segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Autocrítica


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Paulo Roberto Gotaç

O  artigo  "STF de Jatinho", de Eliane Catanhêde, analisa as espinhosas questões às quais os nobres togados da Corte  terão que dedicar tempo e energia para debater e decidir durante o ano que mal se inicia. 
A jornalista abre o texto fazendo referência aos recentes pedidos de habeas corpus interpostos por Lula  e Sérgio Cabral, o primeiro para não ser preso e o segundo, réu pela 21a vez, solicitando retorno a uma aprazível cadeia carioca. 

Em seguida, banaliza o conceito de escândalo, definindo-o como evento comum no cenário brasileiro atual e lista os embates que vêm pela frente,  como o relativo ao foro privilegiado cujo desfecho é aguardado com ansiedade pela sociedade  e a outro, adormecido nas gavetas do STF desde 2014 e que volta a ganhar destaque, o auxílio moradia para juízes e magistrados, forma legal , embora imoral, de reajustar salários e catapultá-los a níveis acima do teto permitido. 

O mais constrangedor porém, é o fato enfatizado pela ilustre analista no fecho do artigo, dando conta de que alguns dos ministros do STF, em face da pauta pesada, reivindicam que os necessários deslocamentos sejam realizados em jatinhos oficiais para evitar os contatos diretos, às vezes despropositais e fora dos limites de educação, com o público, nos aviões de carreira. 

Diante de tais reações hostis aos representantes máximos da justiça, situação pouco presenciada em estados democráticos de direito mundo afora, cabe a sugestão que eles incluam na pauta uma discussão sobre a razão de elas ocorrerem com tanta frequência por aqui. 

Pode ser que se chegue à conclusão que um dos motivos, entre outros importantes, esteja relacionado a algumas decisões esdrúxulas e favorecedoras a pessoas ou instituições, adotadas pelo colegiado ou unilateralmente. 

Talvez tenha passado a hora dos togados realizarem uma contrita autocrítica.


Paulo Roberto Gotaç é Capitão de mar e guerra reformado pgotac@gmail.com

Nenhum comentário: