quarta-feira, 26 de julho de 2017

Polícia Marcada

Carro da PM pichado no Rio de Janeiro 

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Renato Sant’Ana

Com a morte do sargento Hudson Silva de Araújo, em 23/07, Durante patrulhamento na Favela do Vidigal, o Rio de Janeiro contabilizou 91 policiais assassinados em 2017: um a cada 54 horas. É uma guerra, na qual bandidos estão em vantagem.

Será que algum dos ditos (e falsos) ativistas de direitos humanos manifestou mínima preocupação com a vida dos policiais e suas condições de trabalho, e solidariedade com as famílias enlutadas? Não! O que se vê é rigorosamente outra coisa: tratam o criminoso como "vítima social " e o policial como algoz.

Mas não é só aqui! Em 2016, durante os movimentos grevistas da França, a TV mostrou um cartaz - ao que parece, colocado por sindicalistas -, em que se lia: "O povo odeia a polícia!". Mentira! Artifício ideológico! Mera tentativa de instilar, na população, ódio contra a polícia. No Brasil, cada vez que bandidos levam a pior num enfrentamento, uma turminha bem identificada, antes mesmo de conhecer as circunstâncias dos fatos, levanta a voz para acusar os policiais de "excessos". Redes sociais e a própria imprensa servem a esse jogo sujo.

Mas não há improviso. Desqualificar a polícia é parte de um discurso legitimador de crimes, o que, por sua vez, é parte da estratégia de degradar a sociedade para o fim de instalar um regime totalitário. Antonio Gramsci, com um pé na psicose e outro na psicopatia, concebeu tudo isso em pormenores. O mais perverso, porém, é que a "revolução cultural" concebida por Gramsci é feita em geral por gente que nunca sequer prestou atenção no nome dele, que desconhece a teoria que está por trás do movimento, mas que segue fielmente os mandamentos daquele profeta sórdido.

Atacar "isto que está aí", que ele chama de "sociedade burguesa", é a preparação do cenário para implantar o seu "paraíso revolucionário", coisa que a maioria dos apóstolos faz sem o saber. E é da lógica dessa práxis não corrigir, mas tirar proveito ideológico de eventuais erros da instituição policial, já que, nessa etapa da "revolução", o que importa é "desconstruir".

Mas não se vai aqui tapar o sol com a peneira. Há muito a ser feito para corrigir desvios da polícia, assim como para combater a criminalidade. Agora, nada de bom e justo será possível sem desmascarar os ativistas ideológicos que, estrategicamente, se empenham na destruição das instituições, na subversão dos valores mais caros da democracia, na degradação moral da sociedade e no exercício populista de manipular consciências.

O discurso antipolícia visa, em última análise, a subordinar a corporação policial aos desígnios da "revolução". Todavia, a desejável paz social requer que a subordinação da polícia seja unicamente ao Estado de Direito, jamais a esta ou àquela ideologia.

Por fim, registre-se que, em regiões como o Rio Grande do Sul, em que o "catecismo" de Gramsci causou mais estragos, a bandeira antipolícia produziu resultados bem palpáveis: hoje há policiais com medo de agir, receando ter de responder, dentro da corporação, a um inquérito policial militar, o qual já foi, muitas vezes, conduzido na estreiteza do politicamente correto. Sem mais comentários.


Renato Sant'Ana é Psicólogo e Bacharel em Direito.

4 comentários:

Anônimo disse...

Quando policiais começam a fazer "negócios" com a bandidagem, perdem o moral. Infelizmente quem paga o pato são os policiais honestos e os cidadãos.

Martim Berto Fuchs disse...

RS = República Socialista. Isto começou em 1958, quando Brizola, negando ser socialista, escreveu a carta ao povo gaúcho, se identificando como "trabalhista". Elegeram aquele lobo em pele de cordeiro, governador.
Depois, mostrando a verdadeira cara, criou os "Grupos dos 11".
O RS é hoje no Brasil o estado em que o socialismo está mais avançado, principalmente na região metropolitana de POA. E, estado falido. Resultado natural.
Ou o Nelson Marchesan Jr. dá uma de macho no enfrentamento com os sindicatos pelegos, ou some na poeira.

Anônimo disse...

É PRECISO UMA DENUNCIA SÉRIA CHEGANDO COM URGENCIA ATÉ A ONU... EM OUTRAS DÉCADAS O CIDADÃO DE BEM ERA TRATADO COMO BANDIDO E AS POLICIAS ASSASSINAVAM E TORTURAVAM SEM SEREM IMPORTUNADOS, HOJE BANDIDOS DE ALTA PERICULOSIDADE RECEBEM TODO TIPO DE MORDOMIAS E PERDÃO E NINGUÉM É QUESTIONADO, MAS SEMPRE O JUDICIARIO COMANDOU ESSAS FASES, HORA DITADORA E AGORA SABOTADORA, NINGUÉM SE ATREVE QUESTIONAR ESSA MAFIA QUE ANTES E DEPOIS APRONTAM E SAEM COMO SANTOS... NARCOTRAFICO, CONTRABANDO E JOGOS ILEGAIS SEMPRE FORAM O CARRO CHEFE...

Anônimo disse...

Onu,judiciário,tá de sacanagem.
A coisa tá ficando a cada dia pior,com os politicos e juízes que temos nd irá mudar.
Que Deus ajude o povo brasileiro.