasse no céu do Rio.
    
Os tanques do Exército estavam no Largo do Machado. No Palácio da Guanabara, o Governador Carlos Lacerda se mantinha em calma e em expectativa. Todo o Secretariado presente. Eram 18,30 h do dia 31 de março.
    
O feriado escolar, depois de estudado, teve sua decretação feita às 23 horas. Cerca de 300 oficiais das diversas armas se dirigiram para o Guanabara, a fim de solidarizar-se com o Governador. Meia-noite: sabe-se do movimento de tropas de São Paulo em direção ao Rio de Janeiro. Junto à Igreja, um foguete (antitanque) é montado em longarinas de asa de avião. Aos 5 minutos chega o Senador Artur Bernardes Filho. O Governador se mantém em vigília e fala com o Jornalista Jules Dubois, de Miami, Estados Unidos, e dá a notícia da adesão do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo.
    
Lacerda sai aos 35 minutos, acompanhado apenas pelo general Mandim, responsável pela segurança de Palácio, e inspeciona, até aos 55 minutos, os arredores. A uma hora da manhã, começaram a cortar os telefones da linha 25, que serve ao Guanabara, mas continuaram a funcionar três da linha 45, que passaram a ser utilizados pelo Governador.

Às 2,45 h, corre em Palácio a notícia de que os fuzileiros navais iriam atacar. A expectativa prossegue até às 5 horas, quando entram mais 30 generais do Exército. Às 6,30h, nova notícia promoveu atitude semelhante, logo relaxada por saber-se que se tratava de um rebate falso.
    
O dia 1° de abril estava claro. Às 7,55h, o Governador Carlos Lacerda recebe o Manifesto dos Generais, que iria ser lido após o hasteamento da Bandeira Nacional, às 8 horas, através da Rádio Inconfidência, de Minas Gerais. Às 8,30 h, Juracy Magalhães entra em Palácio e conferencia com Carlos Lacerda. Às 10,45h, o presidente do Tribunal de Justiça, Dr. Vicente Faria Coelho, chega e conferencia com o Chefe do Executivo. Às 13,15h, entra em Palácio o Sr. Armando Falcão.

As notícias se aceleram. Às 16 horas, há o momento de maior emoção para o Governador Carlos Lacerda: tanques do Exército, que se encontravam no Palácio das Laranjeiras, estão agora guarnecendo o Palácio da Guanabara. O Chefe o Executivo carioca, ao ouvir a notícia, chora e exclama:

- Graças a Deus! Deus está conosco!

O carnaval da vitória

Foi uma reação em cadeia. Anunciada a viagem do Presidente a Brasília e a vitória das forças revolucionárias, milhares de pessoas saíam às ruas, gritando, pulando, discursando também, num verdadeiro carnaval. Grupos mais exaltados e tomados de fúria incendiaram o prédio da UNE, na Praia do Flamengo, quando os dirigentes comunistas da entidade já haviam desaparecido e abandonado a sua trincheira.

Os mesmos grupos depredaram e incendiaram a “Ultima Hora”, na Praça da Bandeira. Isso foi um pouco de vingança e excesso condenável, pois a massa, o povo carioca, queria apenas viver aquelas horas de vitória e não vingar-se daqueles que tinham sido vencidos.

Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

2 comentários:

Anônimo disse...

Bons tempos aqueles em que tínhamos exército e tanques.

ALMANAKUT BRASIL disse...


Tenente do Exército efetua disparos na frente de boate em MS de onde saiu sem pagar conta, diz polícia - 23/07/2017

Dono da casa noturna liberou suposto militar para pagar a conta no dia seguinte porque cliente não se lembrava da senha do cartão.

http://montedo.blogspot.com.br/2017/07/tenente-do-exercito-efetua-disparos-na.html

POLICIA MILITAR INTERVENÇÃO DA NAÇÃO S.O.S FORÇAS ARMADAS

TV Ban Brasil AÇÃO Noticia - 23/07/2017

https://www.youtube.com/watch?v=mjFXg9E6Los


O maior medo da intervenção militar é o fogo amigo!