terça-feira, 14 de agosto de 2018

Lava Jato tem mais arsenal contra Lula e Dilma



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Enquanto a mídia se concentra na candidatura-fake de Lula (que será impedida pela simples aplicação da Lei da Ficha Limpa), a espinha dorsal do esquema de corrupção do PT sofre seu mais contundente ataque. Finalmente, a Lava Jato transformou em réu o poderoso Guido Mantega (ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Conselho de Administração da Petrobras). Agora, as broncas se aproximam, perigosamente, da Presidenta impichada Dilma Roussef – que também presidiu o Conselho de Administração da Petrobras na Era Lula.

Foi a primeira vez que Mantega virou réu na Lava Jato. O juiz Sérgio Moro aceitou que ele seja processado por ter liderado o esquema para aprovação das Medidas Provisórias 470 e 472 que beneficiaram o grupo Odebrecht. Mantega é acusado de solicitar e usar uma propina de R$ 50 milhões – grande parte repassada aos marketeiros João Santana, Mônica Moura e André Santana. O dinheiro foi usado na campanha presidencial de 2014 – reelegendo Dilma Rousseff e seu vice Michel Temer, com Lula operando por trás...

O juiz Moro rejeitou a denúncia contra Antônio Palocci - ex-ministro da Fazenda (e também ex-conselheiro de administração da Petrobrás). Moro avaliou que Palocci participou dos fatos corruptos, porém foi Mantega quem liderou tudo. A denúncia contra Mantega tem base em provas fornecidas pela Odebrecht e Braskem. O pagamento da propina foi registrado nas planilhas do famoso “Departamento de Operações Estruturadas” da Odebrecht. Em suma, Mantega foi detonado por Marcelo Odebrecht e pelo casal baiano de marketeiros.

Agora que Mantega virou réu, fica escancarado o caminho para que a Força Tarefa da Lava Jato também apure, com profundidade, todas as evidências de crimes societários cometidos pela quadrilha petista. A corrupção montada para beneficiar o partido seqüestrou a Petrobras, causando prejuízos para milhares de investidores minoritários e milhões de pagadores de impostos no Brasil.

Aprofundar investigações sobre Mantega pode derrubar a tese da “vitimização da Petrobrás” – freqüentemente evocada por alguns membros da Força Tarefa da Lava Jato. A Petrobrás não é vítima. Na verdade, é algoz dela mesma para atender interesses diversos do objetivo social da companhia de economia mista. O dolo é tão explicito que a Petrobrás pagou US$ 2.950.000.000,00 (dois bilhões novecentos e cinquenta milhões de dólares) na Class Action perante a Corte de Nova York como devedora solidária de seus diretores, gerentes, conselheiros, incluindo bancos e corretoras.

Um fato é escandaloso: decorridos quatro anos e meio, desde o dia 20/03/2014 – data da prisão de Paulo Roberto Costa, nenhum conselheiro ou diretor da Petrobras foi processado pela companhia, embora tenham faltado flagrantemente com seu dever diligência como administradores da companhia. O que justifica tamanha omissão da suposta “vítima”? Desde 23 de setembro do ano passado, a Petrobrás enfrenta contra ela uma Ação de Arbitragem na B3 (a Bolsa de Valores)...

Resumindo: É inevitável que uma apuração série dos crimes societários indique que a Petrobrás foi, no mínimo, conivente com os autores do “seqüestro” da empresa. Assim, muita bronca ainda pode sobrar para o chefão Lula, Dilma Rousseff, José Dirceu, Guido Mantega, Antônio Palocci e muitos outros dirigentes e conselheiros indicados pelo PT e seus comparsas.

Com o indiciamento de Mantega, parece que a Lava Jato está apenas começando... A bronca também pode sobrar para dirigentes de órgãos de fiscalização (como a Comissão de Valores Mobiliários – CVM) e as empresas gigantes de auditoria que não flagraram tantos crimes evidentes contra uma empresa que já foi “orgulho nacional”...


Pedido de socorro aos leitores

Releia o artigo de domingo: O Meu Ladrão de celular na bicicleta

Leitores, amigos e inimigos que quiserem e puderem nos ajudar na “vaquinha” para cobrir o prejuízo com a perda do meu celular instrumento de trabalho, favor depositar qualquer contribuição pelos seguintes meios abaixo.

Desde já, agradeço aos que colaboraram...


Nos botões do lado direito deste site, temos as seguintes opções:

I) 
Depósito em Conta Corrente no Banco do Brasil.
Agência 0722-6, C/C: 209042-2, em favor de Jorge Serrão.

II) Depósito em Conta Poupança da Caixa Econômica Federal ou em agências lotéricas: 2995 013 00008261-7, em favor de Jorge Serrão.

III) Depósito no sistema PagSeguro, da UOL, utilizando-se diferentes formas (débito automático ou cartão de crédito).

IV) Depósito no sistema PayPal, para doações feitas no Brasil ou no exterior.






Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 14 de Agosto de 2018.

Um comentário:

Anônimo disse...

"O dolo é tão explicito que a Petrobrás pagou US$ 2.950.000.000,00 (dois bilhões novecentos e cinquenta milhões de dólares) na Class Action perante a Corte de Nova York como devedora solidária de seus diretores, gerentes, conselheiros, incluindo bancos e corretoras".

Faltam agora a CVM juntamente com o STF punirem a Petrobras e indenizarem os pequenos e médios investidores pelos prejuízos causados. Como se lê no artigo em pauta e, pelas investigações da PF, a Petrobras não é vítima. Que se cumpra a lei sem omissão nem favorecimento.