sábado, 25 de agosto de 2018

Não comemoramos o Dia dos Bandidos!



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net

Não tem jeito, nem jeitinho. O Brasil necessita, urgentemente, de um Choque de Ordem Pública – o valor fundamental da sociedade, pois é a garantidora da vida. Precisamos de soluções imediatas para um mega-problema Jurídico, Político, Econômico e, sobretudo, Moral. Uma Intervenção Institucional é inevitável. Se o próximo Presidente eleito (seja quem for) não liderar tal processo de reordenamento, vamos mergulhar em uma guerra civil declarada (a não declarada já extermina 63 mil brasileiros por ano).  

Temos de reinventar e refundar a Nação. Romper com o domínio do Crime é a prioridade máxima. Precisamos debater e outorgar uma nova Constituição que garanta ao cidadão o controle direto sobre a máquina estatal, via transparência total. A conseqüência imediata será uma reforma legal que implante a verdadeira Democracia – definida como a segurança Jurídica, política, econômica, institucional e individual. Basta de regramento excessivo, rigor seletivo e impunidade! Assim teremos um Judiciário ágil, eficiente, efetivo e, sobretudo, justo.

Passou da hora de implantar o Federalismo pleno, a Reforma Política, o Voto Distrital e livre, as candidaturas independentes, um sistema de votação eletrônica combinado com o voto impresso para recontagem física e a possibilidade de “recall” (o direito de desconfiar e afastar o eleito que cometer improbidades e crimes). Assim escolheremos representantes legítimos, com capacidade para bem governar, gerenciar, legislar e fiscalizar, em parceria com cidadãos que atuarão nas controladorias públicas.

As bases para as mudanças fundamentais foram escritas em apenas três parágrafos. O momento de profunda Crise Institucional, na guerra de todos contra todos os poderes, sob influência do crime organizado e violência descontrolada, exige um amplo debate sobre soluções objetivas para cada problema. É imprescindível uma discussão política civilizada, reconhecendo e respeitando (porém neutralizando) as babaquices ideológicas. Devemos usar melhor os vários Conselhos de Políticas Públicas que temos no Brasil.

Infelizmente, o caos institucional reinante, dominado pelo regime do Crime e sua Corrupção sistêmica, dificulta que o momento eleitoral seja aproveitado para a promoção de debates relevantes, em vez dos bate bocas inúteis, promovidos por “torcedores” fanáticos da politicagem. Lamentavelmente, os candidatos ficam mais focados na eleição deles mesmos do que na discussão pública para a solução de problemas gritantes da sociedade. Os 35 partidos operam como meros cartórios e apenas fingem que fazem Política de verdade. O interesse das “empresas” partidárias é eleger deputados federais para garantir a grana fácil do “Fundo Partidário”... Que merda!

Enquanto isso, o eleitorado sobrevive, apavorado, com o tema mais assustador das campanhas: a insegurança pública, a violência sem controle e a barbárie promovida por “bandidos profissionais” e por agentes estatais que cometem abusos na ineficiente e ilegítima repressão. Do jeito que a coisa desanda, daqui a pouco teremos de comemorar o Dia do Bandido, o Dia do Corrupto, o Dia do Canalha da pior espécie. Um País assim não tem presente, nem futuro democrático. A Ditadura do Crime seguirá dominando.

Felizmente, alguns segmentos organizados da sociedade começam a reagir. Esta crescente e legítima pressão pública força uma reação dos poderes constituídos. Os militares são um exemplo. A turma ativa na reserva decidiu fazer a opção pela via da arriscada pressão política-eleitoral. A tropa na ativa, sob comando do General Eduardo Villas-Bôas, é forçada a atuar na Garantia da Lei e da Ordem. As Forças Armadas estão em guerra aberta contra o narcotráfico, claramente na intervenção federal no Rio de Janeiro.

Nos bastidores, os militares também promovem uma espécie de “contrarrevolução” cultural contra os verdadeiros organizadores e mantenedores da bandidagem institucionalizada. Basta uma leitura minimamente atenta da Ordem do Dia do Soldado redigida pelo Comandante Villas-Bôas. O Alerta Total publica na íntegra e o lendário Negão da Chatuba, famoso Cabo da Faxina, assina embaixo:

------------------------------

Em 1º de Março de 1845, Caxias, então vencedor da Guerra dos Farrapos, celebrou a Paz de Ponche Verde. A conclamação final sintetizava seu espírito pacificador: “Abracemo-nos e unamo-nos, não peito a peito, mas ombro a ombro, em defesa da Pátria, que é a nossa mãe comum”, mostrando que somente a superação dos antigos e injustificáveis antagonismos abriria caminho para a construção de um futuro grandioso.

Ao celebrarmos 215 anos de seu nascimento, nunca foi tão importante ao Brasil enaltecer as qualidades desse brasileiro exemplar.

Os herdeiros de Caxias têm se superado, diariamente, para honrar seu legado, ao atuar, de forma anônima e abnegada, em benefício da população, onde e quando for preciso.

Hoje, passados dois séculos de seu batismo de fogo, o espírito pacificador de Caxias, mais do que nunca, faz-se necessário ao Brasil.

Vivemos uma era de conflitos e incertezas, na qual os individualismos se exacerbaram e o bem comum foi relegado a segundo plano.

Perdemos a disciplina social, a noção de autoridade e o respeito às tradições e aos valores, o que nos tornou uma sociedade ideologizada, intolerante e fragmentada. Estamos nos infelicitando, diminuindo nossa autoestima e alterando nossa identidade.

Somos um grande país, que não consegue vislumbrar um projeto para o seu futuro, nem, tampouco, identificar qual o papel a exercer no concerto das nações.

Para superar tantos desafios, tornou-se frequente o emprego das Forças Armadas em missões variadas, como as de garantia da lei e da ordem, atendendo prontamente ao chamado de diversas Unidades da Federação.

Atuamos no Rio Grande do Norte, no Espírito Santo e, particularmente, no Rio de Janeiro, onde a população alarmada deposita esperanças em uma intervenção que muitos, erroneamente, pensam ser militar.

Passados seis meses, apesar do trabalho intenso de seus responsáveis, da aprovação do povo e de estatísticas que demonstram a diminuição dos níveis de criminalidade, o componente militar é, aparentemente, o único a engajar-se na missão.

Exigem-se soluções de curto prazo, contudo, nenhum outro setor dos governos locais empenhou-se, com base em medidas socioeconômicas, para modificar os baixos índices de desenvolvimento humano, o que mantém o ambiente propício à proliferação da violência.

Apesar de admitirmos que as leis vigentes devam ser modificadas com urgência, continuamos a proceder com naturalidade em face à barbárie de perder mais de 63.000 vidas por ano.

Enquanto isso, há soldados nas fronteiras, ainda que lhes faltem recursos para uma eficaz e rápida atuação.

Há soldados em Pacaraima, porta de entrada da Venezuela para o Brasil, tentando minimizar uma tragédia humanitária, que está sendo acompanhada com preocupação pela comunidade internacional.

Há soldados distribuindo água no semiárido nordestino há mais de 15 anos.

Há soldados trabalhando na nossa infraestrutura, na distribuição de vacinas, e na garantia da votação e apuração.

Soldados foram chamados para vistoriar presídios e superar a grave crise de abastecimento, só contornadas graças ao espírito conciliador que trazem dentro de si.

Vivemos tempos atípicos. Valorizamos a perda das vidas de uns em detrimento das de outros. Há quatro dias, durante operações no Rio de Janeiro, perdemos o cabo Fabiano de Oliveira Santos e o soldado Marcus Vinícius Viana Ribeiro, ambos do 2º Batalhão de Infantaria Motorizado, além do soldado João Viktor da Silva, do 25º Batalhão de Infantaria Paraquedista. Suas mortes tiveram repercussão restrita, que nem de longe atingiram a indignação ou a consternação condizente com os heróis que honraram seus compromissos de defender a Pátria e proteger a sociedade.

Como eles, há soldados das três Forças Armadas que têm sacrificado suas vidas para que o futuro do Brasil seja diferente. É chegada a hora de dizer basta ao diversionismo, à radicalização retrógrada e à fragmentação social.

Urge retomar o espírito pacificador de Caxias, que soube, respeitando as diferenças, encontrar um caminho de sinergia e de coesão para o País.

Meus comandados!

É preciso que busquemos a união, com espírito público, sacrifício e ética.

O Brasil tem pressa para reencontrar sua identidade.

Que as inúmeras virtudes do “Duque de Ferro” nos sirvam de inspiração.

Que nessa hora, coberta de dúvidas, sejamos corajosos para nos despojarmos daquilo que nos desagrega.

Nós, soldados da Pátria, não podemos temer. O Brasil e os brasileiros serão sempre a nossa servidão.

Gen Ex Eduardo Villas Boas
Comandante do Exército Brasileiro
 
SOLDADO DO EXÉRCITO! POR VOCÊ! POR TODOS!
     
----------------------------
Resumindo: No Brasil, ainda não comemoramos o “Dia do Bandido”. Os segmentos esclarecidos da sociedade têm o dever de exercer seu legítimo Poder Instituinte para reinventar e refundar o Brasil. As Forças Armadas dão integral apoio aos que têm coragem e honra para combater o Crime, dentro da Lei e da Ordem Democrática. Ou seja: nós, o povo, é que temos de vestir a farda do “Cabo da Faxina” para liderar e fazer a limpeza institucional.

Resumindo novamente: Quem não reage... rasteja!

Um dindin para $talinácio?


A futura senadora por Minas Gerais, Dilma Rousseff, bem que podia apresentar o programa “$talinácio Esperança”...

CARVALHOSA X LULA

Mensagem do Professor Modesto Carvalhosa sobre a representação criminal contra Lula e sua candidatura fake:

“Conjuntamente com o escritório do Dr. Eduardo Spínola, entramos com uma representação criminal contra o sr. Luiz Inácio Lula da Silva, atualmente domiciliado no cárcere da Polícia Federal na cidade de Curitiba.

Esse senhor fez o pedido de registro de sua candidatura à Presidência da República apresentando uma certidão da 3ª Região que não dá notícia de sua inelegibilidade, consoante com a “Ficha Limpa”.

Ao omitir este fato notório e incontestável, claramente tenta enganar os julgadores de seu pedido de registro, ferindo o artigo 350 do código eleitoral:

“Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele deveria constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa, da que devia ser escrita, para fins eleitorais.”

Ou seja, o criminoso comete mais um crime. Passível de punição.

Cumprindo o dever legal imposto pelo art. 356 do Código Eleitoral, levamos ao conhecimento do EXMO SR. SUB-PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA JUNTO AO EGRÉGIO SUPERIOR TRIBUNAL ELEITORAL esta representação, para que o ex-presidente seja formalmente denunciado pela prática do crime capitulado no art. 350 do mesmo Código.

Pedimos o apoio de vocês e dos meios de comunicação para que nos ajudem a divulgar esta representação de suma importância para o andamento normal das eleições no Brasil.





Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 25 de Agosto de 2018.

19 comentários:

Manoel Meirinho disse...

mudanças urgentes e necessárias. uma lei que permite diversas interpretações, nao é boa, nao é legitima. porem aqueles que deveriam providenciar mudanças, são os mesmos interessados em complica-las ainda mais. e o povo continua dormindo, dominado, anestesiado, acomodado, chorão e reclamão, refém da própria ignorância, ignorância esta incentivada e festejada por estes criminosos que dominam a Pátria.

Manoel Meirinho disse...

mudanças urgentes e necessárias. uma lei que permite diversas interpretações, nao é boa, nao é legitima. porem aqueles que deveriam providenciar mudanças, são os mesmos interessados em complica-las ainda mais. e o povo continua dormindo, dominado, anestesiado, acomodado, chorão e reclamão, refém da própria ignorância, ignorância esta incentivada e festejada por estes criminosos que dominam a Pátria.

Sempre Mais do MESMO disse...

O pensador NIETZSCHE apontou brilhantemente o que é a idéia daqueles que sentem-se superiores, mais importantes que os demais. Diz ele algo assim (vai de cabeça mesmo):

Um príncipe se julga tão superior ao povo que nem mesmo consegue imaginar que são pessoas iguais a ele, que sofrem, que sentem dor. Ele (talvez) não promova o sofrimento do povo por maldade, mas porque para ele o povo é tão diferente que não consegue imaginar que sofra. É como os insetos que matamos, como baratas, que jamais conseguimos nos ver no lugar destas e as esmagamos sem qualquer hesitação.

Nietzsche foi mais breve e explícito, mas não lembro as palavras exatas, embora a idéia seja essa.

Na verdade o ser humano somente consegue ser decente quando se põe no lugar alheio. Se não consegue se ver na posição do outro, não lhe dedica qualquer sentimento.

Um torcedor de um time ODEIA SINCERAMENTE o árbitro que ROUBA CONTRA o SEU TIME. Ele xinga e se enfurece contra a INJUSTIÇA apenas se desfavorável a seu time.

É a NATUREZA HUMANA! Nenhum torcedor conseguirá ODIAR o árbitro que ROUBA a FAVOR do SEU TIME. É impossível.

O torcedor poderá reconhecer e até defender punição para o juiz ladrão, caso seja indisfarsável e impossível de inventar desculpa para a gatunagem do árbitro. Porém a gatunagem jamais despertará o ódio do torcedor beneficiado.

Emoções sinceras, por óbvio, não se pode forjar. É lógico.

Atentem para os DEFENSORES de BANDIDOS! ...Eles, POR AFINIDADE, se vêem NO LUGAR do BANDIDO e se apiedam de si mesmos. Por isso defendem e até desculpam os bandidos.

A EMPATIA que sentem pelos bandidos É PORQUE SE IDENTIFICAM NO BANDIDO, sentem certamente a vontade de fazer o mesmo, mas temem a represália. Os bandidos então os REPRESENTAM da mesma forma que o TIME REPRESENTA o TORCEDOR.
...É um processo mental, é da natureza humana.

Perceba-se que aqueles que DEFENDEM a RECUPERAÇÃO dos BANDIDOS...

...São os mais eficientes DEFENSORES da PUNIÇÃO para os POLICIAIS que maltratam bandidos.

Escondem sua preferência e ABSOLUTA EMPATIA em teses sobre "direitos humanos" que JAMAIS SÃO INVOCADOS em favor das vítimas ou contra os bandidos. Trata-se de mero ARDIL, para não declarar-se EMPÁTICO e SOLIDÁRIO aos bandidos por pura IDENTIFICAÇÃO com a PERSONALIDADE destes.

É notório o exagero emocional, o ódio, ao policial que maltrata o bandido e ao mesmo tempo a ausência de emoção ante as vítimas maltratadas pelos bandidos.

Muito mal conseguem fingir sentimentos pelas vítimas, diferentemente da comoção que não conseguem esconder ante os bandidos sacrificados.

Invocam o bem para defenderem o mal. Defendem a tolerância ao mal para protege-lo e incentiva-lo ao mesmo tempo que se opõem ao justo revide.

Como bem disse o genial Nietzsche:

"nem toda vingança é justiça, mas TODA JUSTIÇA É VINGANÇA"

Na moral ocidental o maior valor é a bondade, é o perdão ao mau, ao perverso e a todo que é nocivo. É uma moral que visa preservar o mal. Por isso ataca o justo revide, clamando para que se combata o mal com o bem, para incentiva-lo pela impunidade. O valor moral da "bondade" se dá em detrimento da honestidade e da justiça.

Sempre Mais do MESMO disse...

.
A idéia era outra, mas veio-me à mente a questão da EMPATIA e perfeita identificação com a personalidade do bandido por parte daqueles que tanto se comovem contra o JUSTO REVIDE, em insofismável SIMPATIA e AFINIDADE com o Bandido.

Quem chora por ver sua casa desabar numa enchente, ou por perder os seus bens adquiridos com sacrifício, não o faz por pena da mobilia "sacrificada", NÃO!

O choro, a dor É POR SI MESMO, é pela perda que teve e não pela mobilia. É A NATUREZA HUMANA: SÓ nos EMOCIONAMOS POR NOS MESMOS.

A morte do ente querido nos causa dor porque É UMA PERDA NOSSA. Porque simpatizamos, gostamos ou amamos sua companhia ou existência. A morte de desconhecidos não nos comove. A menos que consigamos nos "ver" na situação alheia, mas nunca pela perda. Se não há empatia ou perda, não nos desperta sentimentos.

Os governantes ou "OS PRÍNCIPES" atribuem-se superioridade aos governados porque CULTUA-SE as tais "autoridades" como se superiores ao povo.

É daí que estes exigem a exaltação do respeito a tal "superioridade" e as "devidas" ostentações de inferioridade. Não por acaso é notória a exigência de tratar os governantes e autoridades por "EXCELÊNCIA", "ILUSTRISSIMO", "EXCELENTÍSSIMO" e mais toda sorte de demonstração da "superioridade" obtida com a ocupação de um cargo.

Lembrando-me de Etienne de la Boétie em seu brilhante "discurso da servidão voluntária", devo dizer que a CULPA dos governantes e de toda alta hierarquia estatal SENTIR-SE SUPERIOR e desprezar os sentimentos da "PLEBE", sem perceber que são humanos e sofrem, é do próprio povo, que rasteja ante as tais "autoridades" como se clamando por concessões das "divindades" que lhes são tão "superiores".

É A SUBMISSÃO QUE PRODUZ OS TIRANOS!

É a submissão do rebanho popular que faz da alta hierarquia estatal a NOVA NOBREZA que perde até a noção de que os submissos também sofrem e sentem dor. É a submissão, o rastejar da população, que faz as tais autoridades sentirem-se tão superiores e PERDER TODA EMPATIA, toda identificação com o povo. Apenas fortalecendo essa "superioridade" qdo jogam migalhas a meros "ANIMAIS que EXISTEM PARA SERVI-LOS".

As celebridades e os atuantes em meios de comunicação igualmente sentem-se superiores porque o povo os cultua como se deuses. Por isso já milionários ainda vão buscar LEI ROUANET, estando cientes que tal dinheiro melhor seria aplicado em HOSPITAIS, por exemplo.

Eles DESPREZAM os SUBMISSOS populares, que excitam-se ante a mera visão das celebridades, porque estes os fazem sentir tão superiores que não conseguem se ver como semelhantes aos "seres rastejantes que os adoram como se diferentes em sua absoluta superioridade".

jomabastos disse...

O Dia do Bandido, o Dia do Corrupto, o Dia do Canalha da pior espécie - Infelizmente há que admitir já existem faz alguns... muitos anos.

jomabastos disse...

Uma Intervenção Institucional, Constitucional, é necessária e inevitável. Ainda não ocorreu porque o país não se entende. Vivemos fechados em ideias erradas e fora do mundo real. E assim a atividade política continua criminalmente irresponsável.

jomabastos disse...

A falta de lei, segurança e justiça em que estamos vivendo, estimulou e segue estimulando a proliferação de políticos e rentistas prepotentes, incultos e mal-educados. Esta onda de prepotentes, incultos e mal-educados, vai se espalhando desde os Três Poderes até a escória endinheirada. Esta é uma das grandes razões porque vivemos em um caos institucional, numa profunda anarquia.
Até quando nos vamos permitir esta situação? Até que um poder maior e verdadeiro, que emane de um povo cansado e humilhado, seja aplicado neste país.

jomabastos disse...

Se o Bolsonaro vencesse a presidência, seria muito útil e necessário para o Brasil que ele como presidente promovesse uma Intervenção Constitucional. Certamente que muito de positivo para o Brasil iria sair daí.
Há que construir os alicerces desta Nação, com uma nova e verdadeira Constituição que defenda o Liberalismo social e econômico.
Enquanto a atual Constituição continuar prevalecendo, dificilmente poderá ser executado algo de verdadeiramente positivo e real neste Brasil.
Mas antevejo que Bruzundanga continuará a ser um hospício a céu aberto.

jomabastos disse...

Necessitamos de profundas reformas estruturais e infra-estruturais para que o crescimento econômico aconteça nesta Nação. Enquanto estas profundas restruturações não acontecerem, continuaremos a tentar sobreviver num país à deriva.

jomabastos disse...

NARCOTRÁFICO = VIOLÊNCIA E CORRUPÇÃO

A guerra aberta contra o narcotráfico tem que estender-se às fronteiras, aos aeroportos e aos portos fluviais e marítimos, com a finalidade de asfixiar o profundo narcotráfico enraizado neste Brasil, que origina incontrolável violência e corrupção.

jomabastos disse...

Por muitos Professores Modestos Carvalhosas que existam, só uma Intervenção Institucional poderá acabar com o atual descalabro legislativo e constitucional que infelizmente prevalece neste país.

Anônimo disse...

Que tal a Dilma dar o exemplo? Vende a bicicleta e usa o dinheiro escondido. Essa aí entende de roubo a banco!

Anônimo disse...

Já que o Lula continua comandando de dentro da carceragem, vou contribuir como cidadão que sou: vou comprar e enviar, de presente, o cadeado mais seguro que encontrar no comércio, pintado com as cores da nossa bandeira.

Anônimo disse...

Enquanto as FA permitir eles rasgarem a constituição e a lei de segurança nacional e deixar que organizações estrangeiras como Diálogo Interamericano e Foro de São Paulo interfira nas eleições com urnas fraudáveis, nunca mudará nada.
General, não se apegue ao cargo, dá um murrão na mesa e imponha respeito. E se eles te exonerarem e colocar outro, que o outro faça o mesmo até que eles respeite as FA e o povo tmb. Psicopatas só entendem a linguagem da força; nada além disto. Psicopatas não respeitam lei... Psicopatas não tem limites. É exatamente por isso que houve genocídios em várias partes do mundo com comunismo, nazismo e outros ismos.

Anônimo disse...

Caro Serrão, você diz: "um sistema de votação eletrônica combinado com o voto impresso para recontagem física", etá completamente enganado, pois na Venezuela, com sistema SMARTMATIC, e voto impresso é onde ocorre as maiores fraudes eleitorais jamais vista. Não adianta meu caro, voto eletrônico não é seguro de jeito nenhum, tudo que se refere à "computadores" e, é disto de que estamos falando é fraudável pelo "administrador do sistema", pergunte à qualquer hacker, caso você conheça algum. A informática é apenas um facilitador de fluxos de informações e não um "cérebro eletrônico" como se dizia antigamente. Sempre será fraudável, pois depende da intervenção humana, e estes meu amigo, não são minimamente confiáveis, ou são? O ser humano que detêm a "chave" do processo faz o que quiser e pior até essa chave pode ser hackeada ou seja roubada do "sistema" e aí é uma festa. Se sistemas eletrônicos fossem seguros as operadoras de cartões de crédito seriam os locais mais seguros para as transações financeiras que se têm notícias, no entanto são as maiores vítimas de fraudes no mundo. Capiche?

Bruno disse...

São profissionais neste assunto. Cadê a novidade? Cleptocracia comunista é assim.

Anônimo disse...

Perfeito o recado dado pelo Comandante do Exército Brasileiro. Só não entendeu quem não quis ou se fez de bobo.

Assinado: Cabo da Faxina

Anônimo disse...

Só com a restauração do Império. Falta ação por parte do SRI. Vamos às armas.

Anônimo disse...

Minha gente, vocês estão lidando com uma quadrilha que não sabe o significado da palavra: por gentileza; por favor; me dê licença. Eles só entendi quando um deles for empalado em praça pública. Adivinha quem é o voluntário?