domingo, 10 de fevereiro de 2019

CPI Lava Toga só sai com muita pressão popular



Edição do Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Jorge Serrão - serrao@alertatotal.net
Membro do Comitê Executivo do
Movimento Avança Brasil

É mais fácil um integrante do STF passar pelo buraco de uma agulha que o Senado reunir assinaturas suficientes para a instauração da CPI Lava Toga. No entanto, é recomendável não subestimar o grau de insatisfação da população brasileira com o Judiciário. A bronca pode gerar uma pressão tão grande que acabe forçando os parlamentares e partirem para uma “retaliação” contra os integrantes dos tribunais superiores (STF e STJ).

No texto do requerimento que pede a abertura da CPI, o senador Delegado Alessandro Vieira toca em um ponto que junta a insatisfação popular com a dos políticos (ultimamente alvos fáceis da máquina judasciária - polícia judiciária, ministério público e magistratura): “Não deveria haver lugares para ideologias, paixões ou vontades no Judiciário, contudo, fato é que o País tem testemunhado com preocupante frequência a prevalência de decisões judiciais movidas por indisfarçável ativismo político, muitas vezes ao arrepio da própria Constituição”.

O risco da CPI deve ter devolvido o ministro Dias Toffoli ao seu plano inicial antes da posse de Jair Bolsonaro. A intenção dele era intermediar um pacto nacional republicano com os chefes dos demais poderes para construir um caminho que garanta a aprovação de reformas. O pacto também reduziria a tensão na guerra de todos contra todos os poderes. O plano pareceu interrompido por uma vacilada na judicialização que ajudaria a eleger Renan Calheiros presidente do Senado. Como deu tudo errado, agora Toffoli tenta retomar o caminho inicial...

O Mecanismo não quer a CPI Lava Toga. Dificilmente, ela sairá. Porém, ficou a forte ameaça. Os 11 do STF e os 33 do STJ, se não estão apavorados, ao menos parecem apreensivos. Afinal, vale aquela máxima de que CPI todo mundo sabe como começa, mas nunca se consegue prever de que jeito (geralmente desastroso) pode terminar. É justamente por isso que a maioria dos 44 ministros dos tribunais superiores farão o que puderem, nos bastidores, para a idéia nascer morta.

Teremos pressão popular suficiente para forçar a CPI? Por enquanto, a resposta mais provável é: Não... Um Não rotundo... No entanto, até outro dia, quem poderia imaginar que Renan Calheiros (favorito dos picaretas e quase tolerado por alguns membros do governo) seria forçado a retirar sua candidatura à Presidência do Senado? As coisas andam imprevisíveis na Repúbliqueta Capimunista de Bruzundanga.

O Alerta Total insiste na tese elementar. Não dá para viver em um País sem Justiça. Por isso, não se deve avacalhar com o Judiciário. No entanto, se tal poder não se der ao respeito e só agir na base do rigor ou do perdão seletivos, ele só será classificado, pejorativamente, como Judasciário. Isto não interessa ao Brasil que votou por mudanças estruturais e reformas na eleição passada.

O Brasil está em ritmo de mudar ou mudar. Se os membros da máquina Judiciário não entenderem tal necessidade, vão acabar na máquina de lavar da História. A mesma tendência vale para a cúpula da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). A guerra de todos conta todos tende a não poupar ninguém que esteja muito errado ou em conluio descarado com o Mecanismo do Crime Organizado...

Releia o artigo de sábado: Rigor seletivo também rasga toga a ser lavada


Vida que segue... Ave atque Vale! Fiquem com Deus. Nekan Adonai!

O Alerta Total tem a missão de praticar um Jornalismo Independente, analítico e provocador de novos valores humanos, pela análise política e estratégica, com conhecimento criativo, informação fidedigna e verdade objetiva. Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor. Editor-chefe do blog Alerta Total: www.alertatotal.net. Especialista em Política, Economia, Administração Pública e Assuntos Estratégicos. 
A transcrição ou copia dos textos publicados neste blog é livre. Em nome da ética democrática, solicitamos que a origem e a data original da publicação sejam identificadas. Nada custa um aviso sobre a livre publicação, para nosso simples conhecimento.

© Jorge Serrão. Edição do Blog Alerta Total de 10 de Fevereiro de 2019.

6 comentários:

Anônimo disse...

Eu penso que pressão popular é o que não faltará para o sucesso da Lava-Toga, ao contrário do que dia o artigo. Sem a perspectiva da LT já houve vários movimentos populars, com a perspectiva então...
Esther

Anônimo disse...

E o video no youtube Toffoli rouba processo e disso se jacta ? As expressóes faciais , seu riso sarcástico o comprometimento da juiza federal que arquivou o processo por amizade ? E o sujeito hoje é o presidente do Supremo ... Isso tem de viralizar .

Anônimo disse...

A esquerda joga pacientemente. Ela sempre advogou o controle externo do Judiciário (que permitisse ser feito por ela, mesmo quando não estivesse no poder). Começou fazendo seu aparelhamento por militantes, cujas atitudes desmoralizam a corte perante a população, até que o clamor popular exija mecanismos de controle externo, esvaziando seu poder.

Anônimo disse...

Se a pressão popular resolvesse mesmo as catastrofes anunciadas e os responsaveis pela matança dos 200 jovens da Boate Kiss no sul todos os responsaveis estariam condenados e presos, os responsaveis pela invasão de prédio em São Paulo, que pegou fogo tambem. As tragedias de Mariana e Brumadinho onde o refeitorio dos funcionarios estavam, ofereciam perigo eminente, tambem estariam presos e processados.Infelizmente o Brasil é um país podre, onde quem dinheiro, pode tudo e quem não tem, vive marginalizado, ao Deus dará. Nem se tivessemos duzentos Bolsonaros este país tomaria jeito. Somente uma intervenção no moldes de 1964, com caça as bruxas poderia fazer do brasil, um pais digno de se viver.Acredite se quiser

Anônimo disse...

O novo pres. do Senado Davi Alcolumbre é inexperiente para lidar com os corruptos do Senado, que são mestres em artimanhas e conseguiram anular o Lava Toga, obrigando-o a arquiva-lo. Ele poderia suspender a votação e coloca-la no plenario quando tivesse certeza que poderia contar com pelo menos 30 votos, porque 27 já seriam suficientes e deu no que deu. Infelizmente o congresso continua podre e para aprovar os projetos o presidente DAVI terá que fazer concessões duvidosas.como sempre foi neste brasil varonil. II

Anônimo disse...

Parece que o governo não se esforçou para aprovar a Lava-Toga porque havia defeitos no projeto que poderiam anular sua efetização, além de que CPI não tem poder de processar; serve apenas para parlamentares se exibirem. Kajuru é um exemplo do que o Capitão Durval Ferreira fala sobre falsos conservadores ou falsos intervencionistas, pois são financiados pelos opositores para dividir um movimento. São escollhidos tipos histriônicos, folclóricos com quem nenhum conservador se identificaria justamente para enfraquecer o verdadeiro movimento. São escolhidos para enganar um povo latino, que se deixa levar pela emoção e não apresentar resultados concretos.