domingo, 6 de janeiro de 2019

Quem vencerá o confronto entre bandidos armados e a sociedade civil?


Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Sérgio Alves de Oliveira

A flexibilização anunciada pelo GOVERNO BOLSONARO para que a sociedade civil possa se armar no enfrentamento com a bandidagem, sem dúvida alguma constitui-se , por um lado, numa legítima política de reconhecimento do direito de  LEGÍTIMA DEFESA.

Mas mesmo portando uma arma de fogo, com o indispensável  treinamento, para  eventualmente defender-se de um ataque criminoso , a vantagem  ficará quase sempre do  lado do marginal. Raramente a vítima sairá vencedora, com certeza. Só vencerá a disputa por algum “acidente”.

Mesmo que a sociedade civil se disponha a fazer um treinamento adequado para usar arma de fogo, jamais ela será páreo à altura para a ação criminosa. Além do maior treinamento e “disposição” dos bandidos, os elementos SURPRESA e INICIATIVA sempre tenderão a favorecê-los.

Tudo é uma questão de lógica. Para começo de conversa, jamais a vítima vai estar preparada adequadamente, e no momento  oportuno, para defender-se do ataque de bandido. Nem seria concebível supor que a pessoa andasse permanentemente com a arma em punho para eventualmente enfrentar alguma ameaça ou ataque. Mas mesmo assim seria mais provável que essa pessoa recebesse “chumbo” antes que pudesse  acionar o gatilho.

A iniciativa da agressão invariavelmente é do bandido. Como puxar uma arma de fogo para defender-se com o cano da arma do delinquente já encostado na cabeça ou no peito? Nenhuma chance. E qualquer reação suspeita ou  ameaçadora da vítima seria a sua morte certa.

Outro ponto que deverá aumentar a agressividade dos marginais, com certeza, será a sensação que ele terá do possível “enfrentamento” armado que poderá ter pela frente, o que o levaria  a disparar a sua arma contra a vítima  sem titubear. Psicologicamente o marginal tenderá a ficar bem mais agressivo que “antes”.

Além do mais, não tem a mínima coerência sujeitar a sociedade civil a um provável SUICÍDIO, no enfrentamento com a bandidagem, no momento em que a legislação penal e a própria Justiça são absolutamente frouxas  no sentido de retirar  os bandidos do convívio social, eliminando-os,  por uma ou outra maneira.

Portanto essa política de armar a sociedade civil para que ela se defenda por sua conta  e risco da ação da bandidagem não passa de mais uma inversão de valores. Enquanto dão um revólver para as pessoas poderem se defender dos bandidos, incentivando-as a uma espécie de quase-suicídio, o próprio Estado, que teria por obrigação originária  combater a criminalidade, ”tira-o-seu-corpo-fora”, no cumprimento dos seus deveres, apesar da “montanha” de impostos pagos pela sociedade para ter essa  segurança.

Concluindo: se o Estado agisse com efetivo rigor no combate à criminalidade, seja pelas leis, ou pela atuação da Polícia, do Ministério Público  e da própria  Justiça, certamente ele não teria que “terceirizar” a prestação de segurança nas “pessoas” da sociedade civil, conduzindo-a ao “quase-suicídio”.

Sérgio Alves de Oliveira é Advogado e Sociólogo.

13 comentários:

Anônimo disse...

Comentário de militante de esquerda, travestido de profissional do porte/uso arma. Defensor de bandidos.

jomabastos disse...

Há quem queira que aprendamos a ser pistoleiros pra nos defendermos... ou matas ou morres.

Anônimo disse...

.

acp

Absurdo

O Estado não tem o dever de proteger ninguém específico e individual

Várias vezes, no Brasil, nos EUA e ewm outros países, vítimas de crimes ou parentes de assassinados processaram o Estado para obter indenizações

Nunca houve uma vitória

Nem poderia haver

É por isso que existem seguros, trancas, vigilantes, escolta privada armada

Cada um de nós é responsável pela própria defesa pessoal, familiar e patrimonial

Também com armas de fogo

O Estado não pode proibir os meios para a defesa, nenhum deles

Texto muito ruim

acp

.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

O Senhor Anônimo das 11:35 andou lendo outro texto qualquer e foi comentar logo no meu.Ele deve ser muito rico para ter à sua disposição uma "escolta armada" e não precisar da segurança do Estado. Feliz dele.Por outro lado ,ele está retornando alguns milênios na História,quando a Justiça era deixada para ser feita pelas "próprias mãos".Por outro lado não defendo o desarmamento.E quem o faz trabalha para os bandidos. Somente tento advertir dos perigos nesse enfrentamento e censuro o Estado por não prestar a segurança necessária,apesar dos impostos que recebe para essa tarefa.

Anônimo disse...

A matéria é bem própria dos esquerdopatas que desarmaram a população, deixando os bandidos armados e protegidos por uma tal "audiência de custódia" que visa tão somente liberar o criminoso após o ato cometido.
Eu quero e vou correr atrás do meu "porte de arma" se não for possível me contentarei com a "posse" que são bastante distintos.
O bandido também tem que temer! Porque ele pode e eu não?
Mais cidadãos menos bandidos!
A era PT acabou. Tem um amigo aqui nas postagens que falou deverás apropriadamente: "Comentário de militante de esquerda, travestido de profissional do porte/uso arma. Defensor de bandidos."
Brasil acima de tudo! Deus acima de todos!
Vamos dar ao cidadão o que é do cidadão e ao bandido o que ele bem merece!

Anônimo disse...

Bolsonaro está pleiteando a posse de arma, não o porte, para que o cidadão possa se defender de uma invasão de seu domicílio por bandidos. O Estado jamais poderá garantir segurança absoluta, pois, para isso, precisaria haver um policial para cada habitante em todos os momentos. O que sabemos é que, nos países em que o porte sem exposição obrigatória da arma é liberado, os bandidos jamais saberão quem está armado e temem ser alvejados por outra pessoa no momento em que abordarem alguém.

Roberto Tesck disse...

Ele fala em inversão e quem inverte é ele.
proibir o cidadão de se defender é entrega-lo, indefeso, à sanha dos marginais.
Imaginar que o estado pode defender cada um, individualmente, é cinismo e desonestidade intelectual inadmissível.

LUIZ REGO disse...

Por gentileza, pesquise se nos países aonde é permitido a posse, porte, posse/porte há essa preocupação. Não ha porque a marginalidade não ganhou musculatura. Pior do que dispor de uma arma e os fatores listados existirem, seria não ter armas (sem possibilidade de defesa) com todos os fatores listados favoráveis a marginalidade. Ou o articulista reside fora do Brasil?

aparecido furlaneto disse...

comunista de merda.. va catar coquinho....

Anônimo disse...

.

acp

Li este absurdo texto, com certeza

A escolta armada, para pessoas e bens, é permitida pela legislação

É prova de que o Estado não tem o dever de proteger quem ou o que seja o tempo todo

Como também o provam o seguro, a tranca, o cão etc

A escolta armada é prova, igualmente, de que o Estado reconhece que armas de fogo são essenciais para a defesa eficaz

O Direito reconhece circunstâncias nas quais uma pessoa pode exercer sua auto-proteção em estado de necessidade, exercício regular de direito, estrito cumprimento de dever legal ou legítima defesa

No caso brasileiro, tais circunstâncias estão definidas nos arts 23, 24 e 25 do CPB

O art 1.210 do CC prevê atos próprios para defender a propriedade ou recuperá-la, pela força

Nada disso se confunde com o exercício arbitrário das próprias razões, conhecida como justiça pelas próprias mãos

O exemplo comezinho é d'alguém que vê, num dia, quem o tenha roubado em outra data e age para atingir o roubador

O art 345 do CPB estabelece que a força pode ser usada nos casos nos quais permitida pela Lei

Seria absurdo vedar a alguém a possibilidade de defender-se diante do risco de um estupro, assassinato, roubo etc

Proteger a si, aos seus ou à propriedade é um direito natural

Por sinal, nada tem a ver com objetos usados em tal atividade

Ter consigo ou usar instrumentos, sejam eles pedaços de madeira, panelas, bolsas, panelas, guarda-chuvas, facas, armas de fogo etc nada tem a ver com o exercício de tal direito

Alguém que tenha menos de 25 anos e não seja Militar, Policial ou assemelhado não pode ser dono de arma de fogo ou portá-la nas ruas. Pode usar arma que esteja no domicílio e pertença a outra pessoa que ali resida e seja dono legal do objeto

O Estado não tem o dever de proteger ninguém específico e individual

Várias vezes, no Brasil, nos EUA e ewm outros países, vítimas de crimes ou parentes de assassinados processaram o Estado para obter indenizações

Nunca houve uma vitória

Nem poderia haver

Cada um de nós é responsável pela própria defesa pessoal, familiar e patrimonial

O art 144 da cf-88 especifica que a segurança pública é responsabilidade de todos, além de dever do Estado

Também com armas de fogo

O Estado não pode proibir os meios para a defesa, nenhum deles

Já é possível, como sempre foi, ter e portar armas de fogo por qualquer pessoa que atenda as exigências da legislação em cada época

As compras de armas de fogo têm aumentado no Brasil nos anos 2010, bem como as emissões de porte para cidadãs e cidadãos em geral

O texto é contra a posse objetiva de armas por pessoas

A convivência da lógica permissão de uso de escolta armada com absurdas restrições à posse e ao porte de arma de fogo por quem não possa pagar por escolta para si e para os seus é óbvio elitismo

Quem paga escolta não precisa portar arma nem usá-la na legítima defesa

Já quem poderia se defender com uma arma própria, a um custo muito inferior ao da escolta, é impedeido pela burocracia subjetiva

Congratulo os demais comentadores, exceto o das 09.48 AM

Não é obrigatório defender a si ou aos seus

Texto muito ruim

acp

.

Sérgio Alves de Oliveira disse...

Tive que intervir. Não deu para aguentar tanto desaforo e idiotice. É muito difícil escrever para idiota e analfabeto funcional.Pelo visto o comentarista "anônimo"das 11:27 AM .seria advogado,talvez criminalista. Ele sabe de cor,vírgula por vírgula, tanto o Código Penal quanto o CPP e os coloca acima de Deus.Porventura ele nunca teria questionado que é justamente o sistema "dito" repressivo do Brasil o maior aliado da bandidagem,em vista da sua "cósmica"tolerância com o crime? Realmente uns códigos de "merda" como esses são bons para os bandidos e seus advogados se forrarem de dinheiro. Os da Lava Jato sabem bem. Por outro lado estes idiotas não entenderam que sou totalmente favorável ao armamento da sociedade para defender-se. Só fiz um alerta sobre o perigo. Os bandidos na maioria dos casos levarão vantagem. Mas critico a omissão do Poder Público e das leis em fazerem TAMBÉM os seus papeis de proteção sociedade.É uma pena que essa página já passou,como a água de um rio que passa e não volta mais.

Anônimo disse...

Para facilitar o trabalho do autor, normalmente quando uma mensagem não é compreendida pela maioria dos leitores, a falha está na construção do texto argumentativo.

Anônimo disse...

.

acp

O governo não terceiriza nada

A legítima defesa é um direito natural

A compra de armas de fogo sempre foi legal, no Brasil

As regras mudam de tempos em tempos

Até 1997 eram muito livres, exceto pela limitação de calibres e pela limitação de quantidade de peças, vigente no mínimo desde 1980

As polícias não têm o dever de proteger ninguém, em nenhum lugar do mundo

acp

.