sábado, 23 de setembro de 2017

Mourão botou o bode na sala... E agora?


Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, deu ontem, como oficialmente terminado, o “Caso Mourão” – uma falsa polêmica gerada pela interpretação da mídia tradicional a um discurso que bateu recordes de viralização nas redes sociais. Entre um tiroteio e outro na super favela da Rocinha, Jungmann declarou: “Me reuni com o comandante do Exército, ele tomou as providências necessárias, emitiu nota a esse respeito e este caso está encerrado”.

O ministro pode dizer o que quiser, mas o caso não está. Necessita de muitos esclarecimentos. Quem assistiu realmente ao vídeo da palestra dada pelo General de Exército Antônio Mourão na Maçonaria, vai constatar que ele em nenhum momento defendeu “Intervenção Militar” ou “Golpe”. O militar apenas pontuou que o Exército, por obrigação Constitucional e por visão estratégica, está preparado para tudo, caso a crise brasileira se agrave, por omissão ou falha do Judiciário em combater a corrupção, punindo os corruptos de maneira exemplar e na forma das leis em vigor.

Na palestra, o General Mourão deixou claro que quem fala pelo Exército é seu Comandante, General Villas-Bôas, e que este sempre tem ressaltado o compromisso do Exército com a Democracia e a Constituição. No entanto, os aloprados de esquerda – no parlamento e na mídia – fizeram a “interpretação” distorcida, que quiseram, do discurso de Mourão. Tal burrice ou canalhice é imperdoável eticamente. Tal postura não deixa o “Caso Mourão” se encerrar.   


Conforme destacou Raul Jungmann, o Comandante do Exército, General Eduardo Villas Bôas, divulgou ontem uma nota para desautorizar outros militares que tenham falado em nome da instituição. No texto, Villas Bôas afirma que já apresentou ao ministro esclarecimentos envolvendo o General Mourão “para assegurar a coesão, a hierarquia e a disciplina”. Curiosamente, para pavor da esquerdalha e da bandidagem, o texto não repreende, nem desautoriza o conteúdo do discurso de Mourão.

Assim, é inconsistente e até infantil a versão midiática de que Villas-Bôas “repreendeu” Mourão... Generais do Alto Comando do Exército não praticam este tipo de “viadagem” (perdão, mas não existe outro termo técnico adequado para descrever mais uma tentativa da mídia em inventar uma postura que militares de idêntica alta patente não adotam em suas reuniões ou conversas profissionais).

Os 15 membros do Alto Comando do EB promovem debates estratégicos de alto nível e tomam decisões em função do que analisaram. Não agem de modo emocional, como em briguinhas de comadres. O mais seguro é levar muito a sério o que escreveu ontem e tem repetido insistentemente o Comandante Villas-Bôas, um dos mais brilhantes oficiais da História do Exército Brasileiro na área da Comunicação Democrática e da Transparência: “O Exército Brasileiro é uma instituição comprometida com a consolidação da democracia em nosso País”.

Só idiotas ou canalhas não querem ou preferem não entender que o Alto Comando do Exército não vai tolerar os desvios ou sabotagens que a corrupção sistêmica e seus agentes promovem contra os princípios do Estado Democrático de Direito. Daí vem o contundente “recado” do General Mourão. Nossos militares não querem dar golpe, na mesma proporção em que não vão aceitar golpes em andamento contra a Democracia.

O engraçado é: a mídia que pinta Mourão como um “General da Coréia do Norte, de Cuba ou da Venezuela” é a mesma imprensa que clama por “intervenção” dos militares na hedionda guerra civil nos grandes centros urbanos brasileiros, sobretudo o Rio de Janeiro, exemplo máximo de um Estado subjugado pelo Crime Institucionalizado.

O problema grave é que nosso falho ordenamento jurídico não dá total amparo legal aos militares que receberam a amarga missão de neutralizar narcoguerrilheiros em regiões faveladas. Novamente, em nome da Garantia da Lei e da Ordem, nossas Forças Armadas vão cumprir o papel básico de uma Polícia Militar. Isto sim é um “golpe”... Só que um golpe dado contra os militares, e não o golpe que a esquerdalha bandida teme que eles decretem pela força.

O desfecho do que pode acontecer no Rio de Janeiro, na Rocinha ou em outra qualquer, será decisivo para a construção e consolidação de um regime democrático que ainda não temos no Brasil. O ainda ineficaz combate à corrupção sistêmica é a prova de que estamos distantes da segurança jurídica necessária. Foi apenas isto que o General Mourão expôs, claramente, na palestra maçônica que viralizou.

Resumindo: os militares – como a maioria dos brasileiros – querem mudanças estruturais feitas a partir do ordenamento constitucional que está em vigor, por mais falho que ele seja. O jogo é mais de legitimidade do que de mera legalidade.

Falando ou não em nome do Exército – tal enigma é indecifrável -, Mourão apenas “colocou o boné na sala”. E agora?... Agora temos de mudar o Brasil, ou a bagaça vai degenerar em violência descontrolada... Por enquanto, o Crime está vencendo por goleada...

Não é toa que estamos suportando o governo de um acusado de chefiar uma organização criminosa, enquanto os antecessores dele continuam livres, leves e soltos, desafiando o regime democrático...

Filmes queimados...






Colabore com o Alerta Total

Os leitores, amigos e admiradores que quiserem colaborar financeiramente com o Alerta Total poderão fazê-lo de várias formas, com qualquer quantia, e com uma periodicidade compatível com suas possibilidades.

Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 4209-9, C/C: 9042-5, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

OBS) Valores até R$ 9.999,00 não precisam identificar quem faz o depósito; R$ 10 mil ou mais, sim.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.

Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!


O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 

A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 23 de Setembro de 2017.

7 comentários:

jomabastos disse...

Ótimo artigo!
"Resumindo: os militares – como a maioria dos brasileiros – querem mudanças estruturais feitas a partir do ordenamento constitucional que está em vigor, por mais falho que ele seja. O jogo é mais de legitimidade do que de mera legalidade."
"E agora?... Agora temos de mudar o Brasil, ou a bagaça vai degenerar em violência descontrolada... Por enquanto, o Crime está vencendo por goleada..."
"Não é toa que estamos suportando o governo de um acusado de chefiar uma organização criminosa, enquanto os antecessores dele continuam livres, leves e soltos, desafiando o regime democrático..."

Existem três grupos de criminosos que estão a destruir o país, o da corrupção, o do Foro de São Paulo e o dos traficantes e assassinos que abalam o país com sua brutal violência. Há que combater e desenraizar profundamente estes três inescrupulosos grupos!

O certo é que todo o brasileiro que tenha a aspiração de viver em uma verdadeira democracia, em um Brasil desenvolvido, livre de corrupção, de violência, com liberdade de expressão e livre das desprezíveis regras comunistas de toda a ala política do Foro de são Paulo, indubitavelmente reviu-se nas palavras sábias e saudáveis do General António Mourão. Há que pôr o país em ordem!

O Brasil necessita de uma Intervenção Constitucional, preferencialmente antes das eleições de 2018.

Anônimo disse...

Vindo dos Pampas
sexta-feira, 22 de setembro de 2017
Avante, General Mourão! ✰ Artigo de Sérgio Alves de Oliveira

Causou grande desconforto e reboliço devastador pior que um furacão Categoria 5 a palestra do General de Exército da Ativa, Hamilton Mourão, na Loja Maçônica Grande Oriente, em Brasília, no dia 15.09.2017, especialmente nos meios políticos e militares. O pessoal da esquerda, como a Senadora Gleisi Hoffmann, Presidente (a?) do PT, chegou a ter  ataques e crises histéricas, exigindo imediatas providências punitivas ao general pelo  Comandante do Exército, Ministro da Defesa e Presidente Temer. Todos foram colocados na “parede” pela dita Senadora, certamente cedendo aos apelos do “reizinho” que ela pensa ter na barriga.
Mas qual teria sido o “crime” do General Mourão, merecedor de punição?
Em primeiro lugar o General Mourão demonstrou que realmente é um cidadão bem preparado e informado, trazendo à tona a sua enorme bagagem de conhecimentos não só nas questões militares e políticas do Brasil, como também do Mundo, cumprindo com  maestria o extenso e complexo roteiro da sua palestra.
Terminada a minuciosa exposição, a organização do evento sorteou meia dúzia de perguntas das tantas que foram feitas para serem respondidas pelo General Mourão. Em uma delas foi perguntado sobre a possibilidade de haver uma intervenção do Poder Militar, com base no artigo 142 da Constituição, em vista da crise política enfrentada pelo país. Esse tema não estava previsto no roteiro da palestra. Mesmo assim, o general não deixou de responder, ficando claro que o que ele diria não seria necessariamente a posição do Exército, e sim somente dele.CONTINUA...

Anônimo disse...



Vindo dos Pampas CONTINUA II
A clara resposta dada sobre esse assunto não teve nada de “política”. Ela foi puramente “jurídica”, e seria certamente respondida de igual maneira por qualquer operador do direito “diplomado”. O general somente cometeu o “crime” de repetir o que estava escrito na Constituição.
O que está disposto no citado artigo 142 da Constituição? Simplesmente assim: “AS FORÇAS ARMADAS, CONSTITUÍDAS PELA MARINHA, PELO EXÉRCITO E PELA AERONÁUTICA…. DESTINAM-SE À DEFESA DA PÁTRIA, À GARANTIA DOS PODERES CONSTITUCIONAIS E, POR INICIATIVA DE QUALQUER DESTES, DA LEI E DA ORDEM”.
Ora, apesar do General Mourão não ter habilitação como operador do direito, ele deixou claro que não é nenhum analfabeto funcional, ou seja, aquele que sabe ler, mas não compreende o que lê, como grande parte do oficialato das FFAA que o censurou pela palestra. Bem sabe o general, por exemplo, que a intervenção por requisição de algum dos Três Poderes somente seria exigível nas hipóteses de “garantia da lei ou da ordem”. Aliás, esse tipo de “intervenção” tem sido usado indiscriminadamente pelos Presidentes da República. Usam-na até para acabar com briga da cachaceiros em botequins. A vírgula estrategicamente disposta na redação do artigo, “in fine”, não deixa qualquer dúvida sobre essa interpretação. Nas outras duas hipóteses de intervenção (defesa da pátria e garantia do poderes constitucionais), não há necessidade de requisição das Forças Armadas por algum dos Três Poderes, como “burramente” tem interpretado em vários declarações à imprensa inclusive o Comandante do Exército. Elas podem e devem agir de moto próprio.
Registre-se, por oportuno, que a alegação de eventuais restrições legais para essa atitude das FFAA, por decisão própria, por força da Lei Complementar 97, de 1999, que regulamenta o art. 142 da CF, não poderia prosperar devido à sua flagrante INCONSTITUCIONALIDADE, infelizmente até hoje não levantada pelas entidades que poderiam e têm competência para fazê-lo. Mesmo uma lei complementar não pode alterar a constituição.CONTINUA...

Anônimo disse...


Vindo dos Pampas CONTINUA III E TERMINA
Sem dúvida os pressupostos para a intervenção constitucional motivada por ameaças aos Poderes Constitucionais e defesa da pátria, por exclusiva iniciativa e decisão das Forças Armadas, já estão presentes. Os Poderes Constitucionais, representados pelo Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, foram invadidos por delinquentes de toda espécie, perdendo totalmente suas legitimidades. Por seu turno a “pátria” está sendo incontrolavelmente invadida por uma política de migrações extremamente tolerante, justamente num momento em que o Mundo sofre trágicas consequências, inclusive com o terrorismo, incentivado por organismos internacionais que também já foram tomados pela nefasta política mundial, como a ONU e a UNIÃO EUROPEIA. Também a soberania brasileira está sendo compartilhada e parcialmente entregue ao  FORO DE SÃO PAULO, criado por Fidel Castro e Lula, em 1990, cujas diretrizes aplicadas no Brasil persistiram mesmo após o afastamento da Presidente Dilma, tudo acontecendo sob os olhares indiferentes e omissos das Forças Armadas.
Aos leitores que se interessarem por esse tema, tenho estudos anteriores já publicados, como, dentre outros: “As Forças Armadas podem intervir?” ; “Eu acuso as Forças Armadas de traição” ; “Comando Militar do Sul (ou) Exército Sul-Brasileiro? ; “O Exército Fantoche da Hierarquia” ; ...“E o General Mourão amarelou” ; “Destrinchando a Intervenção do artigo 142 da Constituição” ; “A incompreensão castrense da Intervenção Constitucional” ; “Desobediência civil dos juízes ? E dos Militares?”  ; “Palavras de um tresloucado” ; “ Falta Macho nas Forças Armadas? “ O Exército Marionete do Presidente”.
Sérgio Alves de Oliveira - Advogado e Sociólogo

Postado por Vindo dos Pampas às 9/22/2017 02:00:00 AM
PS - O PARTIDO DO NAO FEDE E NEM CHEIRA FOI O RESPONSAVEL PELA DESTRUIÇAO DO RIO DE JANEIRO COM SUA CONTRIBUIÇAO DE MERDA DE EGRESSOS DESSE PARTIDO DE MERDA DISTRUIDORES DA CONSTITUIÇAO PERNETA. A OBRIGAÇAO DAS FFAA E DEFENDER O PAIS E O POVO BRASILEIRO E NAO UM AMANUENSE DE MERDA IGUAL ESTE VAGABUNDO TEMEROSO QUE QUER SE DESQUITAR DA PUTA PORCA E NAO PODE E AINDA MAIS QUER ACOBERTAR SEUS ILICITOS E O ILICITO DE QUASE TODOS OS SEUS ASSOCIADOS DO PMDB DE MERDA CHUPINS DA NAÇAO. O PESAO QUE SUBA O MORRO EM VEZ DE JOGAR OS DEJETOS E CAGALHOES EM CIMA DAS FFAA QUE NAO TEM OBRIGAÇAO DE LIMPAR FEZES.

Anônimo disse...

Quem está esperando que a maçonaria faça algo não precisa mais aguardar.
A maçonaria está envolvida em rigorosamente todas as grandes roubalheiras nacionais.
Lula, José Dirceu, FHC (agora denominado THC), o judeu Dilmão... e todos os outros, todos são maçons.

E não só... o próximo presidente brasileiro, o judeu Henrique Meirelles também é maçom.
Sim, este banqueiro judeu desconhecido que em 2002 morava nos EUA, se candidatou para deputado federal pelo PSBD em Goiás, não fez nenhum discurso, nenhum comício, nenhuma campanha eleitoral nem nada, e foi eleito o deputado federal mais votado em tal estado. Foi o milagre operado pelas urnas eletrônicas. Milagre que vai se repetir em 2018.

Como? Vai ver quem está por trás das urnas eletrônicas, do TSE... são todos maçons! Entendeu agora?!

Anônimo disse...

Com a declaração do general e a interpretação distorcida das ratazanas, deu-se uma correria geral para as privadas de um certo castelo. Faltou até papel higiênico.

Anônimo disse...

O nosso prezado Jorge Serrão esqueceu de esclarecer aos seus milhares de leitores deste blog, que o General Mourão já foi punido,por suas declarações corajosas, quando perdeu o comando direto da tropa e passou exercer função burocrática no organograma do exercito brasileiro.Mas assim mesmo continua a ser o General da ativa, mais conceituado das FFAA. Por favor me corrijam se eu estiver equivocado.