sábado, 1 de julho de 2017

Perplexidade e Horror


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Tasso Vasquez de Aquino

A confusa e decadente conjuntura nacional pós-1990, caracterizada por crescente e recorrente retrocesso ético-moral ao longo dos tempos, apresentou quadro de radical agravamento nos últimos dias, para perplexidade e horror das pessoas bem formadas, ainda existentes em grande número, a despeito de tudo.
 
Autoridades do mais alto nível hierárquico e de responsabilidade digladiam-se em ácidas trocas de acusações, indigitando-se pública e mutuamente como envolvidas em atos de corrupção, como no caso da forte resposta do Presidente da República às denúncias formais do Procurador-Geral da República!

Os Três Poderes, e os três níveis administrativos, com força e  efeitos redobrados e historicamente inéditos desde o fatídico ano de 1990, vêm frustrando as esperanças nacionais e a confiança do povo, mercê do comportamento desmoralizado e desmoralizante de grande parte dos seus integrantes, envolvidos em tenebrosas transações com os recursos públicos, projetos de destruição da ordem democrática e/ou arrogância desmedida, por se considerarem acima de lei e credenciados, por isso, a não se sujeitarem às obrigações, à moderação de costumes e de atuação e à fidelidade aos compromissos com o Bem Comum inerentes aos cargos e funções ocupados, que seriam apanágio de uma verdadeira democracia.

A grande lição que teimam em não aprender, muito menos praticar, é a de que a característica básica da Democracia é a VIRTUDE, por isso, e malfadadamente, tão ausente no nosso dia-a-dia! Acabam absurdamente premiados, pois a maioria termina impune dos crimes cometidos, que passam, assim, a compensar lautamente!
 
As consequências de tão reprováveis exemplos vindos do alto acabam refletidas na vida em sociedade, em todos os níveis, e no comportamento das pessoas comuns, com a generalização das agressões à Lei, natural e formal, no afã do enriquecimento a qualquer custo e sem o esforço do trabalho honrado, de mentir e trair, para “dar-se bem sempre”, do não cumprimento diuturno e habitual das mais comezinhas regras do bem conviver  e do respeito aos direitos dos semelhantes.

Daí a aguda e profunda destruição moral a que, consternados e impotentes, apesar da nossa luta permanente de brasileiros patriotas, com as fracas armas da palavra escrita e falada com poucas tribunas/redações disponíveis e do testemunho pessoal de vida virtuosa, assistimos rondando a cidadela da nacionalidade e, aparentemente, sem solução à vista.

A resposta repousa na melhoria radical do processo educativo, formal e informal, em todos os níveis. O problema é que isso exigirá tempo necessariamente longo para render frutos e pessoas com autoridade, capacidade e vontade de a implementar... Onde as encontrar, no deserto de bons caracteres em que se transformou nosso universo político-administrativo?
 
Para ilustrar minhas preocupações, elenco alguns fatos negativos marcantes, acontecidos recentemente:

- a deselegância antidiplomática, ofensiva, da Primeira-Ministra da Noruega, ao criticar publicamente e por duas vezes aspectos internos do Brasil, diante do Presidente, na recente visita oficial presidencial a Oslo;

- a constatação do descontrole da violência e da falência do sistema das UPPs no Rio de Janeiro, em que todos os bairros são atingidos, inclusive os supostamente nobres da Zona Sul, com repetição exaustiva de tiroteios, vítimas de balas perdidas e crianças, inclusive de tenra idade, familiarizadas tristemente com armas, bandidagem e crimes, já que sistematicamente impedidas de comparecer às aulas ou mantidas reféns e ameaçadas em salas de aula, pelas quadrilhas que infestam todas as favelas, desceram para o asfalto e dominam o tráfico letal de drogas;

- o aumento impressionante do roubo de cargas e de carros-fortes nas estradas e de assaltos com bombas às caixas eletrônicas dos bancos, Brasil afora, por bandos fortemente armados;

- a prisão de QUASE UMA CENTENA DE POLICIAIS MILITARES no Estado do Rio, por suas ligações de apoio mútuo, proteção e compadrio com bandidos;

-a impunidade, garantida até agora, ao arquicriminoso confesso, dono da JBF, que tantas vantagens indevidas e sem igual na história recebeu de bancos e instituições oficiais para a meteórica e sem paralelo expansão dos seus negócios, no período de predomínio lulopetista, e diante dos prejuízos de toda a sorte que a forma de sua delação acabou por causar ao tímido processo de recuperação econômica, até então dura e trabalhosamente experimentado pelo Brasil no último ano, após o afastamento do PT do governo. A isso tudo, soma-se, ainda, a consequente e certamente premeditada e planejada retirada de foco dos crimes cometidos pelos aliados e facilitadores, Lula e PT, devido às suas “revelações” espetaculosamente exploradas pela mídia engajada contra o governo atual;

- a absolvição do tesoureiro do PT, Vaccari, pelo tribunal de segunda instância sediado em Porto Alegre, depois da pena de mais de quinze anos de prisão, sentenciada pelo Juiz Sergio Moro.
 
Diante de tal situação, as pessoas de bem quedam-se perplexas e horrorizadas. “O que é e onde está, afinal, a verdade dos fatos”, perguntam-se aflitas, diante do cipoal de versões opostas, apresentadas com máscaras de toda a convicção e de seriedade pelos diversos atores  da tragicomédia encenada para efeito de ganhar a opinião pública e livrar os culpados verdadeiros das penas da lei, “para onde caminha nosso País?”
 
No teatro dos absurdos, só falta um ingrediente: a absolvição de Lula e dos seus comparsas do PT de todos os crimes cometidos, o que lhes ensejaria habeas-corpus para a volta triunfal ao poder, já agora para completar, tranquilamente, a “obra “ a que se entregaram com todo o fervor, de destruição da ordem democrática, de rapinagem dos recursos nacionais e de escravização do povo brasileiro...
  
Confio em Deus e na força dos patriotas verdadeiros, porém, que tal tragédia não acontecerá. Que, ao fim e ao cabo, o joio será separado do trigo e arderá na fogueira da iniquidade, e que voltaremos aos caminhos da grande nação QUE ESTAMOS FADADOS A SER, com Paz, Justiça, Liberdade para todos.

Num ambiente de prosperidade e  Bem Comum garantido para todos os que se dedicarem e trabalharem e, por seus méritos e esforço, merecerem progredir e desenvolver ao máximo os talentos recebidos do Todo-Poderoso, sempre em benefício de si mesmos, de suas famílias e amigos  e da grande e solidária comunidade todos os brasileiros! 

Sergio Tasso Vásquez de Aquino é Vice-Almirante, reformado.

5 comentários:

Anônimo disse...

Para o STF, que liguem os holofotes, joguem as purpurinas, soltem os rojões e que tenham muitos aplausos. Como já disseram por lá, alguns estão querendo "brilhar" diante da Nação. Para o povo, só decepção constante, apesar dos movimentos das ruas. Como a presidente do STF não decide sozinha e não tem poder para anular a dos outros, então o que ela disse sã apenas palavras bonitas para ficarem registradas na ATA.

Waltão disse...

OK. OK. OK. E NO MESMO DIA SOLTAM O ROCHA LOURES E

DEVOLVEM O AÉCIO AO SENADO....ENTÃO TÁ ENTÃO.........

Anônimo disse...

Vejamos agora qual o próximo escândalo já que liberados para que continuem com a pilhagem.

TROPICAL REPRESENTAÇOES LTDA Tropical disse...

VENDO ESSA VELHOTA FALAR UMA SANDICE DESSA FICO PENSANDO O QUE E A QUEM ELA ESTÁ SE REFERINDO.. QUEM ERA OS OUVINTES DO DISCURSO DELA... O ÁECIO.. O LLULLA, O ZÉ DIRCEU.. O VACCARAAA...O PALOFFFA.... ?? O TEMER... JUSTIÇA DE BANDOLEIRO SERÁ PRA BANDOLEIRO???

TROPICAL REPRESENTAÇOES LTDA Tropical disse...

ANONIMO ... PARA O STF... EXATAMENTE AMIGO... RESUMIU TUDO... VÃ E VAGABAS PALAVRAS.. VAGABAS DIANTE DA LENIENCIA E INOPERANCIA DELA...